Melhor temporada dos últimos tempos não pode terminar com corrida insossa: decisão pede um superoval

Uma temporada tão boa como a 2017 da Indy - a melhor da categoria nos últimos anos - não pode terminar de forma tão insípida como uma corrida em Sonoma. Não! A decisão da Indy precisa ser num superoval

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

A temporada 2017 foi uma das melhores de todos os tempos – certamente foi a melhor dos últimos anos em termos de disputa. Ninguém disparou na pontuação e um punhado de pilotos e equipes se colocaram em posição de ataque por boa parte do ano. Como fator de comparação, Simon Pagenaud foi campeão em 2016 com 127 pontos de vantagem para o segundo colocado, Will Power. Em 2017, os seis primeiros colocados do campeonato ficaram dentro da margem de 127 tentos – e atrás deles, em sétimo, um Alexander Rossi que chegou a Napa Valley com chances de se tornar campeão. Foi, portanto, uma excepcional temporada. E por ter sido uma temporada fantástica não merecia terminar na insossa pista de Sonoma.

 
Esta análise é um pedido, quase uma súplica, para que a Indy reveja a sede de sua decisão. Sonoma não é uma pista ruim, é até técnica, mas facilita uma procissão para monopostos. Tem sido assim desde que, em 2015, tornou-se casa do episódio final. Neste 2017 eletrizante, o final foi amargo. 
 
Não fosse Pagenaud pulando do terceiro lugar para tentar uma estratégia diferente, mais ousada, e mudando a ordem da corrida, nada teria acontecido. Pagenaud ganhou, Newgarden saiu de primeiro para segundo e Power de segundo para terceiro. Scott Dixon ainda passou Helio Castroneves no fim, mas no geral as ultrapassagens foram escassas no que acabou sendo uma corrida chatíssima de duas horas. 
A largada da grande final da Indy em Sonoma (Foto: IndyCar)
É uma afronta ao que foi o 2017 da Indy, um completo desrespeito.
 
A Indy sabe do que precisa. Não é à toa que antes de mudar para Sonoma, em 2015, passou alguns anos encerrando suas temporadas em ovais. Tirando a loucura de Las Vegas, 2011, os fins em Fontana sempre tiveram um elemento extra, uma pitada de diversão que Sonoma provavelmente jamais terá, mas que com certeza não conseguirá manter como padrão.
 
Não, não é um pedido para que a Indy passe a decidir o campeonato em ovais. É mais que isso, porque ovais curtos correm o mesmo risco. É um pedido para que a Indy avalie a Indy 500 e as etapas de Texas e Pocono deste ano e de anos passados e tome a decisão que parece mais correta possível: faça suas finais em superovais. Decida com uma corrida de 500 milhas ou 400, mas faça desta forma. 
Josef Newgarden (Foto: IndyCar)
Quando a Indy decidiu fazer de Sonoma o local da final, acabou passando Fontana para o meio da temporada e no sábado. Aconteceu apenas num ano, 2015, porque o público não compareceu com as mudanças e porque as batidas foram muitas – era, afinal, o momento mais crítico dos kits aerodinâmicos. A segurança aumentou e as arquibancadas não estarão vazias no dia da decisão, é uma certeza. Especialmente para uma Indy que volta a crescer.
 
Se não for Fontana, tudo bem, que adiantem Texas ou Pocono – que é pertinho no calendário. Ou que coloquem, por exemplo, Talladega. Mas uma temporada como a de 2017 – e que promete se repetir algumas vezes nos próximos anos – merece mais. Suplica, afinal, por uma decisão com as oportunidades de um superoval. 
KUBICA TEM WILLIAMS COMO GRANDE CHANCE PARA VOLTAR À F1 EM 2018. E PODE "SOBRAR MUITO" PARA MASSA

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube