Panther vai à justiça por perdas e danos em acordo da National Guard com RLL para 2014

Insatisfeita com a decisão da National Guard de trocá-la pela RLL, a Panther entrou na justiça alegando improbidades no processo de escolha por parte da companhia

A Panther decidiu entrar na justiça contra as partes envolvidas com o acordo da National Guard com a RLL, que passa a vigorar na temporada 2014 da Indy. A equipe alega que sofreu perdas devido a improbidades no processo de seleção promovido pela guarda nacional norte-americana no fim do ano passado.

As partes processadas pela Panther são a agência Docupak – que representa a National Guard –, a RLL, um diretor da patrocinadora e a própria Indy.

A partir deste ano, a National Guard, que vinha estampando o carro #4 há algum tempo, apoiará Graham Rahal. O acordo foi feito após a RLL pedir uma verba de pouco mais de US$ 12 milhões (cerca de R$ 27 mi), contra US$ 17 milhões (quase R$ 40 mi) solicitados pela Panther. Mas, de acordo com um relatório da própria companhia, não foi só isso.

Panther não contará mais com o apoio da National Guard (Foto: Chris Trotman/Getty Images)

A Docupak foi encarregada de avaliar o potencial de exposição da marca que cada time poderia proporcionar. De uma lista de cinco itens, a RLL levou a melhor em três.

Só que a Panther discordou dessa lista reclamando que, por possuir um acordo de exclusividade com a Indy, seria capaz de atuar melhor nas Fan Zones montadas nos circuitos. O mesmo relatório da National Guard rejeitou a hipótese depois de receber da Indy uma confirmação de que poderia fornecer à RLL um espaço na área em 2014.

“Apesar de a Panther entender que foi prejudicada por uma avaliação da agência, os arquivos não mostram nenhuma possibilidade razoável de que essa fraqueza avaliada afetou a decisão da agência de seleção, já que a proposta da RLL continuaria mais bem cotada e mais barata. O protesto é negado”, escreveu a conselheira-geral Susan Poling.

Insatisfeito com o posicionamento da antiga parceira, John Barnes, o dono da Panther, foi à justiça. O processo foi protocolado no dia 19 de fevereiro.

De acordo com a 'Racer', Bobby Rahal ainda não sabia da ação judicial e não foi notificado.

Mais tarde, a equipe emitiu um comunicado no qual reforçou sua dedicação à Indy e aos Estados Unidos da América, porém, sem entrar em detalhes do processo.

“A Panther é um membro orgulhoso da Indy e está ansiosa pela temporada 2014. Por uma política da empresa, nós não comentamos litígios pendentes. Contudo, como fizemos por mais de 15 anos, a Panther está comprometida a sempre agir com integridade e conduzir seus negócios de maneira ética e legal”, diz o texto.

“Nosso foco continua em montar um time forte na Indy na pista e em ser cidadãos responsáveis fora dela. Continuamos ativos na comunidade de Indianápolis e vamos continuar a apoiar os soldados norte-americanos através do nosso trabalho com outros programas”, encerra.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube