Piloto da Honda, Yamamoto descarta participação na Indy: “Muito perigoso”

Um dos principais pilotos japoneses da atualidade, Naoki Yamamoto não tem desejo de substituir Takuma Sato na Indy. Oval é empecilho para o campeão da Super Fórmula em 2013 e 2018, que guiou a Toro Rosso em treino oficial da F1

Naoki Yamamoto vem se consolidando como um dos grandes nomes japoneses do automobilismo na atualidade. O piloto foi campeão da Super Fórmula e do Super GT em 2018. Seu sucesso aliado com a filiação com a Honda renderam uma participação em um treino oficial da F1, em Suzuka, pela Toro Rosso.
 
Além da F1, a Honda também é fornecedora de motores da Indy. A montadora analisa a situação de Takuma Sato, piloto da RLL que completa 43 anos em janeiro, e está perto do fim da carreira. Apesar de Yamamoto ser uma boa opção, ele não tem desejo de competir nos Estados Unidos por conta do perigo.
 
"Eu quero pilotar contra o mais alto nível se tiver a chance. Quero pilotar um F1 de novo e gostaria de pilotar um carro da Indy também, mas no momento, não tenho interesse de correr lá. É muito competitiva, só fica atrás da F1, mas é muito perigoso", disse em entrevista ao site ‘Motorsport.com’.
Naoki Yamamoto (Foto: Getty Images/Red Bull Content Pool)
"Se fossem apenas circuitos mistos e de rua, definitivamente iria. Mas ovais? Eu tenho família, e é muito arriscado. No momento, não quero correr lá", completou o vice-campeão da Super Fórmula em 2019.
 
Yamamoto também demonstrou o desejo de competir nas 24 Horas de Le Mans, buscando repetir o sucesso dos compatriotas Kazuki Nakajima e Kamui Kobayashi. A falta de envolvimento da Honda no WEC é um empecilho para o piloto de 31 anos.
 
"Eu ouço muito dos pilotos que Le Mans é uma corrida incrível, e que se você tiver chance, deve pilotar. Eu quero tentar. O problema é que na LMP1 só tem a Toyota, e nenhuma outra montadora", completou.
 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube