Rahal passa Hinchcliffe na linha de chegada e vence GP do Texas por 0s008. Kanaan vai ao pódio

Graham Rahal superou um dominante James Hinchcliffe nos metros finais e venceu o GP do Texas da Indy. A segunda parte da prova foi de tirar o fôlego, com Tony Kanaan e Simon Pagenaud também sonhando com o triunfo até os últimos suspiros

window._ttf = window._ttf || [];
_ttf.push({
pid : 53280
,lang : “pt”
,slot : ‘.mhv-noticia .mhv-texto > div’
,format : “inread”
,minSlot : 1
,components : { mute: {delay :3}, skip: {delay :3} }
});

(function (d) {
var js, s = d.getElementsByTagName(‘script’)[0];
js = d.createElement(‘script’);
js.async = true;
js.src = ‘//cdn.teads.tv/media/format.js’;
s.parentNode.insertBefore(js, s);
})(window.document);

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

O GP do Texas deste sábado (27) foi um dos melhores da temporada 2016 da Indy. Com voltas finais de tirar o fôlego com os quatro primeiros colocados andando lado a lado, a segunda parte da chuvosa etapa que deveria ter terminado em junho viu um incrível Graham Rahal passar James Hinchcliffe no último giro e vencer por míseros 0s008, na chegada mais apertada da história do oval texano.
 
Hinchcliffe sentiu o gosto amargo de liderar a prova inteira e perder nos metros finais, quando parecia ter controlado os ataques de Tony Kanaan e Simon Pagenaud, que chegaram logo atrás do canadense.
 
Helio Castroneves se envolveu em dois acidentes, mas, mesmo assim, foi beneficiado pelas amarelas e terminou tranquilo no quinto lugar.

Charlie Kimball fez um grande trabalho para escalar o pelotão, fugiu de incidentes e foi pouco notado. Mesmo assim, o americano fechou em um bom sexto posto. Atrás dele chegaram completando o top-10 Carlos Muñoz, Will Power – que tomou considerável atraso no campeonato para Pagenaud -, Juan Pablo Montoya e Sébastien Bourdais.

Rahal ganhou por meros 0s008 (Foto: Reprodução/TV)

Saiba como foi a etapa do Texas da Indy

A relargada para a segunda parte do GP do Texas veio às 22h20 (em Brasília). Começando na volta 73, James Hinchcliffe tentou fugir na frente, com Ryan Hunter-Reay precisando tirar o retardatário Takuma Sato da frente. Porém, o iníico do #28 foi muito forte, não demorando nada para ganhar a dianteira. 

 
Dos primeiros colocados, quem começava bem lento era Mikhail Aleshin, que logo sumia do grupo dos dez primeiros, junto com Gabby Chaves. Por outro lado, Graham Rahal e Tony Kanaan escalavam rapidinho para figurarem perto dos ponteiros.
 
As primeiras voltas da segunda parte da etapa texana tiveram Hinchcliffe e Hunter-Reay se revezando na ponta. Ed Carpenter e Will Power seguiam bem de perto, junto com Kanaan, Rahal e Helio Castroneves.
 
Na volta 87, Castroneves passava a figurar em uma espécie de primeiro pelotão com Hinchcliffe e Hunter-Reay. Com ritmo forte, o brasileiro pressionava os dois por uma linha interna. Mais atrás, um surpreendente Chaves ganhava uma série de posições para voltar ao sexto posto.
Carpenter e Rahal seguiam Castroneves e empurravam Hunter-Reay para o quinto lugar. Na frente, Hinchcliffe mostrava muita consistência, já prestes a bater a marca de voltas na liderança de Carlos Muñoz em junho.
 
Na volta 100, Hinchcliffe puxava o pelotão com 0s3 para Castroneves, 1s1 para Rahal, 1s6 para Carpenter, 3s3 para Power, 4s9 para Kanaan, 5s5 para Chaves, 6s4 para Scott Dixon, 7s1 para Simon Pagenaud e 8s4 para Muñoz. Hunter-Reay era o primeiro a parar, com pequena mudança na parte aerodinâmica.
James Hinchcliffe (Foto: IndyCar)
Os pilotos seguiam indo para os boxes, com Alexander Rossi, Chaves e Aleshin seguindo os passos de Hunter-Reay já na volta 108. Um giro mais tarde, eram Castroneves e Juan Pablo Montoya os que entravam.

Por mais incrível que pudesse parecer, Hinchcliffe era um dos últimos a parar, indo para os boxes apenas na volta 120, com a liderança. O pit-stop do canadense da Schmidt Peterson foi bem tranquilo, mas insuficiente para fazer Hinch voltar na frente de Castroneves.
 
Reposicionados, Castroneves vinha com a liderança com 2s0 para Hinchcliffe, 4s2 para Hunter-Reay, 7s9 para Carpenter, Power, Rahal, Dixon, Kanaan e Pagenaud, que vinham em uma disputa feroz. Muñoz fechava o top-10. Por um pit-stop péssimo da Dale Coyne, Chaves deixava a volta do líder.

Não demorou muito para que Hinchcliffe recuperasse a liderança contra Castroneves. A dupla já se destacava muito do pelotão que tinha Power liderando. Aliás, esse grupo ficava ainda maior, com Muñoz e Aleshin melhorando de rendimento. Por outro lado, Hunter-Reay ia caindo pelas tabelas.

Muito cedo, Bourdais e Hunter-Reay já entravam para abrir a segunda rodada de paradas no Texas, ainda na volta 138. Novamente, Hinchcliffe fazia valer o ótimo acerto e começava a fugir de Castroneves, subindo para 4s a diferença rapidamente. O pelotão vinha 4s5 atrás do brasileiro, mas agora tinha Rahal como "líder". Do terceiro ao décimo, todos muito próximos.
 
Castroneves perdia contato com Hinchcliffe e tinha sua parada antecipada para a volta 146. Junto com ele ia para os boxes um apagado Rossi. As voltas seguintes viram os demais ponteiros parando, mas Hinchcliffe, outra vez, alongava seu stint.
 
Hinchcliffe novamente foi o último a parar, já quando seu rendimento vinha caindo. Pouco antes, Carpenter foi aos boxes, também se posicionando bem na disputa. A volta 162 guardava uma bela disputa pelo quinto lugar entre os candidatos ao título Power e Pagenaud, com o australiano levando a melhor.
 
A folga que o canadense voltou para a pista foi impressionante. Tão bom era o ritmo de Hinch que apenas 11 pilotos figuravam na mesma volta. Os primeiros colocados eram, com 70 voltas para o fim: Hinchcliffe, Carpenter, Castroneves, Kanaan, Rahal, Power, Pagenaud, Dixon, Muñoz e Aleshin. 6s7 separavam Hinch de Carpenter.
 
Castroneves parava na volta 184, o primeiro dos líderes a ir novamente para os boxes. Enquanto isso, Hinchcliffe seguia impressionando e deixava apenas outros seis na mesma volta. 8s7 separavam os líderes, com Rahal 2s7 na frente de Kanaan na luta pelo pódio. Para Power, uma boa notícia com Dixon superando Pagenaud.
 
Na volta 192, o canadense deixava para trás Pagenaud, Dixon e Power, cada vez mais superior aos demais. Seu companheiro de SPM também vinha bem. Aleshin rapidamente passava os mesmos três, sonhando com top-5. 
 
Kanaan completava um grande stint indo aos boxes na volta 199. Para o baiano, seria ideal uma amarela, já que um stint de 49 voltas seria complicado de ser feito em alto nível.
 
Carpenter dava sinais de que poderia complicar a vida de Hinchcliffe e cortava para 4s com pouco mais de 45 voltas para o fim. Além do piloto e dono de time, os demais ponteiros também alongavam os stints para evitar uma parada adicional em relação à estratégia de Hinch. A parada de Carpenter veio na volta 205, uma depois das de Aleshin, Pagenaud e Power. Hinch parou na 206. Todos aparentemente já estavam na mesma estratégia, exceto Castroneves, dos ponteiros.
Ed Carpenter ficou pelo caminho (Foto: IndyCar)
Reposicionados na pista, Hinchcliffe levava apenas 1s3 para Carpenter. Castroneves vinha 4s9 atrás, seguido por Kanaan e Rahal. Já com volta de atraso vinham Dixon, Aleshin, Kimball, Power e Pagenaud.
Foi aí que a primeira bandeira amarela do dia apareceu. Uma volta atrás, Dixon tentava recuperar terreno contra Carpenter, mas o americano jogou duro e, até de forma irresponsável, mexeu muito na trajetória, chegando até a tocar com o neozelandês. Dixon, sem controle, foi parar no muro e deu muita sorte de não ter sido atingido em cheio por ninguém. Castroneves, porém, deu uma leve tocada no carro batido da Ganassi.
 
Com 30 voltas para o fim, muita gente aproveitou para fazer mais uma parada. Castroneves e Kanaan estavam na lista, bem como Power, Aleshin, Rahal e Kimball.
 
Cinco pilotos apareciam na mesma volta, com Hinchcliffe e Carpenter sem ter parado durante a amarela. Castroneves, Kanaan e Rahal relargariam com tudo em cima. O top-10 ainda tinha os retardatários Aleshin, Pagenaud, Kimball, Power e Muñoz.
 
A relargada veio na volta 220, com Carpenter tentando atacar Hinchcliffe. Enquanto isso, Aleshin partia para cima dos ponteiros, buscando recuperar a volta a qualquer custo. O russo conseguiu, justamente na hora em que a bandeira amarela voltava.
 
Agora, era Carpenter quem dava adeus à disputa. O americano perdeu a traseira, tocou com Castroneves e ambos foram para o muro. O brasileiro ainda conseguiu ir aos boxes, perdendo um bom tempo lá, enquanto Ed abandonava. No lance, de forma bizarra, Chilton rodava sozinho e ir parar na grama.
A nova relargada veio na volta 231, com Kanaan partindo para cima de Hinchcliffe e levando Rahal junto. No meio deles, os retardatários Pagenaud e Rossi também buscavam espaço.
 
Porém, a bandeira amarela voltou a ser acionada logo na sequência. Aleshin rodou, Hawksworth acertou o russo e, de novo, Chilton passava pela grama ao fundo da cena. Com 15 voltas para o fim, apenas Hinch, Kanaan, Rahal, Castroneves e Pagenaud vinham no mesmo giro. Porém, Kanaan e Pagenaud iam para os boxes e descolavam da disputa na relargada. Porém, os retardatários tiveram de dar espaço aos líderes e lá estavam os cinco primeiros enfileirados para as voltas derradeiras em verde.
 
A relargada final veio e Kanaan saiu babando de trás, trazendo consigo Pagenaud. Hinchcliffe, porém resistia muito bem e parecia pronto para vencer. No entanto, Rahal, que só colocava o bico perto do trio, queria mais. 
 
Após parecer ter perdido ritmo, Rahal se recuperou rapidamente, deixou Kanaan e Pagenaud para trás em uma tacada só e mergulhou sem medo de ser feliz. Ali, na última curva, o americano bateu um dominante Hinchcliffe e, por 0s008 vencia o GP do Texas de forma espetacular.

Indy 2016, GP do Texas, corrida, final:

1 15 GRAHAM RAHAL EUA RLL HONDA 248 voltas  
2 5 JAMES HINCHCLIFFE CAN SCHMIDT PETERSON HONDA +0.008  
3 10 TONY KANAAN BRA GANASSI CHEVROLET +0.090  
4 22 SIMON PAGENAUD FRA PENSKE CHEVROLET +0.477  
5 3 HELIO CASTRONEVES BRA PENSKE CHEVROLET +9.342  
6 83 CHARLIE KIMBALL EUA GANASSI CHEVROLET +1 volta  
7 26 CARLOS MUÑOZ COL ANDRETTI HONDA +1 volta  
8 12 WILL POWER AUS PENSKE CHEVROLET +1 volta  
9 2 JUAN PABLO MONTOYA COL PENSKE CHEVROLET +2 voltas  
10 11 SÉBASTIEN BOURDAIS FRA KV CHEVROLET +2 voltas  
11 98 ALEXANDER ROSSI EUA ANDRETTI HONDA +2 voltas  
12 27 MARCO ANDRETTI EUA ANDRETTI HONDA +3 voltas  
13 28 RYAN HUNTER-REAY EUA ANDRETTI HONDA +3 voltas  
14 19 GABBY CHAVES COL DALE COYNE HONDA +3 voltas  
15 8 MAX CHILTON ING GANASSI CHEVROLET +5 voltas  
16 7 MIKHAIL ALESHIN RUS SCHMIDT PETERSON HONDA +17 voltas NC
17 41 JACK HAWKSWORTH ING FOYT HONDA +21 voltas NC
18 20 ED CARPENTER EUA CARPENTER CHEVROLET +25 voltas NC
19 9 SCOTT DIXON NZL GANASSI CHEVROLET +37 voltas NC
20 14 TAKUMA SATO JAP FOYT HONDA +88 voltas NC
21 18 CONOR DALY EUA DALE COYNE HONDA +206 voltas NC
22 21 JOSEF NEWGARDEN EUA CARPENTER CHEVROLET +207 voltas NC
 
PADDOCK GP #43 DEBATE INDY E MOTOGP E FAZ PRÉVIA DA F1

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “8352893793”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 250;

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube