Vencedor na Indy 500, Sullivan afirma que presença de Alonso “vai aumentar popularidade da F1 nos EUA”

Ex-piloto de F1, campeão da Indy em 1988 e vencedor das 500 Milhas de Indianápolis três anos antes, Danny Sullivan hoje atua como piloto-comissário da FIA em várias provas do Mundial. O norte-americano, aos 67 anos, disse que Fernando Alonso pode até repetir seu feito e vencer no Brickyard. Na visão do ex-piloto, Alonso pode impulsionar ainda mais a F1 nos Estados Unidos

 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Danny Sulllivan desempenha há algum tempo a função de piloto-comissário pela FIA (Federação Internacional de Automobilismo) em determinadas corridas do Mundial de F1. O norte-americano, hoje com 67 anos, teve apenas uma temporada de experiência na categoria, mas brilhou na Indy. Campeão em 1988 com a Penske, Sullivan alcançou sua maior glória três anos antes, quando venceu as 500 Milhas de Indianápolis, também pela Penske. Conhecedor do automobilismo como um todo, Sulllivan acredita que a ida de Fernando Alonso à Indy 500 será benéfica até mesmo para a F1 e entende que o espanhol poderá vencer a prova no próximo 28 de maio. Desde que tudo dê certo.

 
“Vai aumentar a popularidade da F1 nos Estados Unidos, todos os olhos vão estar voltados para ele. Ele pode vencer, mas só se tudo correr muito bem. É muito importante que ele tenha muita quilometragem”, destacou Sullivan em entrevista à revista alemã ‘Auto Motor und Sport’.
 
Ex-companheiro de equipe de Maurício Gugelmin no seu último ano de Indy na equipe PacWest, Sullivan lembrou que a quilometragem é fundamental para que Alonso tenha experiência o bastante para fazer bem a sua estreia em Indianápolis. O ex-piloto alertou para fatores que podem fazer toda a diferença em uma prova tão desafiadora, com mais de 800 km de extensão e cerca de três horas de duração.

window._ttf = window._ttf || [];
_ttf.push({
pid : 53280
,lang : “pt”
,slot : ‘.mhv-noticia .mhv-texto > div’
,format : “inread”
,minSlot : 3
});

(function (d) {
var js, s = d.getElementsByTagName(‘script’)[0];
js = d.createElement(‘script’);
js.async = true;
js.src = ‘//cdn.teads.tv/media/format.js’;
s.parentNode.insertBefore(js, s);
})(window.document);

Vencedor da Indy 500 em 1985, Danny Sullivan aprovou a decisão de Fernando Alonso (Foto: Divulgação)
“No ano passado choveu durante quase todo o mês de maio, e isso seria fatal para um estreante. O carro se porta diferente em uma pista com borracha, ou verde ou limpa, com tanque cheio ou vazio, sozinho ou no tráfego e, claro, temos o vento. É preciso muita experiência, pensar sempre no vento. Quando ele te pega nas curvas 1 e 2, te impulsiona nas curvas 3 e 4, e se você não levar em conta, isso vai te mandar para o muro”, disse.
 
Com a experiência de quem disputou 12 vezes a Indy 500, Sullivan deu algumas dicas a Alonso. E lembrou o icônico Rick Mears, dono de nada menos que seis poles e quatro vitórias em Indianápolis. 
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

“Rick Mears conseguiu largar da pole e não se intimidou quando dez pilotos o ultrapassaram. Ele sabia que o mais importante era poupar o carro durante as primeiras 450 milhas para ser o mais rápido nas últimas 50”, recordou.

 
“Também me lembro quando Alan Jones [campeão mundial de F1 em 1980], no circuito de Ontário. Era destemido e não se assustava com nada, mas ele deixou um teste e se deu conta que não era para ele. Não sei o que tanto o assustou, se a velocidade ou se o muro estava tão próximo. Ele não se sentiu bem e nunca mais voltou”, concluiu.
 
A carreira de Sullivan na Indy se encerrou após o piloto ter sofrido um grave acidente nas 500 Milhas de Michigan de 1995. Como resultado da batida no muro, Sullivan teve uma fratura na bacia.
 
PADDOCK GP #73 DEBATE: VERSTAPPEN É O PILOTO MAIS IMPRESSIONANTE DA F1?

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “8352893793”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 250;

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube