Após teste em Sepang, Rossi revela que Yamaha encontrou caminho para 2018: “Ponto de partida será a moto de 2016”

Em entrevista à italiana Radio Deejay, Valentino Rossi revelou que a Yamaha decidiu deixar para trás o protótipo de 2017 e desenvolver a moto do próximo ano com base na que foi utilizada em 2016. Italiano considerou que a marca de Iwata cometeu um erro na escolha da moto atual

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

O teste privado realizado em Sepang na semana passada serviu para a Yamaha encontrar um caminho para 2018. Depois de muito sofrer com a performance irregular da YZR-M1, a marca dos três diapasões resolveu usar o protótipo de 2016 como ponto de partida para a próxima moto.
 
Em uma entrevista à italiana Radio Deejay, Valentino Rossi contou que a moto da temporada passada será a base do protótipo de 2018. Além do multicampeão, o teste na Malásia contou com Maverick Viñales e Johann Zarco, que, assim como o italiano, trabalharam com uma enorme variedade de motos.
Valentino Rossi contou que moto de 2016 será base para Yamaha de 2018(Foto: Yamaha)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

“O teste correu bem, nós testamos a moto com o chassi de 2016 e decidimos que o protótipo desta temporada era pior”, contou Rossi. “Nós temos de esperar e ver como será a nova moto. Vai ser interessante e o ponto de partida será a moto de 2016”, anunciou.
 
“Agora será um momento crucial e a Yamaha deve dar um passo à frente”, frisou.
 
Na avaliação de Rossi, a chegada de Maverick Viñales ‘induziu’ a Yamaha ao erro, já que o espanhol foi rápido desde o princípio e o #46 acabou por não confiar em suas sensações com a moto.
 
“O problema é que Viñales chegou e foi forte com esta moto logo de cara”, indicou. “Eu testei e não pareceu boa. Pensei que fosse pelo fim da temporada e que não estivesse em forma, e continuamos com aquele projeto, mas foi um erro”, avaliou. 
 
“O que não funcionou? Nós investigamos muito e, na minha opinião,  a moto não vai bem quando não tem muita aderência e está quente”, considerou. “Nas primeiras três corridas, nós estávamos fora da Europa e tinha muita aderência, e, além disso, a corrida no Catar aconteceu de noite. O problema começou em Jerez”, concluiu.
FIM DE UMA GERAÇÃO

GIAFFONE: “BRASIL TEVE SORTE POR TER PILOTOS POR TANTO TEMPO NA F1”

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height:
0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute;
top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube