Após teste em Valência, Rossi vê novo pacote eletrônico da MotoGP como passo atrás: “É como em 2008 ou 2009”

Após testar o novo pacote eletrônico da MotoGP no primeiro dia de testes em Valência, Valentino Rossi avaliou que a nova eletrônica da classe rainha é um passo atrás para o Mundial. Italiano declarou, entretanto, que a nova configuração pode ser positiva para as corridas

A MotoGP vai passar por uma mudança técnica na temporada 2016. Na tentativa de conter os custos, o Mundial vai introduzir uma eletrônica padrão em todas as motos, mas o primeiro teste com o novo pacote não foi assim tão animador.
 
Após o primeiro dia de testes da pré-temporada, Valentino Rossi avaliou que o novo pacote eletrônico faz a MotoGP voltar no tempo e é uma mudança muito maior do que os pneus Michelin, que chegam para substituir a borracha da Bridgestone.
Valentino Rossi elogiou a Michelin, mas disse que o pneu dianteiro ainda vai exigir mais trabalho (Foto: Yamaha)
“É uma grande mudança”, avaliou Rossi. “Vai ser interessante com certeza, especialmente os pneus serão ótimos, uma grande diferença para o próximo ano. Muita mudança, mas especialmente a mudança no acerto e na distribuição de peso da moto”, seguiu.
 
 “Nós testamos a nova eletrônica e espero que também isso seja um grande passo, porque é como voltar um pouco para o passado. Mas isso também pode ser interessante e foi só o primeiro dia, então temos muito trabalho para fazer”, ponderou. “Testei a nova eletrônica para o próximo ano e será um grande problema. Quer dizer, é como se déssemos um salto ao passado. É como em 2008 ou 2009”, comparou.
 
Na visão de Valentino, a nova eletrônica deixa a moto mais difícil de guiar, mas o italiano acredita que isso pode ser positivo para as corridas.
 
“Quanto maior o nível da moto, melhor para mim, então este é, claramente, um passo para trás. No início, você fica um pouco bravo com a moto, porque você diz: ‘Pô, não funciona!’”, contou. “Mas, por outro lado, pode ser bom para a corrida, porque vai ser muito mais difícil fazer sempre a mesma volta, porque a moto é mais difícil de guiar”, opinou.
Valentino Rossi avaliou que a nova eletrônica é um passo atrás para a MotoGP (Foto: Yamaha)
Um dos poucos pilotos que não se acidentou no primeiro dia de testes em Valência, Rossi elogiou os pneus da Michelin, mas ressaltou que a borracha dianteira segue sendo um problema.
 
 “O traseiro é muito similar [aos Bridgestone], mas os Michelin são muito, muito bons”, elogiou. “O dianteiro é uma grande diferença, então nós precisamos entender quanto peso, quanta carga precisamos para este pneu funcionar ao máximo. Isso é uma coisa que nós quase entendemos com a Bridgestone e agora nós temos de recomeçar do zero”, continuou.
 
Durante o primeiro dia de trabalhos no circuito Ricardo Tormo, Rossi testou a moto de 2015 e também a do próximo ano, mas disse que ainda não sabe apontar as vantagens do novo protótipo.
 
“Nós temos a moto de 2015, nós temos a moto de 2016, nós tentamos fazer uma comparação, mas nós precisamos de tempo”, afirmou. “O chassi, alguns tamanhos e a distribuição de peso é diferente nas motos, mas a eletrônica será uma grande diferença”, frisou. 
 
“Eu só testei duas ou três vezes [a moto de 2016]. Para mim, pode ser um pouco melhor na freada, mas, sinceramente, hoje foi muito similar”, concluiu.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube