Arenas vence corrida de tirar o fôlego da Moto3 na Austrália. Martín fica em 5° e Bezzecchi é derrubado

Como era de se esperar em um circuito como Phillip Island, a Moto3 abriu o domingo (28) com uma prova para lá de agitada, mas também de muitas quedas. Ao fim das 23 voltas, Albert Arenas recebeu a bandeirada na frente, seguido por Fabio Di Giannantonio e Celestino Vietti. Jorge Martín ficou em quinto, com Marco Bezzecchi registrando um novo abandono após ser tirado da corrida por Gabriel Rodrigo

O GP da Austrália de Moto3 foi exatamente o que se esperava dele: bastante movimentado. Mas, também, uma corrida de muitas quedas. Ao fim das 23 voltas em Phillip Island, Albert Arenas foi quem levou a melhor neste domingo (28), recebendo a bandeirada com 0s052 de margem para Fabio Di Giannantonio. Terceiro, Celestino Vietti fez sua estreia no pódio, apenas 0s007 atrás do piloto da Gresini. 
 
Dono da pole-position, Jorge Martín fez uma boa largada, mas com um primeiro pelotão bastante robusto ao longo de toda a corrida, o #88 subiu e desceu na ordem de classificação várias vezes. O piloto da Gresini chegou a liderar, mas também caiu para a décima colocação em um curtíssimo espaço de tempo.
Albert Arenas venceu o eletrizante GP da Austrália (Foto: Ángel Nieto)
Quando o pelotão abriu a penúltima volta no circuito de 4.4 km, os 14 primeiros estavam separados por menos de 1s, e Martín lançou mão de uma bela manobra para tomar a liderança na Southern Loop. O espanhol não se manteve na liderança por muito tempo, mas tampouco abandonou a briga pela vitória.
 
Nos metros finais, porém, Albert Arenas conseguiu assumir a ponta e, mesmo pressionado de muito perto, se manteve na frente para receber a bandeirada com 0s052 de margem para Fabio Di Giannantonio. Em sua segunda corrida no Mundial, Celestino Vietti conseguiu o terceiro posto, apenas 0s059 atrás do #75.
Fora do pódio por apenas 0s022, Tatsuki Suzuki ficou em quarto, só 0s018 à frente de Jorge Martín, o quinto. Arón Canet aparece em sexto, seguido por Adam Norrodin, que fez um top-7 separado por só 0s188. Enea Bastianini, Jakub Kornfeil e Ayumu Sasaki completam o rol dos dez melhores.
 
15º no grid, Marco Bezzecchi vinha em uma belíssima prova de recuperação, mas, com 13 voltas para o fim, Gabriel Rodrigo tentou ultrapassar na MG, a curva dez, e acabou derrubando o piloto da Prüstel. Foi a segunda vez em três corridas que o vice-líder do Mundial foi tirado da prova por um rival.
Com o resultado deste domingo, Martín chegou aos 215 pontos, ampliando para 12 a vantagem em relação a Bezzecchi. 20 pontos atrás do líder, Di Giannantonio segue vivo na disputa pelo título.
 

Saiba como foi o GP da Austrália de Moto3:
 

Depois de dois dias de clima intermitente, a região de Victoria amanheceu mais uma vez com o céu carregado, mas os meteorologistas falavam em poucas chances de chuva. Antes da largada da Moto3, os termômetros marcavam 13°C, com o asfalto chegando a 31°C. A velocidade do vento era de 14 km/h.
 
Pela décima vez no ano, Jorge Martín tinha a pole-position, superando, assim, seu próprio recorde estabelecido no ano passado. A última vez que um piloto conseguiu mais do que dez poles na categoria de entrada do Mundial de Motovelocidade foi em 2010, nas 125cc, com Marc Márquez.
 
Vindo do primeiro pódio da carreira, Darryn Binder aparece em segundo, como a melhor KTM. Ayumu Sasaki vem em terceiro, seguido por Jakub Kornfeil, Gabriel Rodrigo e Phillip Oettl. Vice-líder do Mundial, Marco Bezzecchi tinha apenas o 15º posto no grid.
 
Neste fim de semana, a Dunlop levou para Phillip Island os pneus dianteiros macios ‘S’ e médios ‘M’ e traseiros médios ‘M1’ e duros ‘H3’.
 
Com a largada autorizada, Martín tentou puxar a fila, mas acabou caindo para quarto com Gabriel aparecendo na primeira posição. Oettl era o segundo colocado e logo tratou de tomar a liderança.
 

Entretanto, o #88 conseguiu recuperar as posições e era o primeiro colocado novamente. A briga pela ponta estava um tanto quanto animada, com Rodrigo em primeiro, Binder em segundo, Oettls, Martín e Arbolino fechando o top-5 antes do fim da primeira volta.
 

Na segunda volta, as coisas já haviam mudado totalmente na ponta do pelotão. O #88 era o primeiro, com Darryn em segundo, Rodrigo, Arbolino e Arenas fechando o top-5 da prova.
 
De repente, Foggia se juntou aos pilotos da ponta para começar a brigar pela vitória. Enquanto isso, Martín cometeu um erro e aparecia em oitavo, enquanto o Bezzecchi era o nono. Mas o italiano logo deu o bote em cima do espanhol, que deu o troco e manteve a colocação.
 

Na frente, tudo começou a mudar de novo. Ramírez era o novo líder, com Binder, Rodrigo, Foggia e Arbolino completando o top-5. O pelotão estava inteiro muito próximo, com pilotos chegando a se tocar em brigas de posições.
 

Com 17 voltas para a bandeira quadriculada, estava até mesmo difícil de acompanhar todas as trocas de colocações que aconteciam na pista. De repente, Dalla Porta saiu do fundo do pelotão para surgir em segundo.
 
Quando então, depois de largar em 15º, Bezzecchi agora era o primeiro colocado, enquanto Martín, que chegou a andar na ponta, era apenas o nono. Foggia, Rodrigo, Dalla Porta, Arenas, Binder, Arbolino, Sasaki e Canet estavam entre eles.
 
Depois de perder a ponta, Marco estava novamente em primeiro, mas sem conseguir abrir uma vantagem na ponta do pelotão. Binder vinha grudado no #12, com Arbolino completando o pódio da prova.
 
Então, com 13 giros para a bandeira quadriculada, quatro pilotos acabaram alinhando na reta principal, com Dalla Porta levando a melhor e tomando a ponta. Mas logo foi superado por Foggia. Bezzecci caiu para quinto, enquanto Martín era o 12º.
 
Então, em um golpe de má sorte, Bezzecchi acabou acertado por Rodrigo, que perdeu a frente da moto após emparalhar com Canet. Como consequência, os dois foram ao chão, com o #12 ficando bastante nervoso e tentando voltar para a pista.
Com isso, a ordem na tabela era Binder, Martín, que estava muito beneficiado com a queda do adversário e escalou de forma brilhante o pelotão, com Canet completando o pódio. Neste momento, Dalla Porta também protagonizava uma queda.
 
Entretanto, Foggia deu um salto de quarto para assumir a primeira colocação da prova australiana, enquanto Binder, Di Giannantonio e Arbolino completando os cinco pilotos mais velozes da prova.
 
Com dez giros para o final, então, um tombo muito feio foi visto na prova. Ramírez acabou caindo sozinho, com Masía passando por cima de sua moto e quase atropelando o piloto.
 
Restando nove giros para terminar a prova, Martín aparecia em quinto. Apesar de ter visto o seu adversário ir ao chão, o piloto estava assumindo muitos riscos. Em uma tentativa de conseguir posições, acabou engolido, ficando em sexto.
 

Na tabela, a ordem era Binder, Foggia, McPhee, Arbolino, Martín, Sasaki, Vierge, Arenas, Di Giannantonio e Canet.

 
De forma brilhante, então, Martín achou espaço no pelotão para escalar as posições e então se colocar na primeira colocação, abrindo uma confortável vantagem na ponta da classificação. McPhee e Binder fechavam o pódio.
 
Na reta final, as coisas seguiam abertas em Phillip Island. O pelotão seguia bastante próximo uns dos outros, com Jorge sendo engolido e jogado para sétimo. Faltavam cinco voltas e o novo líder era Di Giannantonio. Mas não por muito tempo, pois Sasaki logo o superou.

Dois giros para o fim, perto do encerramento, Jorge achou caminho na pista para mais uma vez pular para a liderança do pelotão. Um pouco mais atrás, Foggia e Arbolino se envolveram em um enrosco e foram ao chão.

A abertura da última volta viu um grande rodízio na ponta do pelotão. Após tantos nomes passarem pela ponta, era Arenas quem estava na frente. Vierge vinha em segundo, com o #88 aparecendo em terceiro após se segurar de uma quase queda.

As ultrapassagens não cessaram nos metros finais. Quem ficou com a vitória foi Arenas, com Di Giannantonio cruzando a linha de chegada na segunda colocação, com Vietti completando o pódio do dia. Martín terminou o dia em quinto.

Moto3 2018, GP da Austrália, Phillip Island, Final:

1 A ARENAS Ángel Nieto KTM 37:48.073 20 voltas
2 F DI GIANNANTONIO Gresini Honda +0.052  
3 C VIETTI VR46 KTM +0.059  
4 T SUZUKI SIC58 Honda +0.081  
5 J MARTÍN Gresini Honda +0.099  
6 A CANET Estrella Galicia 0,0 Honda +0.154  
7 A NORRODIN PETRONAS Honda +0.188  
8 E BASTIANINI LEOPARD Honda +0.235  
9 J KORNFEIL Prüstel KTM +0.328  
10 A SASAKI PETRONAS Honda +0.406  
11 A LÓPEZ Estrella Galicia 0,0 Honda +0.575  
12 D BINDER Red Bull KTM Ajo +0.889  
13 A MIGNO Ángel Nieto KTM +0.987  
14 J MCPHEE CIP KTM +0.989  
15 P OETTL Schedl GP Honda +2.149  
16 Y MONTELLA SIC58 Honda +34.700  
17 S NEPA CIP KTM +34.969  
18 N ATIRATPHUVAPAT Asia Honda +39.367  
19 K TOBA Asia Honda +48.054  
20 V PEREZ Avintia KTM +48.970  
  T ARBOLINO Snipers Honda NC  
  D FOGGIA VR46 KTM NC  
  M RAMÍREZ Worldwide KTM NC  
  J MASIÁ Worldwide KTM NC  
  L DALLA PORTA Leopard Honda NC  
  M BEZZECCHI Prüstel KTM NC  
  G RODRIGO RBA KTM NC  
         
REC J MILLER Red Bull KTM Ajo 1:36.302 166.2 km/h
MV A MÁRQUEZ Estrella Galicia 0,0 Honda 1:36.050 166.7 km/h
         
  Condições do tempo PISTA SECA   ar: 14ºC | pista: 31ºC

#GALERIA(9579)

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube