De saída, Rossi elege maior frustração na Ducati: “Temos mais ou menos os mesmos problemas”

Prestes a retornar para a Yamaha, Valentino Rossi afirmou que sua maior frustração é que a Ducati tenha mais ou menos os mesmos problemas de dois anos atrás

 

O GP de Valência de MotoGP, que acontece no próximo dia 11, vai marcar a última prova de Valentino Rossi vestindo as cores da Ducati. Liberado por Borgo Panigale para participar do teste coletivo no circuito Ricardo Tormo a partir do dia 13, o italiano já vive a expectativa de voltar a subir na M1, moto com que conquistou quatro de seus sete títulos na classe rainha do Mundial de Motovelocidade. 
 
Em entrevista a um grupo de jornalistas em Phillip Island no último fim de semana, Rossi afirmou que a despedida será emocionante, mas voltou a defender a opção de retornar para a casa de Iwata. 
Valência marca despedida de Rossi da Ducati. Primeiro teste com a Yamaha acontece na terça-feira (Foto: Ducati)
“Acho que será muito emocionante em Valência, porque eu encontrei uma boa atmosfera e boas pessoas para trabalhar e para correr junto. E eu sempre formei um grupo com o meu time, não por escolha, mas porque é assim, talvez seja o meu jeito. Com certeza, vai ser muito difícil dizer ‘ciao’ aos rapazes”, afirmou. “Mas, ao mesmo tempo, sabe, nós não conseguimos atingir nenhum bom resultado, então é uma decisão boa para mim e eu mal passo esperar para pilotar a M1”, continuou. 
 
Animado com o futuro, Valentino fez um balanço das duas temporadas em Borgo Panigale e caracterizou o período como “especialmente frustrante”, principalmente por conta da evolução da moto. 
 
“A maior frustração, exceto os resultados ruins e a sensação ruim, é que após dois anos, nós temos mais ou menos os mesmos problemas que tínhamos em Valência em 2010. Esta é a maior frustração”, ressaltou. “Foram duas temporadas muito, muito difíceis.”
 
O italiano destacou que Casey Stoner, campeão pela marca em 2007, foi o único que conseguiu andar com a Desmosedici, mas disse não entender a diferença do italiano para os demais pilotos que guiaram o protótipo italiano. 
 
“Casey foi o único piloto que conseguiu ser rápido em uma Ducati”, disse. “Todos os outros caras que tentaram, destruíram, não suas carreiras, mas a sua mente… Então parabéns ao Casey”, comentou. “Mas, dois anos atrás, eu não entendia a diferença entre o Stoner e os outros pilotos da Ducati e depois de dois anos andando com a Ducati, eu ainda não entendo.”
 
Questionado se o período na Ducati também havia destruído sua mente, Rossi respondeu: “Acho que não. Especialmente porque eu tenho outra chance”, ponderou.
 
Apesar dos resultados ruins, Valentino não acredita as dificuldades tenham apagado o brilho de sua carreira. “Em toda a minha carreira, eu nunca errei um escolha. Agora eu errei”, lamentou.  
 
O multicampeão também comentou as vantagens de seu retorno para o time nipônico. Rossi acredita que poderá ajudar a equipe a melhorar a M1, mesmo não estando certo de que poderá acompanhar o ritmo de Jorge Lorenzo e Daniel Pedrosa. 
 
“Acho que posso dar a Yamaha um apoio muito importante para melhorar a moto. Tenho 100% de certeza disso”, afirmou. “Porque foi uma combinação perfeita entre eu e a Yamaha, na forma de trabalhar e de melhorar a moto”, recordou.
 
“Não tenho certeza de que poderei ficar no mesmo nível de Lorenzo e Pedrosa e lutar para vencer corridas ou campeonato, sabe? Sinceramente, eu não sei, então antes eu tenho de experimentar a moto”, reconheceu. “Mas nós temos dois anos e, se quisermos tentar, o teste em Valência será muito importante para entendermos, mas depois disso, teremos de trabalhar. Meu time tem de dar o máximo, Jeremy [Burgess] tem de dar o máximo, todos têm de dar 100% para melhorar, resolver os problemas, melhorar o nosso nível, lutar, especialmente com Lorenzo na mesma moto, e agora ele é campeão.”
 
Por fim, Rossi assumiu o papel de piloto número 2, mas defendeu que sua atual posição coloca a pressão em cima do novo bicampeão. 
 
“Sabe, nós somos o número dois. E, normalmente, o número um tem a posição mais difícil, porque o número um – neste caso Lorenzo e Pedrosa – é como era comigo e Lorenzo em 2008 e 2009. Se você chega na frente, ok, é normal. Mas se você chega atrás, de repente você tem alguns problemas”, concluiu. 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube