Dovizioso fala em teste útil da Ducati em Misano, mas Iannone volta a sentir dores em ombro lesionado em Mugello

Assim como a Honda, a Ducati seguiu para Misano para uma bateria de testes privados. Andrea Dovizioso completou os dois dias de exercício com uma avaliação positiva da performance da GP15, mas Andrea Iannone voltou a sentir incômodo no ombro lesionado em um acidente em Mugello

Não foi só a Honda que adiou o início das férias de verão. Assim como a marca da asa dourada, a Ducati seguiu para Misano após a etapa de Sachsenring do Mundial para uma bateria de dois dias de testes privados.
 
No traçado de San Marino, Andrea Iannone e Andrea Dovizioso, que estavam acompanhados por Michele Pirro, tiveram de lidar com um forte calor — com os termômetros marcando 36°C e a pista chegando aos 61°C —, mas aproveitaram o dia para comparar diversas soluções para o acerto da Desmosedici GP15.
Ducati completou dois dias de testes em Misano (Foto: Ducati)
O #4 aproveitou as sessões ao máximo, completando um total de 132 giros ao longo dos dois dias, o melhor deles em 1min32s5. Iannone, por outro lado, precisou parar os trabalhos na hora do almoço, já que voltou a sentir dor no ombro esquerdo, lesionado em um acidente em um teste em Mugello. Assim, o #29 fez 101 voltas, a mais rápida em 1min32s7.
 
 Dovizioso explicou que a Ducati aproveitou o dia para trabalhar em ajustes eletrônicos e do acerto e se mostrou animado com a performance da GP15.
 
“Esses dois dias de testes em Misano foram realmente úteis, porque conseguimos fazer o trabalho de teste de acerto em que estávamos interessados”, explicou Dovizioso. “Durante os fins de semana de corrida, nós nunca temos o tempo necessário para nos dedicarmos a isso”, seguiu.
 
“Nós trabalhamos no aperfeiçoamento, tanto da eletrônica como do acerto, e o nosso ritmo não foi nada mal: fiz a minha melhor volta nesta manhã com pneus usados, mas de tarde estava realmente muito quente e nós não melhoramos nossos tempos, e até mesmo evitamos os pneus macios”, completou.
 
Iannone também fez uma avaliação positiva dessa bateria de testes, mas lamentou que tenha voltado a sentir incômodo no ombro lesionado em Mugello.
Andrea Iannone voltou a sentir dores em ombro lesionado em Mugello (Foto: Ducati)
“Em um dia e meio de testes, nós só usamos um total de três pneus, todos do composto duro, e mesmo nesta manhã eu não usei os pneus macios”, contou Iannone. “Apesar disso, nós melhoramos o nosso tempo em relação a ontem por mais de meio segundo. Isso é importante para nós e estou satisfeito com como foi”, continuou.
 
“Só estou desapontado por ter tido que terminar o teste mais cedo, mas, infelizmente, desde esta manhã o meu ombro começou a doer bastante e eu não pude rodar rápido ou forçar”, lamentou. “Hoje, entretanto, tive boas sensações na moto. Fizemos um bom trabalho e coletamos informações importantes para o futuro”, encerrou.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube