Fábricas defendem comunicação tradicional e rejeitam sistema eletrônico de mensagens na MotoGP

Representantes de Yamaha, Honda e Ducati rejeitaram a introdução de um sistema eletrônico para que as equipes possam se comunicar com os pilotos durante as corridas. Comunicação atual na MotoGP é feita por meio do pit-board

A ideia de introduzir um sistema eletrônico de comunicação entre pilotos e equipes na MotoGP não conta com o apoio das fábricas. Os responsáveis pelos projetos de Honda, Yamaha, Ducati e Suzuki não enxergam a necessidade de tal aparelho.
 
Sem equipamentos de rádio como na F1, por exemplo, a Dorna, promotora do Mundial de Motovelocidade, está desenvolvendo um sistema para aumentar a comunicação entre equipes e pilotos.
 
Em meados do mês, o jornal espanhol ‘El Periódico’, revelou que o projeto, que está em fase de desenvolvimento avançada, quer permitir que as equipes utilizem um sistema que já é usado pela Direção de Prova para enviar informações aos competidores.
Shuhei Nakamoto, Kouichi Tsuji e Gigi Dall'Igna manifestaram oposição à ideia de mudança na comunicação (Foto: Yamaha)

window._ttf = window._ttf || [];
_ttf.push({
pid : 53280
,lang : “pt”
,slot : ‘.mhv-noticia .mhv-texto > div’
,format : “inread”
,minSlot : 1
,components : { mute: {delay :3}, skip: {delay :3} }
});

(function (d) {
var js, s = d.getElementsByTagName(‘script’)[0];
js = d.createElement(‘script’);
js.async = true;
js.src = ‘//cdn.teads.tv/media/format.js’;
s.parentNode.insertBefore(js, s);
})(window.document);

Hoje, toda a comunicação entre equipes e pilotos durante a corrida é feita por meio de placas que são exibidas ao longo da reta. O sistema, no entanto, tem limitações, já que um painel pode ser encoberto por outro ou os pilotos terem dificuldade de ver o que está escrito por conta da velocidade.
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Atualmente, a Direção de Prova utiliza esse sistema para transmitir quatro mensagens básicas aos pilotos: bandeira vermelha, bandeira preta, aviso de queima de largada e um alerta sobre alguma falha mecânica que force o abandono da corrida.
 
A ideia, então, é que esse sistema seja ampliando, passando a ter a capacidade de transmitir 20 ou 25 mensagens, todas curtas, que a organização do certame está elaborando junto com engenheiros e estrategistas.
 
A expectativa é que o sistema comece a ser testado no mês que vem, em Aragão, mas apesar de pilotos como Valentino Rossi e Andrea Dovizioso terem manifestado apoio à ideia, as fábricas parecem menos convencidas.
 
Líder do grupo da MotoGP da Yamaha, Kouichi Tsuji afirmou que quer manter o modelo atual de comunicação.
 
“Na MotoGP, uma vez que a corrida começa, a comunicação é só por meio do pit-board, tudo diz respeito a decisão do piloto”, disse Tsuji. “Às vezes, isso não é bom para o resultado, especialmente para a Yamaha, mas, às vezes, isso faz corridas muito boas”, comentou.
 
“Eu quero manter a comunicação atual ao invés de ter mais comunicação entre o piloto e a garagem”, frisou.
 
Vice-presidente executivo da HRC, Shuhei Nakamoto citou o exemplo da F1 para indicar os custos como uma razão para não buscar tal sistema.
 
“A F1 tem o sistema de telemetria e também o sistema de comunicação”, lembrou Nakamoto, que já trabalhou na categoria máxima do automobilismo. “Esse sistema é bem útil para controlar os giros e assim por diante. Mas, ao mesmo tempo, o custo é enorme”, apontou. 
 
“Me interessa do ponto de vista tecnológico, mas não acho que a gente precisa deste tipo de sistema de comunicação na MotoGP”, opinou.
 
Chefe da Ducati Corse, Gigi Dall’Igna reconheceu que uma comunicação maior facilitaria algumas corridas, especialmente em caso de flag-to-flag, mas ponderou que prefere gastar dinheiro com outra coisa.
 
“A comunicação entre equipe e piloto poderia ser útil em algumas corridas, especialmente nas corridas flag-to-flag”, falou Dall’Igna. “Mas, falando francamente, eu prefiro gastar dinheiro desenvolvendo a tecnologia da moto”, concluiu.
PADDOCK GP #44 DEBATE VITÓRIAS DE ROSBERG EM SPA E DE RAHAL NO TEXAS

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “8352893793”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 250;

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube