Feliz por igualar Rainey, Roberts e até Senna, Lorenzo admite que “vai ser muito difícil” lutar por mais títulos

Tricampeão da MotoGP, Jorge Lorenzo celebrou o fato de ter igualado os números de Wayne Rainey, Kenny Roberts e até de Ayrton Senna. Piloto da Yamaha falou em lutar por novos campeonatos, mas avaliou que vai ser muito difícil

A cobertura completa do GP da Comunidade Valenciana no GRANDE PRÊMIO

Jorge Lorenzo não conteve a alegria com a conquista do tricampeonato da MotoGP. Largando na pole no GP da Comunidade Valenciana do último domingo (8), o espanhol liderou a corrida de ponta a ponta e nem mesmo o empenho de Valentino Rossi em escalar o pelotão e alcançar o quarto posto foi o suficiente para impedir o #99 de se tornar o terceiro piloto da história a reverter um déficit de pontos na etapa final da classe rainha do Mundial de Motovelocidade.

 
Após o triunfo em Valência, Lorenzo destacou foi uma corrida bastante difícil, pois além de lidar com a pressão, precisou cuidar do desgaste dos pneus, que perderam bastante rendimento, e também com o fato de não conseguir enxergar a sinalização de sua equipe.
Jorge Lorenzo soma cinco títulos no Mundial de Motovelocidade (Foto: Divulgação/MotoGP)
“Foi uma das corridas mais difíceis, talvez a mais difícil, porque a tensão e a pressão eram muito altas desde a primeira curva, mas eu tentei forçar ao limite, como eu sei como fazer nas primeiras voltas, com o pneu novo, aí foi difícil, porque o pneu dianteiro começou a desgastar muito do lado direito e a moto estava se movendo muito na aceleração”, explicou. “Também foi muito difícil ver a placa. Em metade das voltas eu não conseguia ver a placa, eu não conseguia ver quantas voltas faltava para acabar, então eu simplesmente forcei ao máximo e dei tudo que tinha na pista desde a largada, da primeira a última curva, sem pensar em nada, apenas em guiar e dar o máximo”, seguiu. 
 
Além disso, Jorge contou que precisou se empenhar ainda mais quando conseguiu ver que Marc Márquez e Dani Pedrosa estavam se aproximando.
 
“Aí eu consegui ver na placa que Marc estava se aproximando e, especialmente Dani estava recuperando bastante, então eu disse a mim mesmo para continuar forçando, para tentar continuar indo o mais rápido possível e, no fim, o esforço valeu a pena”, avaliou.
 
Jorge celebrou a oportunidade de igualar marcas de lendas como Wayne Rainey e Kenny Roberts, e também de Ayrton Senna, de quem sempre se disse fã.
 
“Agora nós somos pentacampeões mundiais no geral, três vezes na MotoGP, igualando lendas como Wayne Rainey, meu amigo e lenda Kenny Roberts, e, no mundo do esporte a motor em geral, Ayrton Senna”, comentou. “É incrível sentir isso e nós temos de aproveitar ao máximo esta tarde, esta noite, esta semana e a próxima, porque esses momentos são muito difíceis de alcançar e, provavelmente, nunca conseguiremos de novo. Nós vamos lutar para conseguir outra vez, mas vai ser muito difícil”, antecipou.
Jorge Lorenzo dominou Valência de ponta a ponta (Foto: Divulgação/MotoGP)
A classificação do Mundial de MotoGP após o GP da Comunidade Valenciana

Por fim, Lorenzo frisou que o título de 2015 era especialmente importante para ele, já que marcaria a oportunidade de derrotar todas aqueles que ele considera os três melhores pilotos do século XXI: Rossi, Casey Stoner e Márquez.

 
“Eu sabia que este campeonato era muito importante, pois, para mim, Valentino, que é mais velho que eu, Casey, que tem mais ou menos a mesma idade que eu, e Marc, que é mais jovem, são os meus três rivais mais duros. Em geral, no século XXI, eles foram os melhores pilotos e poder vencer aqui era a minha meta. Eu me sinto muito orgulhoso”, frisou. “Se Valentino fosse o campeão, ele poderia dizer isso, mas Márquez não pode, porque Casey já se aposentou, então para mim era muito importante vencer”, encerrou.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube