MotoGP
06/06/2018 06:30

Honda confirma contratação de Lorenzo e fecha dupla de campeões ao lado de Márquez por dois anos na MotoGP

É oficial. Às 4h desta manhã de quarta-feira (horário de Brasília), a Honda anunciou, em curto comunicado, a contratação de Jorge Lorenzo pelas próximas duas temporadas. O tricampeão da MotoGP vai formar dupla com o fenômeno Marc Márquez, dono de quatro títulos. Um verdadeiro ‘dream team’ da motovelocidade
Warm Up / Redação GP, de Sumaré
 Jorge Lorenzo (Foto: Michelin)

Um dia depois do ‘terremoto’ de notícias a respeito do destino de vários pilotos do grid da MotoGP na esteira da confirmação da saída de Dani Pedrosa da Honda na última terça-feira, a quarta começou com a oficialização de um time dos sonhos para as próximas duas temporadas do Mundial. Em curto comunicado publicado nesta manhã, a Honda anunciou a contratação de Jorge Lorenzo a partir de 2019, com acordo válido para as próximas duas temporadas da classe rainha. O tricampeão vai correr ao lado de outro ícone do esporte, Marc Márquez, tetracampeão mundial e grande favorito a conquistar mais um título em 2018.
 
“A Honda Racing Corporation está satisfeita em anunciar a contratação do tricampeão mundial de MotoGP Jorge Lorenzo. O piloto espanhol vai se unir à Repsol Honda Team pelos próximos dois anos. A partir de 2019, Lorenzo vai se tornar companheiro de equipe do tetracampeão mundial de MotoGP Marc Márquez: dois grandes campeões, com grande talento e altas esperanças de que vão formar uma equipe mais forte e contribuir para o desenvolvimento da HRC”, informou a marca japonesa no seu comunicado.
 
Lorenzo é um piloto que tem seu histórico praticamente todo ligado à Yamaha, por onde debutou na MotoGP em 2008 e conquistou os títulos em 2010, 2012 e 2015, alcançando uma carreira muito bem-sucedida na classe rainha do Mundial. 
Agora é oficial: Jorge Lorenzo vai ser piloto da Honda pelos próximos dois anos na MotoGP (Foto: Michelin)
No ano passado, assinou sua transferência para a Ducati em um acordo milionário, mas que rendeu poucos dividendos dentro da pista. Com muitas dificuldades para se adaptar ao estilo de pilotagem da moto italiana, Lorenzo também se deparou com um companheiro de equipe, Andrea Dovizioso, no auge da forma e com performances irretocáveis que o levaram ao vice-campeonato no ano passado.
 
Em 2018, as dificuldades permaneceram para Lorenzo, que passou a ser criticado até mesmo dentro da equipe de Borgo Panigale. A vitória contundente no GP da Itália do último domingo soltou o grito da garganta entalado há muito tempo no piloto espanhol, que desabafou e, ao mesmo tempo, anunciou que estava fora da Ducati para a próxima temporada.
 
Dono de 45 vitórias, 111 pódios, 39 poles e todos os três títulos na classe rainha, Lorenzo já era apontado como peça-chave do mercado de pilotos para 2019, uma vez que sua saída da Ducati era praticamente certa. Contudo, jamais foi cogitada sua ida para a Honda antes, com boa parte dos rumores vindos da imprensa europeia apontando como destino a Suzuki e, principalmente, para um retorno à Yamaha, mesmo que fosse por uma equipe-satélite. 
 
Mas o anúncio da saída de Pedrosa da HRC na última terça-feira movimentou o xadrez e mostrou que a vaga da equipe multicampeã estava mesmo destinada a Lorenzo.
 
Como parte de toda a dança das cadeiras da MotoGP para 2019, Danilo Petrucci, contratado da Ducati e que corre pela satélite Pramac, foi anunciado também nesta quarta-feira como piloto da equipe oficial italiana para correr ao lado de Dovizioso na temporada 2019. E para completar a manhã extremamente movimentada no noticiário da MotoGP, a Tech3, que vai ser satélite da KTM na próxima temporada, confirmou o acordo para a renovação de contrato com o malaio Hafizh Syahrin, que vai formar dupla com o luso Miguel Oliveira a partir da próxima temporada.