Rea agradece elogios de Rossi e lamenta falta de oportunidades na MotoGP: “É a vida”

Jonathan Rea fez apenas duas provas na MotoGP, substituindo Casey Stoner em 2012. Depois, foi para o Mundial de Superbike e ganhou seis títulos consecutivos. Mas até hoje pensa que poderia ter recebido mais oportunidades na carreira

Quartararo vai encarar todos os pilotos da Ducati para conquistar título inédito

Sabe aquela história de que “lenda reconhece lenda”? Durante o GP das Américas, Valentino Rossi comentou e lamentou a falta de oportunidades para Jonathan Rea na MotoGP, especialmente com o britânico alcançando expressivos resultados e seis títulos mundiais consecutivos no Superbike.

Rea já correu na MotoGP em 2012, mas fez apenas duas corridas substituindo o então lesionado Casey Stoner nos GPs de San Marino e Aragão. Na ocasião, chegou em sétimo e oitavo, respectivamente, chamando a atenção da Honda. A montadora japonesa, porém, já tinha fechado acordo com Marc Márquez para a temporada seguinte e não aproveitou o talntoso britânico. Desde então, foram 107 vitórias e seis títulos no Superbike.

Com números expressivos na carreira, Rea virou uma espécie de “e se?” no mundo da MotoGP, sempre sem oportunidades. Mesmo assim, seu talentos e seus feitos são reconhecidos pelos principais pilotos do Mundial, como Valentino Rossi, com quem possui uma inesperada amizade.

Jonathan Rea busca mais um título na carreira (Foto: Kawasaki)

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

“Ler uma declaração dessas do Valentino é realmente legal porque é um dos maiores motociclistas de todos os tempos e temos muito respeito um pelo outro. Algumas vezes ele me manda mensagens depois das corridas e vice-versa. Sou um grande fã por tudo que ele alcançou na carreira”, pontuou em entrevista à Autosport.

“Claro que é uma pena que eu nunca tenha tido uma chance [de correr na MotoGP]. Mas é a vida. Eu tive alguns momentos difíceis na minha carreira com minha antiga equipe, alguns bons momentos e outros complicados. Então, cheguei à Kawasaki e estou super feliz”, completou Rea.

O britânico ainda fez um exercício de imaginação e pensou sobre chances que poderia ter conquistado na MotoGP.

“A minha vida foi muito boa, estive ganhando. A única dúvida que tenho é sobre o que poderia ter feito na MotoGP. Eu não sei. Não tenho arrependimentos porque nunca tive uma chances, mas isso é a vida”, finalizou.

WEB STORY
Como ficou o calendário provisório da temporada 2022 da MotoGP?
Como está o grid da MotoGP para a temporada 2022?

Rigor com pilotos, permissividade com circuitos: MotoGP encara dura missão na segurança
Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar