Lorenzo aproveita punição de Rossi e entra para história como terceiro piloto a virar jogo na etapa final da MotoGP

Jorge Lorenzo tirou proveito máximo da punição de Valentino Rossi e chegou ao tricampeonato neste domingo (8). Espanhol se tornou o terceiro piloto a reverter um déficit de pontos na etapa final da classe rainha nos 67 anos de história do Mundial

Pode-se dizer que se tem algo que Jorge Lorenzo soube fazer, essa coisa foi aproveitar a oportunidade que saltou na sua frente. Após todos os problemas enfrentados por Valentino Rossi na reta final da temporada, o espanhol garantiu-se campeão da temporada 2015 da MotoGP na corrida deste domingo (8), na Comunidade Valenciana.
 

Seu único rival na briga pelo caneco deste ano se viu envolvido em uma grande polêmica após o GP da Malásia. Punido e largando da última posição do grid em Valência, o italiano não conseguiu fazer o necessário para trazer para casa o seu décimo título da categoria.
 
Mas a vida do várias vezes campeão estava bastante complicada antes mesmo da largada. Após se envolver em uma confusão com Marc Márquez na etapa da Malásia, Rossi teve que largar da última posição do grid.
Jorge Lorenzo chegou muito mais tranquilo que Rossi na última etapa do ano (Foto: Divulgação/MotoGP)
O postulante ao título chegou a entrar com o pedido no Tribunal Arbitral do Esporte para recorrer da punição dada a ele. Porém, após análise, a corte que estava julgando o caso decidiu por não suspender a pena em cima de Rossi.
 
Lorenzo nasceu em Maiorca, ilha do arquipélago de Baleares, no leste da Espanha, no dia 4 de maio de 1987. Sua estreia nas competições de moto vieram 97 em campeonatos nacionais, e já em 98 foi campeão da Copa Aprilia 50cc. 
 
Nos anos seguintes, mesmo muito novo, com apenas 13 anos completos, recebeu uma permissão especial para poder participar de provas na Europa, tornando-se o mais jovem piloto campeão das 125cc espanhola.
 
As boas atuações do recém-descoberto competidor garantiram então sua chegada ao campeonato mundial pela Derbi, na categoria 125cc. O ano era 2002, mas foi em 2003 que ele conquistou sua primeira vitória, na etapa do Brasil. Naquela temporada fechou em 12º.
 
Com mais três outras vitórias, nove pódios e uma quarta colocação na classificação de 2004, foi no ano seguinte que deu o segundo grande salto de sua carreira, entrando pela Honda para a classe 250cc.
 
Sua primeira temporada com uma moto mais potente já foi de saltar aos olhos, pois somou 209 pontos e terminou em quinto. Porém, foi mudando para a Aprilia em 2006 que Lorenzo viu todo seu esforço e desempenho serem bem recompensados.
 
O espanhol acumulou nada menos que oito vitórias, dez pódios e o título daquele ano. Embalado pela ótima forma que apresentava, o ano seguinte teve resultados ainda mais brilhantes, e acabou com a conquista do bicampeonato da categoria intermediária.
Jorge Lorenzo em 2008, ano de estreia na Yamaha (Foto: Getty Images)
Em 2007 os rumores de que iria para a categoria rainha do motociclismo começaram a ventilar. Quem o adotaria seria a Yamaha, e então em junho veio o anúncio de um acordo de dois anos, que se alongaram por muitos mais e se provaram ser de muito sucesso.
 
Sua estreia já foi com o pé direito. No GP do Catar, Lorenzo conquistou nada menos que a pole-position, terminando a corrida na segunda colocação. Mais duas posições de honra no grid nas etapas seguintes provaram que o espanhol ainda tinha muito para mostrar.
 
Mas foi após uma série de acidentes naquele campeonato que Lorenzo decidiria que adotaria um estilo de pilotagem mais conservador. O resultado acabou não sendo dos mais positivos, pois continuou sofrendo quedas com sua moto. Mesmo assim, isso não o impediu de terminar no quarto posto após somar 190 pontos.
 
Foi no ano de 2009 que ele correu pela primeira vez perseguindo o título. Uma intensa batalha com seu companheiro de equipe, Valentino Rossi, acabou com o italiano triunfante. Isso pois acabou, mais uma vez, traído pelos constantes incidentes na pista. O lance decisivo para ver o adversário levar o sétimo caneco para casa foi uma batida com Nicky Hayden na primeira volta do GP da Austrália.
 
Seu estilo de pilotagem e boas performances acabaram atraindo os olhares das equipes adversárias. Em 2010, a Ducati chegou a oferecer cerca de US$15 milhões para o piloto assumir o lugar de Marco Melandri. Com a negativa, Nicky Hayden acabou tomando o assento.
 
Naquele ano, o rapaz de Maiorca mostrou que era o competidor a ser batido. Subindo em 16 pódios em 18 corridas, ele conquistou seu primeiro título na MotoGP. O segundo não viria muito depois, logo em 2012, em uma briga contra Dani Pedrosa, em uma temporada extremamente equilibrada.
 
Em seu oitavo ano na Yamaha, Lorenzo começou 2015 em um ritmo mais lento, conquistando duas quartas colocações e um quinto posto nas três primeiras etapas do ano. Porém, nas quatro corridas seguintes ele não deixou barato, assegurando quatro vitórias consecutivas, entrando definitivamente na briga pelo título.
 
Seu último triunfo do ano, em Aragão, ainda lhe garantiu o 60º de sua carreira, com 231 largadas no currículo. O seu terceiro caneco garantiu-lhe ainda o papel de espanhol com mais títulos na categoria rainha da motovelocidade. Atrás está Marc Márquez, com duas conquistas. Além disso, com suas sete conquistas da temporada superou o recorde de Casey Stoner, tornando-se o quarto piloto com mais vitórias na história da categoria.

document.MAX_ct0 ='';
var m3_u = (location.protocol=='https:'?'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?':'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random()*99999999999);
document.write ("”);
//]]>–>

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube