MotoGP

Márquez escapa e vence fácil na França. Baldassarri abandona e perde terreno na liderança da Moto2

Álex Márquez tomou a ponta ainda nos primeiros giros e tratou de escapar do pelotão para vencer pela primeira vez desde o GP do Japão de 2017. Jorge Navarro bateu Augusto Fernández pelo segundo posto. Líder do Mundial, Lorenzo Baldassarri abandonou após uma queda e perdeu muito terreno na briga pelo título

Grande Prêmio / JULIANA TESSER, de São Paulo

Demorou, mas Álex Márquez voltou a vencer na Moto2. O #73 tomou a ponta ainda nos primeiros giros do GP da França e tratou de espaçar na ponta neste domingo (19) para vencer pela primeira vez desde o GP do Japão de 2017.
 
Dono da pole-position, Jorge Navarro foi engolido por Tom Lüthi e companhia ainda nos primeiros metros. Na quarta volta, porém, Márquez tomou a ponta do suíço e foi construindo uma confortável vantagem.
 
Lüthi, por sua vez, foi de mal a pior, escorregando no pelotão com o passar das voltas. Navarro ia seguindo pelo mesmo caminho, mas começou a reagir e voltou à briga pelo pódio, chegando, inclusive a tentar reduzir a folga de Álex na ponta.
Álex Márquez (Foto: Marc VDS)
Ao fim das 25 voltas, Márquez recebeu a bandeirada com 1s119 de margem para Navarro, que garantiu o segundo posto só na última volta. Augusto Fernández completa o pódio.

6s015 atrás do vencedor, Brad Binder colocou a KTM na quarta colocação, à frente de Xavi Vierge. Lüthi perdeu a chance de tomar a liderança do Mundial ao completar a prova apenas em sexto.
 
Enea Bastianini conquistou a sétima colocação, com Marcel Schrotter e Iker Lecuona. Niccolò Bulega completa a lista dos dez melhores.

Com o resultado deste GP da França, Lorenzo Baldassarri, que abandonou a corrida, segue na liderança do Mundial, mas agora com só sete pontos de margem para Lüthi. Navarro tem o terceiro posto, com Márquez e Schrotter completando um top-5 separado por 19 tentos.

 Baldassarri, aliás, sofreu uma concussão no tombo e teve um ombro descolocado. 
 
Resultado de imagem para emoji microfonePaddockast #18: Fake News! As mentirinhas nada inocentes do esporte a motor



  Ouça no Spotify
  Ouça no iTunes
  Ouça no Android
  Ouça no playerFM

 
Saiba como foi o GP da França de Moto2:
 
Em mais um dia bastante nublado, um frio considerável voltou a marcar presença em Le Mans. As vésperas da largada da Moto2, a temperatura estava na casa dos 15°C, com o asfalto chegando a 17°C.
 
Pela segunda vez seguida, a pole-position era de Jorge Navarro, à frente de Tom Lüthi. O suíço, que teve um ano frustrante na MotoGP em 2018, fazia sua primeira visita à primeira fila desde o terceiro lugar no grid de Assen em 2017.
 
Álex Márquez fechava a primeira linha da grelha, seguido por Mattia Pasini, Xavi Vierge e Andrea Locatelli. Líder do Mundial, Lorenzo Baldassarri, que nunca pontuou em Le Mans, vinha em sétimo.
 
Quando as luzes se apagaram na reta de Le Mans, Lüthi tomou a ponta, com Márquez logo passando Navarro pela segunda colocação. Na sequência, Vierge também passou Jorge.
 
Ainda nos primeiros metros, Andrea Locatelli sofreu uma forte queda na curva 3, mas foi evitado pelo resto do pelotão. O italiano, porém, deixou a pista mancando, amparado pelos fiscais.
 
Ao fim do primeiro giro, Lüthi sustentava 0s113 de margem para Márquez, com Vierge, Navarro, Binder, Baldassarri e Schrotter vindo na sequência.
 
Ainda no início da corrida, o Painel de Comissários comunicou uma punição a Jorge Martín por queima de largada. O piloto da Red Bull KTM Ajo teve de cumprir um ride-through.
 
Ainda na segunda volta, Lorenzo Baldassarri caiu na curva 10 após tocar a zebra e ainda foi atingido por Mattia Pasini. Os dois abandonaram a corrida, com o piloto da Pons sendo retirado da pista de maca.
Mattia Pasini caiu junto com Lorenzo Baldassarri (Foto: Reprodução)
Na quarta volta, Márquez passou Lüthi e assumiu a ponta em Le Mans, com Vierge seguindo o mesmo caminho para formar uma dobradinha da Marc VDS. Binder vinha na quarta colocação, seguido por Navarro, Corsi e Schrotter.

Um pouco depois, Corsi partiu para o ataque e tomou a quarta colocação de Navarro. Binder vinha em sexto.
 
Na sexta das 25 voltas da corrida, Márquez exibia 0s353 de vantagem para Vierge, que, por sua vez, vinha 0s2 à frente de Lüthi. O suíço, porém, era pressionado por Corsi e não demorou a perder a posição para o piloto da Tasca.
 
Na volta seguinte, foi a vez de Navarro passar Lüthi pata assumir a quarta colocação. Na sequência, Jorge tomou a posição de Vierge, que vinha atrás de Corsi.
 
Lüthi, aliás, só ia perdendo. Na oitava volta, o #12 já aparecia em sétimo, atrás também de Binder e Augusto Fernández.
 
Enquanto isso, Márquez abriu 0s650 de margem para Corsi na liderança. Vierge estava de volta ao terceiro posto depois de aproveitar um erro de Navarro na Garage Vert.
 
Na décima volta da corrida, Sam Lowes caiu mais uma vez em Le Mans, na curva 6, e abandonou. O ano não está lá essas coisas para o #22.
 
Com 16 giros para a bandeirada, Navarro voltou a tomar o terceiro posto de Vierge, mas já tinha 1s2 de atraso para Corsi, o segundo colocado.
 
Em sua melhor atuação em muito, muito tempo, Corsi viu o sonho do pódio cair por terra na décima volta, quando caiu na 13ª curva. Simone, no entanto, escapou sem maiores lesões.
 
Assim, Márquez ganhou 1s4 de folga na ponta da corrida, com Navarro promovido ao segundo posto, à frente de Vierge, Fernández, Binder e Gardner. Confirmando os temores da IntactGP, o piso seco se converteu num pesadelo para Lüthi, que, se acerto para essas condições, vinha isolado em sétimo.

Fernández, então, partiu para o ataque e tomou o terceiro posto de Vierge. Enquanto isso, Navarro vinha empenhado em cortar a vantagem de Márquez na liderança.
 
Na 14ª volta da corrida, Remy Gardner caiu na curva 4 e se despediu da briga. O australiano ainda tentou voltar, mas sem sucesso.
 
No giro seguinte, Fernández tomou a segunda colocação de Navarro brevemente, mas logo levou o troco. Enquanto isso, Márquez levou sua margem para mais de 2s.

Com um ritmo forte no fim da corrida, Navarro passou a tentar reduzir a vantagem de Márquez, mas errou e, com cinco voltas para o fim, foi superado por Navarro pelo segundo lugar.
 
Com três giros para o fim, Navarro conseguiu recuperar a posição, mas o troco de Fernández foi rápido. Vierge era o quarto, seguido por Binder. 
 
Na volta final, Navarro passou Fernández pelo segundo lugar, enquanto Binder deixou Vierge para trás pelo quarto. Lüthi era o sexto.

Moto2 2019, GP da França, Le Mans, Final:

1 A MÁRQUEZ Marc VDS Kalex 40:36.428 25 voltas
2 J NAVARRO Speed UP +1.119  
3 A FERNÁNDEZ PONS Kalex +1.800  
4 B BINDER Red Bull KTM Ajo +6.015  
5 X VIERGE Marc VDS Kalex +7.057  
6 T LÜTHI Intact Kalex +9.401  
7 E BASTIANINI Italtrans Kalex +10.095  
8 M SCHROTTER Intact Kalex +10.475  
9 I LECUONA American KTM +11.246  
10 N BULEGA VR46 Kalex +17.112  
11 T NAGASHIMA SAG Kalex +18.537  
12 F DI GIANNANTONIO Speed UP +19.817  
13 L MARINI VR46 Kalex +27.815  
14 J ROBERTS American KTM +27.888  
15 S MANZI Forward MV Agusta +49.139  
16 L TULOVIC Kiefer KTM +50.800  
17 J DIXON Angel Nieto KTM +51.688  
18 M BEZZECCHI Tech3 KTM +53.223  
19 P OETTL Tech3 KTM +1:00.859  
20 J MARTÍN Red Bull KTM Ajo +1:03.817  
21 D AEGERTER Forward MV Agusta NC  
22 D PRATAMA Team Tady Kalex NC  
23 X CARDELUS Angel Nieto KTM NC  
24 R GARDNER SAG Kalex NC  
25 S ODENDAAL RW NTS NC  
26 B BENDSNEYDER RW NTS NC  
27 S CORSI Tasca Kalex NC  
28 S LOWES Gresini Kalex NC  
29 S CHANTRA Team Tady Kalex NC  
30 L BALDASSARRI PONS Kalex NC  
31 M PASINI SIC Kalex NC  
32 A LOCATELLI Italtrans Kalex NC  




Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.