Mir mescla agressividade e prudência e coroa carreira de apenas dez anos com título incontestável e recordes na Moto3

Com apenas dez anos de carreira, Joan Mir não deixou passar a segunda chance e conquistou neste domingo (22) o título da temporada 2017 da Moto3. Piloto da Kiefer vai subir para a Moto2 na próxima temporada com a Marc VDS

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

 
Depois de uma vitória em Aragão, a oitava da temporada, Mir embarcou para Motegi com impressionantes 80 pontos de vantagem para Romano Fenati, o segundo na tabela. Com tal margem, o espanhol de Palma de Maiorca precisava abrir apenas mais 20 pontos de diferença para o italiano, mas um fim de semana apagado no circuito nipônico acabou por adiar a conquista.
 
Na Austrália, Mir fez as pazes com a boa forma e tratou de fazer uma corrida segura para conquistar o título no segundo match-point. O espanhol venceu uma corrida que teve o fim antecipado pela chegada da chuva.
A classificação do Mundial de Motovelocidade após o GP da Austrália
Mir exibe orgulhoso placa de campeão (Foto: MotoGP/Divulgação)

Em comparação com muitos de seus rivais, Mir tem uma carreira ainda relativamente curta, de apenas dez anos, já que começou a correr só em 2007. Os primeiros passos no esporte, porém, aconteceram atrelados a um sobrenome famoso: Lorenzo. Mas não com Jorge, como primeiro saltaria a mente, mas com Chicho, o pai do piloto da Ducati.

 
Há dez anos, Joan começou a carreira na Lorenzo Competición, onde o pai do #99 prepara jovens pilotos usando os mesmos métodos que adotou com o filho anos atrás. Apesar do início relativamente tardio ― levando em conta que muitos de seus pares subiram em motos pela primeira vez ainda na primeira infância ―, Mir logo conseguiu resultados de destaque.
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Com apenas quatro meses de experiência, Mir conquistou o quinto lugar em sua primeira corrida. Na sequência, venceu nas várias categorias de base das Ilhas Baleares ― minimoto 6,2 em 2009; minimotard base em 2010; minimotard sênior em 2011; Copa Bankia XL 160 4T em 2011 ―, antes de chegar ao título da copa nacional de Pré-GP 125cc em 2012. 
 
Em 2013, depois de uma tentativa frustrada, conquistou vaga no grid da Red Bull Rookies Cup, fechando seu primeiro ano na disputa na nona colocação, antes de ser vice na categoria na temporada seguinte, atrás de Jorge Martín.
 
Em 2015, Joan disputou o Mundial Júnior de Moto3, onde venceu quatro das primeiras seis corridas, mas uma queda de performance na segunda metade da temporada acabou deixando o #36 apenas com a quarta colocação da classificação.
 
A estreia no Mundial veio no mesmo ano. O jovem espanhol foi escalado pela Kiefer para substituir o lesionado Hiroki Ono no GP da Austrália, mas, depois de largar em 16º, não conseguiu completar a corrida por conta de um incidente com John McPhee.
 
Em 2016, a mesma Kiefer deu a Mir a condição de titular ao lado de Fabio Quartararo e Andrea Locatelli. Em seu primeiro ano, Joan estreou no pódio de cara com uma vitória na Áustria e fechou a temporada como melhor novato, ocupando o quinto posto na tabela, com 144 pontos.
 
2017, porém, viu uma performance arrebatadora do #36. Mir venceu sete das primeiras 11 corridas do ano, repetindo o que tinha sido feito pela última vez na categoria menor do Mundial de Motovelocidade por Valentino Rossi em 1997 na hoje extinta 125cc.
 
Com um misto de talento, intuição e até um bocado de sorte, Joan agora salta para a Moto2 com a Marc VDS em 2018 levando na bagagem o rótulo de campeão mundial da Moto3.
 
Antes, o espanhol vai brigar por um novo recorde. Só Rossi, Marc Márquez e Fausto Gresini venceram mais na classe menor em uma única temporada, mas o jovem de Palma de Maiorca pode igualar o feito do #46 vencendo as próximas duas corridas.
 
RITMO DE FESTA

PADDOCK GP CHEGA À EDIÇÃO 100 COM HISTÓRIAS IMPERDÍVEIS DE EDGARD MELLO FILHO

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height:
0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute;
top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube