Oliveira dá bote duplo na última curva e vence GP da Estíria marcado por acidente de Viñales

O piloto português aproveitou a relargada do GP da Estíria para dar à Tech3 à primeira vitória da equipe na MotoGP. Jack Miller ficou em segundo, com Pol Espargaró fechando o pódio duplo da KTM na MotoGP

Do susto ao final de tirar o fôlego: a MotoGP teve de tudo no GP da Estíria deste domingo (23). Depois de um acidente com Maverick Viñales, Miguel Oliveira fez história ao vencer a corrida 900 da classe rainha com um bote duplo nos metros finais. A primeira do piloto #88 e também de um português na MotoGP.

Ainda na 17ª volta, Viñales ficou sem freio no fim da reta e precisou se jogar no chão. A Yamaha seguiu reto, cruzou a área de escape e atingiu em cheio o muro na curva 1. O protótipo azul pegou foto, o que forçou a paralisação da corrida em bandeira vermelha para troca da proteção inflável.

Miguel Oliveira celebra vitória no GP da Estíria com a KTM (Foto: AFP)

Na relargada, Joan Mir saiu bem, mas, desta vez, foi Jack Miller quem ficou com a liderança. O espanhol tinha um pneu médio de 18 voltas na dianteira da Suzuki, contra os macios novos do australiano.

Aos poucos, porém, Pol Espargaró avançou para tomar o segundo lugar do piloto da Suzuki. O catalão, então, tratou de passar o lesionado Miller para assumir o comando da corrida. Nos metros finais, porém, tudo embolou, com o português levando a melhor na curva final para vencer pela primeira vez.

Miller acabou em segundo, 0s316 atrás de Miguel. Pol Espargaró aparece em terceiro para conquistar o segundo pódio na MotoGP. Joan Mir, todavia, foi quem mais perdeu. O espanhol vinha dominando a primeira parte da corrida, mas acabou apenas em quarto após a relargada.

Andrea Dovizioso não esteve nem de longe no mesmo desempenho da semana passada e ficou em quinto, seguido por Álex Rins. Takaaki Nakagami também vinha bem na primeira metade, mas acabou só em sétimo, seguido por Brad Binder.

Em um domingo ruim para a Yamaha, Valentino Rossi ficou com o nono posto, com Iker Lecuona aparecendo para colocar as quatro KTM no top-10. Danilo Petrucci aparece apenas em 11º, com Aleix Espargaró logo atrás. Fabio Quartararo foi apenas 13º, 7s406 atrás do vencedor. Johann Zarco aparece na sequência, com Franco Morbidelli fechando a lista de pilotos na zona de pontuação.

Com o resultado da corrida, Quartararo segue no comando da MotoGP, mas agora com só três pontos de vantagem para Dovizioso. Miller tem a terceira colocação, seguido por Viñales, Nakagami, Rossi, Mir, Oliveira e Pol Espargaró. Além disso, com a segunda vitória no ano, a KTM também perde as concessões previstas em regulamento.

Saiba como foi o GP da Estíria de MotoGP:

A ameaça de chuva não se concretizou nas corridas de Moto3 e Moto2, mas seguia pairando no ar. Antes da largada da MotoGP, os termômetros mediam 22°C, com o asfalto chegando a 34°C. A velocidade do vento era de 8 km/h.

Pela primeira vez na MotoGP, Pol Espargaró tinha a pole-position, a primeira também da KTM. A corrida de Phillip Island em 2002 era a última vez em que uma fábrica não-italiana e não-japonsesa saiu na ponta do grid ― com Jeremy McWilliams e a Proton KR.

No melhor grid da carreira, Takaaki Nakagami tinha o segundo posto, a primeira vez que um japonês saia na primeira fila desde que Shinya Nakano saiu também em segundo na Austrália em 2006. Aproveitando uma punição a Johann Zarco pelo acidente de semana passada, Joan Mir tinha o terceiro posto, à frente de Jack Miller e Maverick Viñales.

Na melhor posição desde o quinto lugar em Silverstone no ano passado, Álex Rins era o sexto, à frente de Miguel Oliveira e Andrea Dovizioso. Líder do campeonato, Fabio Quartararo era apenas o décimo, igualando seu pior resultado na MotoGP ― registrado em Le Mans e Brno no ano passado.

Na escolha de pneus, a maior parte do pelotão optou por médio dianteiro e traseiro. Johann Zarco, Stefan Bradl, Takaaki Nakagami, Bradley Smith, Tito Rabat e Álex Márquez vão de médio e macio. Iker Lecuona, Brad Binder e Pol Espargaró vão de duro e médio.

Largada autorizada no Red Bull Ring e Espargaró perdeu a ponta para Mir. O espanhol da KTM precisou ainda lidar com a investida de Miller, que chegou a colocar lado a lado antes de ultrapassá-lo. O piloto perdeu posição também para Nakagami, aparecendo em quarto.

Enquanto isso, no fundo do pelotão, Johann Zarco foi obrigado a largar do pit-lane por conta da punição sofrida por ter causado o acidente do GP da Áustria.

Miller vinha na primeira colocação, conseguindo subir três postos na saída. Valentino Rossi, que vinha em nono, foi quem mais ganhou na largada subindo cinco posições, com Franco Morbidelli, 15º, perdendo cinco.

Com 1min25s041, Brad Binder tratou de anotar a volta mais rápida da corrida com duas voltas completadas. O sul-africano da KTM estava na décima posição do pelotão.

Nakagami estava disposto a conseguir seu primeiro pódio na classe rainha do Mundial. O japonês da LCR emparelhou ao lado de Mir e tentou dar o bote em cima do espanhol, que fechou a porta para o adversário.

No giro seguinte, com 1min24s685, Zarco tratou de anotar o melhor giro da disputa enquanto ainda ocupava a última posição. Na ponta do pelotão, a liderança passava para as mãos de Joan, que consumou a ultrapassagem em cima do australiano da Pramac na curva 10.

Enquanto isso, Fabio Quartararo vinha em prova bastante discreta em Spielberg. O francês líder da classificação não era visto na briga pelas primeiras colocação, levando ultrapassagem de Álex Márquez e para ser o 13º.

O espanhol da Suzuki tentava se desprender do restante do pelotão, mas tinha apenas 0s393 de vantagem para Miller. Nakagami vinha em terceiro, com Pol Espargaró e Álex Rins completando os cinco primeiros.

Nas sete primeiras colocações da corrida havia cinco fábricas diferentes, com duas Suzuki, duas Ducati, Honda, KTM e Yamaha. Restavam 18 voltas para a bandeira quadriculada.

Com os primeiros mantendo as posições, a ação ficou na conta de Pol Espargaró e Rins. Na briga entre os espanhóis, o piloto da Suzuki tentava alcançar o adversário da KTM pela quarta colocação.

A Yamaha vinha em desempenho bastante apagado no Red Bull Ring. Em décimo, Maverick Viñales era o melhor piloto da fábrica nipônica, seguido por Quartararo, 11º, Rossi, 12º e Morbidelli, 17º. Pouco depois, o espanhol teve problemas e caiu para 13º.

Mir caminhava para a primeira vitória na MotoGP. Com 13 giros para a bandeira quadriculada, o piloto da Suzuki tinha respiro de 2s170. Nakagami conseguiu bater Miller e subiu para o segundo posto.

Na volta seguinte, no final da reta principal, Viñales protagonizou imagens impressionantes. A Yamaha ficou sem freio e o piloto saltou da moto, que seguiu em grande velocidade até acertar a barreira de proteção, pegando fogo em seguida. A corrida foi interrompida com bandeira vermelha.

A direção de prova informou que a corrida seria reiniciada às 14h35 locais [9h35 de Brasília] com o procedimento de saída rápida e retomada com 12. As posições foram definidas com base no último giro, o 16.

Relargada autorizada no Red Bull Ring, com Mir conseguindo manter a primeira colocação. Pol Espargaró tentou dar o bote em cima de Miller, mas ficou no terceiro posto. Após as primeiras curvas, o australiano atacou o espanhol da Suzuki e tomou a primeira posição.

No fim da primeira volta, a ordem era Miller, Mir, Pol Espargaó, Miguel Oliveira, Binder, Andrea Dovizioso, Nakagami, Rossi, Rins e Lecuona.

As coisas seguiam em forte ritmo no circuito austríaco. Miller tentava se soltar do pelotão, mas tinha respiro de 0s085 para Pol Espargaró, que apareceu em segundo. Oliveira também passou Mir e agora estava no degrau mais baixo do pódio.

O espanhol da KTM se aproximava cada vez mais de Jack, tentando aproveitar o vácuo do piloto da Pramac. Inclusive, com 1min23s877, fez a volta mais rápida da corrida. Na curva 9, então, fez o ataque e tomou a primeira posição com seis voltas para o fim.

Mas o irmão de Aleix não conseguia se desprender dos rivais. Miller estava 0s205 do espanhol e com pneu macio dianteiro e traseiro, enquanto o ponteiro estava de duro e médio, mesma escolha de Miguel, o terceiro. Dovizioso e Mir completavam o top-5.

Neste ponto da corrida, Johann aparecia na 14ª colocação e, portanto, dentro da zona de pontos após sair do pit-lane. Enquanto isso, Quartararo, líder da temporada, estava apenas uma colocação à frente.

Duas voltas para a bandeira quadriculada e Pol seguia para sua primeira vitória na MotoGP. Mas Miller não se dava por vencido, tentando tirar a desvantagem para o #44 da KTM. Oliveira tentava acompanhar o ritmo da dupla, mas estava um pouco mais atrás.

Aberta a última volta e Pol Espargaró tentava fugir de Jack. O ponteiro chegou a abrir demais na curva 1 e permitiu a aproximação do adversário, que ultrapassou. O espanhol seguia o primeiro colocado, mas precisava lidar com a ameaça de Oliveira. Nas duas últimas curvas, os pilotos colocaram lado a lado, mas cometeram um erro e de forma surpreendente, Miguel saltou na frente e garantiu a primeira vitória na classe rainha, assim como a da Tech3.

A história dos 900 GPs da classe rainha do Mundial de Motovelocidade

Em 1966, Mike Hailwood venceu o Gp de Ulster para vencer seu primeiro título nas 350cc (Foto: Reprodução)

MotoGP 2020, GP da Estíria, Red Bull Ring, Final:

1M OLIVEIRATech3 KTM16:56.02512 voltas
2J MILLERPramac Ducati+0.316 
3P ESPARGARÓKTM+0.540 
4J MIRSuzuki+0.641 
5A DOVIZIOSODucati+1.414 
6A RINSSuzuki+1.450 
7T NAKAGAMILCR Honda+1.864 
8B BINDERKTM+4.150 
9V ROSSIYamaha+4.517 
10I LECUONATech3 KTM+5.068 
11D PETRUCCIDucati+5.918 
12A ESPARGARÓAprilia Gresini+6.411 
13F QUARTARAROSRT Yamaha+7.406 
14J ZARCOAvintia Ducati+7.454 
15F MORBIDELLISRT Yamaha+10.191 
16Á MÁRQUEZHonda+10.524 
17C CRUTCHLOWLCR Honda+11.447 
18S BRADLHonda+11.943 
19B SMITHAprilia Gresini+12.732 
20M PIRRODucati+14.349 
21T RABATAvintia Ducati+14.547 
 M VIÑALESYamahaNL 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO? Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.
Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.
Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube