MotoGP

Petrucci se vê sempre pressionado e agradece conselhos de Dovizioso: “Isso me ajudou muito”

Danilo Petrucci fez questão de agradecer o apoio de Andrea Dovizioso após conquistar no GP da França seu primeiro pódio com a Ducati. O #9 disse que está sempre pressionado, mas contou que foi orientado pelo companheiro de equipe a não dar bola para essas coisas

Grande Prêmio / Redação GP, de São Paulo

A boa relação entre Danilo Petrucci e Andrea Dovizioso segue de vento em popa. Após conquistar seu primeiro pódio com a Ducati em Le Mans, o #9 fez questão de agradecer o companheiro de equipe pelos conselhos para lidar com o que entende ser uma pressão constante.
 
Terceiro em Le Mans, Petrucci não espera que o primeiro pódio vestindo as cores do time de Bolonha alivia a pressão, já que sente que tem sido cobrado desde 2017.
Andrea Dovizioso e Danilo Petrucci (Foto: Ducati)



  Ouça no Spotify
  Ouça no iTunes
  Ouça no Android
  Ouça no playerFM

“Desde 2017, as pessoas me pressionam, porque a situação de dois anos atrás era com Lorenzo. No ano passado, foi a mesma coisa”, disse Petrucci. “Sempre tive muita pressão e não conquistei nada no momento! Não imagino que se vencer alguma coisa, algum dia... as pessoas sempre gostam de me criticar. Eu só não escuto e não me importo”, seguiu.
 
“Por isso, eu tenho de dizer um grande obrigado a Andrea, que, depois de Austin, conversou comigo e me disse para não ligar, para trabalhar nos meus pontos fracos e encontrar a maneira de curtir o que eu estava fazendo. Isso me ajudou muito”, declarou. “Este pódio é também parte do grande trabalho que fizemos com Andrea este inverno e até agora. Mas eu sempre tenho esse peso no meu ombro, talvez porque eu peso muito!”, brincou.
 
Depois de um início de ano mais discreto, Petrucci foi a melhor Ducati no grid de Le Mans e, mesmo após ter caído para sexto, conseguiu se recuperar para receber a bandeirada em terceiro, colado em Dovizioso. No início da corrida, aliás, foi o #9 que pressionou Marc Márquez pela ponta.
 
“Hoje foram batalhas muito, muito boas. No início, eu estava lá com Marc e, com certeza, ele estava controlando a corrida. Eu não queria deixá-lo escapar, mas cometi um grande erro na curva 8 e perdi três posições”, relatou. “Aí eu cometi outro grande erro e estava em sexto, como sempre. Aí eu disse ‘hoje não’ e comecei a forçar”, contou.
 
“No fim, teve uma boa luta com Andrea. Eu não queria repetir a Argentina alguns anos atrás”, comentou, se referindo ao dia em que Andrea Iannone tirou Dovizioso da corrida. “Então eu disse: ‘ok, só vou tentar passar onde tiver certeza’. Ele era melhor do que eu na aceleração, o que o permitia estar um pouco distante no ponto de frenagem. Mas, no fim, foi um resultado muito bom para o nosso time”, comemorou.
 
Mesmo sendo cauteloso, Petrucci acabou a corrida com alguns danos da Desmosedici. Mas reconheceu que isso acontece com frequência.
 
“Minha moto estava danificada do lado direito, na asa. Eu toquei com Marc na curva 1, mas foi do outro lado. Talvez tenha sido com Pol Espargaró. Espero que ele não tenha sido afetado por esse contato”, disse Danilo. “Felizmente, não foi um grande dano… A minha moto está sempre danificada depois das corridas! Meu macacão ou a moto sempre tocam com alguém”, concluiu.
 

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.