Quartararo é investigado pela FIM por infringir regra de treinos da MotoGP

A entidade reforçou o regulamento referente aos testes na temporada 2020. O francês violou o regulamento ao treinar com uma moto preparada em Magny-Cours

Fabio Quartararo vai ter de se explicar para a FIM (Federação Internacional de Motociclismo). De acordo com o site espanhol Motorsport.com, o piloto da SIC é suspeito de ter desrespeitado o regulamento de testes da MotoGP.

A entidade máxima do esporte divulgou um comunicado nesta quinta-feira (2) para lembrar os pilotos do regulamento em vigor e revelou que foi alertada sobre possíveis infrações.

Paddockast #67 | Barrichello melhor que Schumacher?
Ouça também: PODCASTS APPLE | ANDROID | PLAYERFM

“Os Comissários da FIM foram alertados de possíveis quebras no Regulamento de GP da FIM no que diz respeito a treinos e testes, especificamente o Artigo 1.15.1. c) Treinamento de Piloto e Familiarização de Pista, em relação ao tipo de máquina permitida para o treino dos pilotos”, disse a FIM em nota. “Como lembrete e depois da decisão da Comissão de GP publicada em 27 de maio de 2020, pilotos de Moto3 e Moto2 não podem mais fazer testes privados em 2020 até novo aviso. O mesmo se aplica aos pilotos da MotoGP, a menos que eles estejam pilotando por fábricas que se qualificam para concessões. As restrições de treino e testes são expressamente previstas no Artigo 1.15.1 do Regulamento de GP da FIM, incluindo detalhes de quais máquinas são permitidas para Treinamento de Piloto e Familiarização de Pista”, seguiu.

“As audiências dos pilotos que podem ter infringido as regras devem ser agendadas para acontecer no GP da Espanha de 2020, no Circuito de Jerez-Ángel Nieto, para que os envolvidos possam ser ouvidos e para que haja tempo para investigar os detalhes”, anunciou. “Neste ponto, a FIM não fará mais nenhum comentário em relação a este assunto”, completou.

O regulamento permite que os pilotos utilizem em treinos motos da mesma capacidade com que correm, mas apenas de produção padrão, homologadas para rua. Por segurança, eles podem fazer mudanças ― que devem ser comunicadas ao diretor ― técnico – em rodas, pinças de freio, cilindros-mestres, discos (discos de carbono não são permitidos), suspensão traseira e dianteira, pneus (disponíveis comercialmente, apenas), pedaleira e guidão. Além disso, também podem ser removidas peças como retrovisores e luzes, por exemplo.

De acordo com a publicação espanhola, porém, Quartararo é um dos investigados. O francês da SIC treinou recentemente em Magny-Cours a bordo de uma Yamaha YZF-R1, mas a moto foi preparada pela Techsolutions.

Tanto o piloto quanto a Techsolutions divulgaram fotos da moto e, ainda segundo o site espanhol, rivais identificaram peças de corrida que não poderiam ser utilizadas e apresentaram uma queixa à FIM.

Ainda de acordo com o Motorsport.com, Sergio Garcia Dols, piloto da Estrella Galicia 0,0 na Moto3 também é suspeito de ter usado peças não autorizadas na moto de treino.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO? Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.
Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.
Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube