Retrospectiva 2019: Constância foi chave para abrir janela de título de Dalla Porta

Lorenzo Dalla Porta não teve temporada das mais vencedoras na Moto3, mas encontrou a chave para destrancar o título de 2019. Com regularidade e adversários não tão consistentes, achou a soma perfeita para coroar campeão do ano

Lorenzo Dalla Porta mostrou ter aprendido na temporada 2019 da Moto3 o que era importante para colocar as mãos no título. Mais do que vitórias, apostou em desempenho regular durante o ano para fechar o campeonato com a coroa na cabeça e a taça na mão.
 
Em seu terceiro ano completo correndo na menor das classes do Mundial de Motovelocidade, o titular da Leopard Racing soube aproveitar a oportunidades e apesar de não ter sido presença frequente no degrau mais alto do pódio, ficou fora do top-10 apenas três vezes – uma com um abandono.
 
O começo da campanha do italiano foi lento. Seria mentira dizer que brigou pelo título desde o início da temporada, afinal, na primeira metade de 2019 chegou a figurar na quinta colocação e parecia carta fora do baralho, vendo adversários como Arón Canet, Marcos Ramírez e Tony Arbolino mais fortes na batalha.
Lorenzo Dalla Porta (Foto: Leopard Racing)
Mas se precisava remar para conseguir recuperar o terreno e alcançar os rivais, fechou a primeira parte do campeonato mostrando que começava a esboçar uma reação. Afinal, foi na Alemanha, corrida que antecedeu as férias de verão, que veio a primeira vitória. A partir de então, a subida começou.
 
O cenário começou a mudar verdadeiramente na Áustria. Apesar de ter cruzado a linha de chegada no Red Bull Ring na sexta colocação, viu Canet, no momento o principal adversário pela coroa, ser apenas o décimo. A partir de então, grudou na primeira colocação da classificação e dali não se soltou até o final.
 
E se a regularidade foi a principal chave para entregar o título ao #48, é verdade também que o destino chegou a ser bastante generoso com o piloto nascido em Prato. Em sua trilha para o Olimpo da Moto3, encarou adversários que contaram com a inconsistência e abandono como melhores amigos na temporada.
Lorenzo Dalla Porta (Foto: Leopard Racing)
A começar com o próprio Arón que, apesar de três vitórias, zerou em duas oportunidades, além de ter se colocado fora do top-10 em outras seis corridas. Enquanto isso, outros exemplos foram também bastante expressivos, como Jaume Masiá e seus abandonos, ou Kaito Toba que não pontuou em dez disputas e ainda não correu outra.
 
Dalla Porta se mostrou tão disposto a conseguir o título de 2019 que não deixou escapar na primeira oportunidade que topou. Na Austrália teve seu primeiro ‘match point’ e garantindo a vitória em Philipp Island, trouxe em definitivo o troféu para casa.
 
Com a regularidade que encontrou na pista e encarando adversários não tão consistentes. Lorenzo mostrou que nem sempre precisa ter uma campanha vencedora para ter uma temporada campeã.
 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube