Retrospectiva 2021: Suzuki perde força e vira incógnita no grid da MotoGP

A Suzuki não conseguiu repetir o mesmo desempenho que deu o título a Joan Mir e passou longe de brigar sequer por vitórias em 2021. Agora, vira uma força perdida no meio do grid da MotoGP

REGULAMENTOS CONFUSOS ATRAPALHAM F1 E MOTOGP | GP às 10

Quando a temporada 2020 terminou, a Suzuki estava em alta na MotoGP, campeã de equipes e com Joan Mir. Ao longo de 2021, porém, a equipe foi vendo suas fraquezas ficarem expostas, as vitórias desaparecerem e a briga pelo título muito, muito distante. Um fantasma do time que já foi um dia.

Ao longo da temporada, foram sete pódios da Suzuki, sendo 6 de Joan Mir e apenas um de Álex Rins. E por mais que o piloto da moto #36 tenha feito um campeonato decente, na terceira colocação, em momento algum passou perto de vencer corridas ou mesmo entrar na briga pelo título.

Relacionadas


A dupla da Suzuki demorou para, digamos assim, entrar no campeonato. Mir foi consistente, pouco caiu e soube se manter em alto nível, muitas vezes no top-10. Foram apenas dois abandonos ao longo do ano, na França e na Emília-Romanha, ambos por quedas.

Joan Mir não conseguiu defender o título mundial (Foto: Suzuki)

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

Apesar dos seis pódios no ano, o campeão mundial só esteve realmente próximo da vitória na Estíria, quando pressionou Jorge Martín durante toda a corrida, mas sem arrumar uma brecha para ultrapassar. De resto, foi mero espectador das disputas na frente. O terceiro lugar impressiona justamente por isso, mas fica o sentido amargo de que poderia ter sido muito mais se o espanhol não falhasse tanto nas classificações.

Aliás, esse foi um grande problema da Suzuki ao longo da temporada. A moto era boa em ritmo de corrida, dava oportunidade para a dupla reagir e brigar por posições, mas simplesmente não era capaz de encontrar velocidades em voltas rápidas nos treinos. Um problema que o time espera solucionar para 2022.

Rins sofreu com várias quedas ao longo do ano (Foto: AFP)

O desempenho de Rins conseguiu ser ainda pior e com contornos até tristes em certos momentos. O espanhol da moto #42 conseguiu o pódio no GP da Grã-Bretanha, em Silverstone, e só Marcado por muitas quedas, especialmente no início do ano, demorou para engatar uma sequência de resultados na zona de pontuação.

Após acidentes em Portugal, Espanha, França e Itália, chegou ao GP da Catalunha pressionado. Às vésperas dos treinos, durante um passeio de bicicleta pelo circuito, se distraiu no celular e acertou um carro que estava no local. Uma fratura o fez se ausentar da prova e colocou uma marca ainda mais negativa na então temporada do espanhol.

Com uma dupla ainda oscilando e uma moto longe do ideal para 2021, a Suzuki viu seu domínio do ano anterior se desmanchar. Agora, sem o mesmo ritmo de Ducati ou Yamaha, vê outras rivais também baterem na porta e transforma-se na grande incógnita da MotoGP. Só os pilotos não vão salvar de novo.

A Stock Car divulgou um vídeo com os detalhes do projeto (Vídeo: Divulgação)
Chamada Chefão GP Chamada Chefão GP 🏁 O GRANDE PRÊMIO agora está no Comunidades WhatsApp. Clique aqui para participar e receber as notícias da MotoGP direto no seu celular! Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.