MotoGP

Rins mostra confiança na Suzuki e descarta repetição de erro na escolha do motor: “Não estou com medo”

Álex Rins afirmou que não teme que a Suzuki cometa um novo erro na escolha do motor da GSX-RR como aconteceu em 2017. O #42 manifestou sua confiança no time e considerou que todos os itens testados em Valência e Jerez tiveram aspectos positivos

Warm Up / Redação GP, de São Paulo
Agora no posto de piloto mais experiente da Suzuki, Álex Rins não espera uma repetição do erro que afetou a performance do time na temporada 2017. O #42 garantiu que não teme uma nova falha na escolha do motor da GSX-RR.
 
Depois de um bom 2016, a Suzuki caiu de produção no ano passado por conta de uma escolha errada na pré-temporada. Com Rins machucado, o então recém-chegado Andrea Iannone ficou com a missão de escolher o propulsor e um erro fez o time amargar uma temporada discretíssima. 
 
Sem direito às concessões, a Suzuki precisou esperar a virada do ano para se reencontrar, mas voltou mais forte em 2019 e esteve no pódio em metade das corridas disputadas no ano.
Álex Rins avaliou que a Suzuki tem bons materiais para montar uma moto forte para 2019 (Foto: Divulgação/MotoGP)
De novo sem concessões, a Suzuki sabe que não pode errar mais uma vez, mas, apesar do histórico, Álex não espera uma nova falha.
 
“Não estou com medo, pois fui rápido com os dois motores e com os dois chassis”, disse Rins. “Agora é com os chefes. E eu deixo tudo nas mãos dos engenheiros”, seguiu.
 
“Vamos escolher a melhor opção. Fizemos muitas comparações, eles têm muitas informações”, frisou. “Estou feliz com os dois, o feeling é bom com os dos motores. O ponto positivo é que o novo motor tem mais potência, mais potencial. Os pontos negativos, eu não quero dizer”, comentou.
 
“O importante é que a Suzuki trabalha muito duro. Estamos esperando coisas novas na Malásia, vamos ver o que acontece. Esses dois testes foram muito positivos, porque nós testamos tudo, novos quadros e também o novo motor”, considerou. 
 
No segundo ano na MotoGP, Rins fiz sua estreia no top-3 e fechou 2018 como responsável por cinco dos nove pódios da Suzuki no ano. Agora, o #42 considera que está “pronto para vencer”.
 
“No próximo ano, vou lutar no máximo. Eu agora tenho muita experiência. A partir da Holanda, quando a Suzuki trouxe um motor mais potente, eu comecei a me sentir melhor”, recordou. “Acho que conquistei mais respeito dos outros. Nós temos dado pequenos passos à frente. Não esperava conquistar tantos pódios”, concluiu.