Rossi fala em “dor por toda parte”, mas admite sorte por escapar ileso de acidente no Japão: “Foi uma queda grande”

Ainda se recuperando de uma fratura na perna direita, Valentino Rossi admitiu que teve sorte por escapar ileso de uma queda ainda nas primeiras voltas do GP do Japão. Italiano avaliou que foi um fim de semana muito difícil para a Yamaha

Valentino Rossi reconheceu que teve sorte por escapar ileso de uma queda nas primeiras voltas do GP do Japão. Ainda se recuperando de uma fratura na perna direita, o #46 abandonou a prova de domingo em Motegi depois de um high-side na curva oito.
 
O tombo, aliás, foi o segundo de Rossi no fim de semana. O piloto da Yamaha já tinha caído no sábado, na curva sete do traçado de Kanto.
Valentino Rossi acabou abandonando a corrida após uma queda forte (Foto: Reprodução)
“Foi uma queda grande desta vez”, resumiu Rossi. “Também ontem, mas hoje mais. Hoje na curva oito, ontem na sete. De novo, foi um high-side. Eu estava atrás de Aleix [Espargaró] e tentei não desistir, porque podia manter o ritmo dele, mas, na esquerda, não tinha aderência nenhuma. Era como pilotar no gelo”, contou. 
 
“Com a aceleração constante, a traseira [escorregava]. Foi muito rápido. Quando vi, já estava voando pelo ar. Então tive muita sorte de que a perna está bem. Tenho dor por toda parte, mas não muito, então isso é bom”, destacou.
 
Largando em 12º, Rossi tinha escalado até a nona posição no momento do acidente, na sétima das 24 voltas em Motegi.
 
“Nós tivemos muitas dificuldades neste fim de semana. Foi muito, muito difícil, porque nunca tivemos uma boa aderência, especialmente na traseira. Então temos de tentar entender o motivo”, declarou. “Para mim, agora o casamento entre a nossa moto e o pneu traseiro da Michelin dá muitos problemas, em todas as condições. Especialmente no molhado”, apontou.
 
“Então precisamos entender um caminho e tentar, porque durante este fim de semana foi sempre muito frio, mas tivemos todos os tipos de pista molhada. Muita água, sem água o bastante, mas sempre tivemos dificuldades. Foi muito difícil. Precisamos entender”, insistiu.
 
Questionado se a Yamaha sente que os pneus ficaram mais macios no decorrer da temporada, Rossi respondeu: “Para mim, em comparação com o ano passado, é muito difícil entender quando você fala com a Michelin. Mas eu, quando piloto esta moto, tenho um feeling diferente como se o pneu fosse mais macio e nós sofremos. Mas essa é a ideia. Não sei se é verdade”.
 
Informado de que a Michelin garantiu que nenhuma mudança foi feita, Rossi declarou: “Então, com certeza, parece diferente da moto”.
 
“Se na moto é diferente, alguma coisa é diferente. Mas também é difícil entender, porque, de qualquer forma, na Honda e na Ducati os pneus funcionam, então é um problema nosso”, reconheceu.

#GALERIA(7210)
 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube