Rossi nega pedido da Yamaha, mas admite ajudar Viñales por título: “Se estiver muito, muito apertado, talvez seja possível”

Valentino Rossi afirmou que a Yamaha não lhe pediu para atuar como escudeiro de Maverick Viñales nesta reta final da temporada 2017. Italiano admitiu, no entanto, que isso pode acontecer dependendo da configuração da disputa

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Valentino Rossi contou que ainda não recebeu um pedido da Yamaha para ajudar Maverick Viñales na disputa pelo título da MotoGP. O #46 sabe, no entanto, que isso pode acontecer nesta reta final da temporada 2017.
 
Valentino Rossi contou que Yamaha ainda não pediu ajuda pelo título de Maverick Viñales (Foto: Yamaha)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Questionado se a Yamaha pediu que ajude Viñales na briga pelo título, Rossi respondeu: “No momento, não”.
 
“Normalmente, a Yamaha não faz isso, mas depende muito do campeonato”, comentou. “Se estiver muito, muito apertado, talvez seja possível”, admitiu.
 
Ainda, o italiano avaliou que o campeonato de 2017 tem uma situação curiosa, já que as três fábricas que disputam o título contam com pilotos rápidos que podem interferir na disputa. A Honda tem Dani Pedrosa, enquanto a Ducati conta com Jorge Lorenzo e a Yamaha com o próprio Rossi.
 
“É uma situação interessante, porque todas as três fábricas tem um segundo piloto que é rápido e talvez possa ajudar o primeiro piloto no campeonato”, disse. “Então vamos ver”, seguiu.
 
Pouco mais de 40 dias depois de fraturar a perna direita em um acidente durante um treino de enduro, Rossi afirmou que segue melhorando, mas ainda tem um pouco de dor.
 
“A minha perna, com certeza, está muito melhor. Tive essa semana extra, o que foi muito importante, porque depois de Aragão eu sofri um pouco”, contou. “A perna agora está bem melhor, ainda tenho alguma dor, mas acho que posso pilotar a moto. De qualquer forma, a perna está melhor do que eu Aragão. Eu, com certeza, não estou 100%, também em relação aos treinos, porque tive de mudar um pouco. Mas me sinto bem. Não tão mal”, afirmou.
 
Indagado se continuaria usando o freio acionado pelo polegar, Valentino revelou: “Já usava antes do problema”.
 
“Não do início [da temporada], mas depois de cinco ou seis corridas”, falou. “Para mim, para o meu problema, é bom e pode ajudar. É uma coisa que pode ajudar em geral em alguns lugares”, completou.
’EXTRAORDINÁRIO’

DI GRASSI VÊ HAMILTON COMO UM DOS TRÊS MAIORES DA HISTÓRIA

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height:
0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute;
top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube