Suzuki segura McPhee e vence GP de San Marino com festival de quedas na Moto3

Tatsuki Suzuki deu um show em Misano. O japonês se manteve no grupo da frente a corrida toda, escapou do festival de quedas e teve ritmo impressionante no fim para levar a melhor em uma batalha de sete motos

A Moto3 teve um final de corrida bem ao seu estilo no GP de San Marino. Depois de um festival de quedas no início da prova, o domingo (15) viu nada menos que sete pilotos brigando pelo triunfo na volta final. Melhor para Tatsuki Suzuki, vencendo com a equipe da família de Marco Simoncelli no circuito que leva o nome do italiano.

John McPhee fez uma corridaça. O escocês passou boa parte do tempo escoltando os líderes, mas partiu para o ataque no fim, viu Ai Ogura e Andrea Migno se enroscarem e foi para cima. Conseguiu superar Tony Arbolino e quase levou ainda a vitória de Suzuki, chegando em segundo, com o italiano em terceiro.

Jaume Masià chegou a cair da ponta para sétimo já nas voltas finais, mas ainda salvou um quarto lugar, seguido por Dennis Foggia, que não chegou a brigar pela vitória, assim como Gabriel Rodrigo e Marcos Ramírez. Lorenzo Dalla Porta brigou, mas foi punido por limites de pista na última volta, tomou 3s e caiu para oitavo. O top-10 ainda teve Filip Salac e Stefano Nepa.
 

Arón Canet sofreu um duro golpe nas suas chances de título. O espanhol teve a terceira corrida muito fraca em sequência e, apesar do festival de quedas, apresentou um problema mecânico na moto. Canet tentou voltar algumas vezes dos boxes para buscar algum pontinho, mas a moto não aguentava mais que alguns metros antes do motor cortar de novo.
 
Outro dos líderes do campeonato que não vai ter boas recordações da prova é Niccolò Antonelli, que caiu junto com Celestino Vietti e ainda foi levado com dores ao centro médico.
 
O brasileiro Meikon Kawakami fazia uma corrida de sobrevivência, evitando o chão e até sonhando com pontos, mas caiu na curva 6 quando restavam apenas 19 pilotos na prova.
Tatsuki Suzuki venceu em San Marino (Foto: Divulgação/MotoGP)
Paddockast #33
10 ANOS DE SECA BRASILEIRA NA F1

Ouça: Spotify | iTunes | Android | playerFM

Saiba como foi o GP de San Marino e da Riviera de Rimini de Moto3:
 
Tal qual nos dois dias anteriores, o domingo amanheceu com sol e calor em Misano. Às vésperas da largada da Moto3, os termômetros mediam 26°C, com o asfalto chegando a 30°C. A velocidade do vento estava na casa dos 11 km/h.
 
Pela primeira vez na carreira, Tatsuki Suzuki tinha a pole-position, a terceira de um japonês desde a introdução da Moto3 em 2012. É a primeira vez desde 2001 que a classe menor vê duas poles de japoneses em uma mesma temporada. Antes, na Alemanha, tinha sido Ayumu Sasaki a sair da posição de honra no grid.
 
Vice-líder do Mundial, Arón Canet tinha o segundo posto, o primeiro top-3 do #44 desde o segundo lugar no grid do GP da Argentina. Tony Arbolino vinha na sequência, à frente de Jaume Masià e do novato Celestino Vietti. Líder do Mundial, Lorenzo Dalla Porta vinha só em sétimo, marcando a sétima vez no ano em que o piloto da Leopard fica fora do top-6 do grid.
No grid, todo o pelotão optou pelos pneus Dunlop M dianteiros, com a opção traseira se dividindo entre calçados S2 e H4 para Tatsuki Suzuki, Niccolò Antonelli, Lorenzo Dalla Porta, Marcos Ramírez, Ai Ogura e Stefano Nepa. 
Quando as luzes se apagaram na reta do circuito Marco Simoncelli, Suzuki manteve a ponta, com Arbolino mergulhando para o segundo posto, à frente de Canet, Masià e Arenas.
 
Ainda nos primeiros metros, Sergio Garcia e Ayumu Sasaki caíram e encerraram mais cedo a participação na corrida, ainda que sem lesões.
 
Enquanto isso, Arbolino tomou a liderança, com Suzuki, Canet, Masià, Arenas e Vietti aparecendo na sequência. Ainda na segunda volta, porém, Tatsuki passou Tony e recuperou a liderança em Misano.
 
Canet, então, agiu e passou Masià pelo terceiro posto. Dalla Porta vinha em sétimo, 1s1 atrás do líder em San Marino.
 
Em meados da terceira volta, Alonso López sofreu um forte high-side na curva 2 e ficou caído no meio da pista, onde foi atendido pela equipe médica prontamente. Apesar do susto, o piloto da Estrella Galicia 0,0 deixou a pista caminhando sozinho.
Na quarta volta, mas um revés para Canet. O #44 teve de recolher aos boxes com problemas na KTM. 
 
Ao mesmo tempo, Tom Booth-Amos sofreu uma queda forte e ficou caído na área de escape, onde também foi atendido pelos médicos. Antes dele, Niccolò Antonelli e Celestino Vietti também tinham se acidentado na curva 5. O #23 caiu e deixou o piloto da VR46 sem ter para onde ir.
 

Canet

Alheio a todos os problemas que aconteciam com os demais, Suzuki tinha 0s2 de vantagem para Arbolino na liderança, com Dalla Porta ocupando o terceiro posto. Migno era o quarto, à frente de Masià, Foggia e Rodrigo.
 
Na sétima volta, já eram dez abandonos, enquanto a briga pela vitória vinha centrada apenas em Suzuki e Arbolino, que, separados por 0s248, já tinham mais 0s8 de frente para o pelotão que vinha atrás.
 
Depois de passar pelos boxes, Canet voltou para a pista em Misano, mas já com três voltas de atraso em relação aos demais. A aventura, porém, durou pouco e piloto de Max Biaggi logo ficou parado na pista.
 
No oitavo giro da disputa, Deniz Öncü foi sancionado pelo Painel de Comissários com volta longa, já que excedeu repetidamente os limites da pista. O #53 corre na vaga do irmão Can, que se machucou ainda no primeiro dia em Misano.
 
Wild-card pela Avintia, Meikon Kawakami vinha na 18ª colocação, promovido um posto pela queda de Darryn Binder na curva 1.
Com o passar das voltas, a solidão dos ponteiros acabou, com o primeiro pelotão passando a ser formado por cinco pilotos: Suzuki, Arbolino, Masià, Migno e Dalla Porta. Sexto, Rodrigo tinha 1s187 de atraso para o primeiro grupo.
Na metade da corrida, Dalla Porta avançou para o terceiro posto, com Masià perdendo a quarta posição para Migno quase que de imediato. Foggia agora era o sexto, mas sem conseguir se aproximar do grupo líder.
 
Sem sofrer pressão, Suzuki abriu 0s337 de vantagem na ponta em relação a Arbolino, que tinha Dalla Porta 0s2 atrás. 
 
Depois de uma nova passagem pelos boxes da Max, Canet voltou mais uma vez para a corrida, mas abandonou pouco depois.
 
Enquanto isso, Migno passou Dalla Porta e assumiu o terceiro posto. Mais atrás, Ogura assumiu o sexto posto e se aproximou do primeiro pelotão, reduzindo o atraso quase pela metade.
 
Dalla Porta se recompôs rápido e assumiu o segundo posto, já 0s533 atrás do líder Suzuki. Arbolino era o terceiro, à frente de Masià e Migno.
Dono de um ritmo forte, Ogura não só chegou no primeiro pelotão, mas também entrou na briga. Com sete voltas para o fim, o #79 já vinha em quarto, pressionando Arbolino. Suzuki seguia na ponta, agora 0s168 à frente de Masià.
 
Com seis voltas para o fim, Masià passou Suzuki e assumiu a ponta, com Migno se instalando em terceiro, à frente de Arbolino e Dalla Porta. 
 
Um giro depois, Meikon Kawakami encerrou sua participação no GP de San Marino com uma queda na curva 6. O #83 escapou de lesões mais sérias. Kazuki Masaki também deu adeus mais cedo com um rombo na curva 2.
 
Na 20ª das 23 voltas da corrida, Masià tinha 0s289 de frente na liderança, com Arbolino pressionado por Suzuki, Ogura, Dalla Porta, Migno e McPhee.
 
Com três voltas para o fim, Arbolino mergulhou e tomou a ponta, com Suzuki recuperando a liderança na 14. Tony respondeu e voltou ao primeiro posto, mas ficou pouco por lá, já que Suzuki voltou ao comando, agora com Migno em segundo, à frente do #14 e de Ogura.
 
Suzuki conseguiu abrir 0s2 de vantagem, mas não era um respiro dos mais confortáveis, já que Arbolino, Migno, Ogura e McPhee seguiam bastante próximos.
 
Na última volta, Migno e Ogura se encontraram e caíram, mas escaparam de lesões mais sérios.
 
Enquanto isso, McPhee saltou para o segundo posto, à frente de Arbolino e Masià. 
 
Suzuki, então, entrou em modo de defesa e tratou de receber a bandeirada com 0s112 de margem para McPhee. Arbolino completou o pódio.

Moto3 2019, GP de San Marino e da Riviera de Rimini, Misano, Final:

1 T SUZUKI SIC58 Honda 40:00.034 23 voltas
2 J MCPHEE SIC HONDA +0.112  
3 T ARBOLINO Snipers Honda +0.201  
4 J MASIÀ Worldwide KTM +0.708  
5 D FOGGIA VR46 KTM +3.232  
6 G RODRIGO Gresini Honda +3.431  
7 M RAMÍREZ Leopard Honda +3.518  
8 L DALLA PORTA Leopard Honda +3.740 P+3s
9 F SALAC Prüstel KTM +4.358  
10 R FERNANDEZ Ángel Nieto KTM +14.210  
11 S NEPA CIP KTM +17.190 P+3s
12 J KORNFEIL Prüstel KTM +17.217  
13 A MIGNO Worldwide KTM +29.972  
14 R ROSSI Gresini Honda +32.133  
15 E BARTOLINI VR46 KTM +32.217  
16 D ÖNCÜ Red Bull KTM Ajo +51.058  
  A OGURA Asia Honda NC  
  K MASAKI RBA KTM NC  
  M KAWAKAMI Avintia KTM NC  
  D BINDER Avintia KTM NC  
  A CANET MAX KTM NC  
  A ARENAS Ángel Nieto KTM NC  
  N ANTONELLI SIC58 Honda NC  
  C VIETTI VR46 KTM NC  
  T BOOTH-AMOS CIP KTM NC  
  A LÓPEZ Estrella Galicia 0,0 Honda NC  
  A SASAKI SIC HONDA NC  
  K TOBA Asia Honda NC  
  S GARCIA Estrella Galicia 0,0 Honda NC  
  M YURCHENKO RBA KTM NC  
         
VMR A MIGNO Worldwide KTM 1:43.078 147.5 km/h
REC G RODRIGO Gresini Honda 1:42.381 148.5 km/h
MV J MARTÍN Gresini Honda 1:41.823 149.4 km/h
         
  Condições do tempo PISTA SECA   ar: 26ºC | pista: 33ºC
 

#GALERIA(9908)


 
Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar