MotoGP

Zarco põe MotoGP como meta para 2020, mas admite que Moto2 “é uma opção”

Fora da KTM, Johann Zarco afirmou que sua prioridade é seguir na MotoGP com um pacote competitivo. Ciente da falta de vagas, francês admitiu que voltar para a Moto2 é também uma opção

Grande Prêmio / Redação GP, de São Paulo
Johann Zarco pode até estar se sentindo mais livre desde que pediu por uma rescisão amigável com a KTM, mas está longe de ter o futuro definido. O #5 garante que a MotoGP é sua prioridade para 2020, mas, ciente da falta de vagas no grid, vê a Moto2 como “uma opção”.
 
Com o anúncio da renovação de Jack Miller com a Pramac, resta apenas uma vaga em aberto na MotoGP ― com exceção da KTM, claro: a de Takaaki Nakagami na LCR. No entanto, a expectativa é de que o nipônico mantenha o vínculo com a Honda, ainda que sem a moto do ano que almeja.
Johann Zarco admitiu que voltar para a Moto2 é uma opção (Foto: Red Bull Content Pool)
Paddockast #28
INTERROGANDO Flavio Gomes: O Boto do Reno


Ouça: Spotify | iTunes | Android | playerFM

 
Questionado pela radio francesa RMC se ficar na MotoGP era a meta, Zarco respondeu: “Completamente. Essa é a meta e a meta para 2020 é correr na MotoGP, estar em um [pacote] de bom nível na MotoGP”.
 
“Não para encontrar um novo nível de pilotagem, porque ainda está lá ― isso não foi perdido em oito meses, mas para me colocar na intensidade das posições da frente e aí ter a oportunidade de lutar pelo campeonato”, comentou. 
 
Ainda assim, Johann reconheceu que a Moto2, onde foi bicampeão, segue sendo uma opção. Mas não prioritária.
 
“É uma opção. Tenho, digamos, um plano A, B, C e talvez até D”, revelou. “Tudo ainda está muito recente, o anúncio foi feito na segunda-feira”, frisou.
 
O francês afirmou que está “sentindo paz” desde o anúncio e, assim como tinha feito anteriormente, garantiu que não tem sentimentos negativos em relação à KTM.
 
“Acho que será um relacionamento tranquilo, porque eu disse a eles que não tenho nada contra eles, nada mesmo”, comentou. “É simplesmente que eu não aceito estar relegado quase que a última posição enquanto posso fazer melhor”, justificou.
 
“Fui capaz de provar isso antes, mas não quero simplesmente me debruçar em cima do que fiz antes”, falou. “É simples, esse desejo de estar na frente está entranhado em mim e, enquanto estiver nesse ritmo, com a motivação para estar na frente, vou dar tudo de mim para tentar reagir não no fim de 2020 e me preparar para 2021, mas para reagir já em 2020”, concluiu.
 
Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.