Villeneuve participa de teste e se prepara para disputar 500 Milhas de Daytona

Jacques Villeneuve andou em Daytona no começo da semana como parte da preparação para fazer a segunda tentativa na tradicional prova da Nascar

COMO FOI O ANO DOS PILOTOS NOVATOS NA F1 2021?

Jacques Villeneuve está de volta ao cenário do automobilismo dos Estados Unidos. O campeão da Indy 1995 e da Fórmula 1 1997 esteve em Daytona nos últimos dois dias para testar o carro da nova equipe da Mascar, a Hezeberg, com que pretende disputar as 500 Milhas de Daytona. Embora a equipe ainda precise acertar detalhes da participação no oval da Flórida, acerto com Villeneuve já existe e o veterano trabalha para estar pronto.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

A Hezeberg é um time novato, formado pelo piloto Toine Hezemans – bicampeão da Euro Nascar – e o empresário Ernst Berg. Hezemans vai correr etapas mistas da temporada da Nascar, mas participação sobretudo em superovais é dúvida. Desta forma, Villeneuve foi convidado para fazer a segunda tentativa em Daytona. A outra foi em 2008, mas Jacques se acidentou na corrida de classificação e acabou nem conseguindo entrar no grid oficial.

Apesar do fracasso em Daytona ter sido uma das cinco experiências dele na Cup Series – as outras quatro foram espalhadas entre 2007 e 2013, em Talladega, Phoenix, Indianápolis e Sonoma -, Villeneuve tem participado de corridas da Euro Nascar desde 2019. Até venceu duas corridas no ano passado, em Vallelunga, na Itália.

O que não falta é animação para a nova tentativa em Daytona, onde Villeneuve terá de passar por desafios para conseguir chegar ao grid: como a Hezeberg não tem lugar fechado entre as equipes, o piloto terá que passar pelo duelo ou entrar por um tempo máximo que tende a ser desafiador para uma equipe novata.

“Seria incrível. A última vez que estive na Nascar já tem bastante tempo, muitos anos. Seria bastante especial. É uma corrida muito especial de participar e é difícil de conseguir, uma vez que você tem de classificar por tempo ou pelo duelo [a corrida de classificação]. É mais estressante assim e torna o show especial”, disse.

Jacques Villeneuve testou o carro em preparação para as 500 Milhas de Daytona (Foto: Hezeberg)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram
Acordão feito? FIA remove nome de Michael Masi como diretor esportivo em site oficial

“Sempre quis correr na Nascar. É uma questão de oportunidades e tem se tornado mais difícil com o passar do tempo”, afirmou.

O canadense admitiu que não tinha ideia clara do que podia esperar de andar com um carro atual da Nascar na pista onde esteve pela última vez há 14 anos. “A pista tinha muitas ondulações naquela época. Esses carros têm muito downforce, andam com muita rigidez, quase como carros GT”, falou.

Com relação ao atual, fez rápida avaliação do bólido. “[O carro da Hezeberg] parece bem tranquilo de guiar. Hoje, ainda não somos rápidos, mas no meio do pelotão foi bem fácil de andar”, avaliou.

“É uma nova equipe, pequena e estamos focados em Daytona, mas espero que façamos mais corridas. Foi ótimo voltar ao carro. Dei algumas voltas no teste de Charlotte, que foi complicado. O carro estava esquisito. Mas Daytona… Algumas corridas no mundo se destacam para mim: Indy 500, 24 Horas de Le Mans e Daytona. É parte de um grupo pequeno, mas especial de corridas que, se tiver a chance, é melhor participar”, finalizou.

As 500 Milhas de Daytona de 2022 estão marcadas para o domingo, 20 de fevereiro.

OS PILOTOS QUE METERAM BEDELHO ONDE NÃO FORAM CHAMADOS
Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar