Stock Car

Abreu faz primeiro pódio após lesão na vértebra e é 3° em Londrina. E conta com sorte após “já ter desistido”

A Shell cumpriu seu objetivo e alcançou um pódio na etapa de Londrina da Stock Car - e um especial: Átila Abreu fez seu melhor resultado após voltar de fissura na vértebra e foi terceiro na corrida 2. E isso após quase “desistir” de um bom resultado, até que uma mudança na corrida 1 alterou todos seus planos de forma positiva

Grande Prêmio, de Londrina / FELIPE NORONHA, de Londrina / PEDRO HENRIQUE MARUM, do Rio de Janeiro
Átila Abreu estava em 12° na corrida 1 em Londrina, neste domingo (9), e a Shell já pensava em como conseguir salvar o final de semana na prova que fecharia o dia. Mas uma sequência de fatos mudou tudo: Cesar Ramos, que estava em 9°, foi punido, e Gabriel Casagrande, também acima, abandonou. De repente, Abreu era 10° e, assim pole para a corrida 2, de grid invertido. E, a partir daí, surgiu seu primeiro pódio após a fissura na vértebra que sofreu no Velopark, na abertura da temporada.

Se a vitória não veio, o #51 acabou em terceiro. Seu melhor resultado no ano: "Eu já tinha desistido", assumiu Abreu ao GRANDE PRÊMIO após a etapa. "Já não tinha um ritmo tão bom por causa do desgaste, já estava sofrendo com isso na primeira corrida, usei mais push que deveria. Voltei em 12º mesmo reabastecendo o mínimo possível. Avisaram que o César estava punido e o Coletta estava bem na minha frente. Já tinha me contentado que não chegaria entre os dez. Aí, chegou o aviso que o Casagrande quebrou, e eu era o décimo. Max (Wilson) chegou, eu conseguiu segurar e terminei em décimo", analisou.

A partir de então, a estratégia da Shell foi alterada, e Abreu pôde colocar a equipe no objetivo da etapa: garantir um pódio. "Eu já conversava com a equipe sobre parar, trocar pneus e fazer como o Bruno (Baptista) fez. Mas quando isso surgiu, mudamos",contou.

"Então foi uma boa corrida de aprendizado, bastante estratégia, mesmo sem um carro entre os dez melhores nas duas provas. Fizemos um fim de semana de bons pontos, boas provas e um pódio. Fico feliz, mas nossa capacidade é maior. Nosso equilíbrio ainda está legal. Na tomada ainda precisamos melhorar um pouquinho, mas na corrida principalmente ainda estamos sofrendo", seguiu Abreu.
Átila Abreu (Foto :José Mario Dias/Shell)
Paddockast #21
A primeira vez a gente nunca esquece: as vitórias dos maiores nomes do esporte



Com 32 pontos, ele aparece apenas em 21° na classificação, muito distante dos líderes - e, claro, sem ter tido a chance de pontuar no Velopark e em Goiânia, quando não correu por causa da lesão. Assim, ele estipula outros objetivos, que não o título, para o ano.

"O campeonato começa agora para mim. Título é muito difícil, mas eu quero ganhar corridas, ser protagonista. Tenho que continuar trabalhando, porque o pessoal começou na frente o campeonato", concluiu o piloto da Shell.

Agora, o campeonato para até o fim de semana dos dias 20 e 21 de julho, quando corre em Santa Cruz do Sul em nova rodada dupla.

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.