Barrichello credita sucesso na Stock Car a chefe da Full Time: “Se Brawn me usasse na F1 como ele, seria campeão”

Piloto mais popular do grid da Stock Car e campeão na temporada 2014, Rubens Barrichello rasgou elogios a Maurício Ferreira, o ‘Mau Mau’, chefe de equipe da Full Time. Na visão do recordista de largadas da F1, trata-se de “um dos três melhores engenheiros” com quem ele já trabalhou na vida

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

O fim da temporada 2012 marcou um momento importante da carreira de Rubens Barrichello. Um ano depois de encerrar seu ciclo na F1 e depois de um campeonato completo na Indy como piloto da KV, o paulista assumiu um grande desafio: disputar as três últimas provas da Stock Car naquela temporada. Sua estreia foi pela equipe Full Time, time que representa até hoje, quase cinco anos depois da sua estreia. 

 
Desde o início, a sintonia entre Barrichello e o chefe da equipe baseada em Vinhedo — interior de São Paulo —, Maurício Ferreira, foi a melhor possível. O entrosamento entre piloto e engenheiro é total, a ponto de Rubens creditar a ‘Maumau’ boa parte do seu sucesso na Stock Car. A outra parte da sua motivação em estar na categoria vem do calor do público que o torna o mais popular de todo o grid. Uma popularidade sentida por Barrichello também durante sua estreia nas 24 Horas de Le Mans, prova realizada há duas semanas.
 
Em 85 corridas já disputadas na principal categoria do automobilismo nacional, Barrichello tem seis vitórias e nada menos que 20 pódios. O recordista de largadas na F1 foi campeão em 2014 e só terminou atrás do jovem e talentoso Felipe Fraga na última temporada. Em 2017, o veterano de 45 anos ocupa a quinta colocação do campeonato, já ganhou corrida — em Santa Cruz do Sul —, soma 102 e está definitivamente na luta pelo bi da Stock Car.
Com o carinho dos fãs, Rubens Barrichello garante: "Estou muito, muito feliz na Stock Car" (Foto: Fernanda Freixosa/Vicar)
Nos períodos de visitação, quando a Vicar, empresa que promove e organiza a Stock Car, abre para que o público fique mais próximo aos pilotos nos boxes em cada autódromo que recebe a categoria, fica fácil ver o quanto Barrichello é popular. O dono do carro #111 é, de longe, o mais requisitado para selfies, autógrafos ou mesmo um breve aceno.

Diante de tal contexto, o piloto entende que a F1 deveria se espelhar no modelo para atrair mais público para perto dos artistas que fazem o espetáculo.Enquanto consegue ajudar a elevar ainda mais o nível técnico da Stock Car, Rubens deixa claro que boa parte da sua empolgação com a categoria está no próprio fã do esporte.

 
“O que me move é poder retribuir ao público tudo o que recebi nesses anos de F1. Sem demagogia, é muito legal ver a visitação lotada, todo mundo querendo me dar carinho e atenção. E poder retribuir é maravilhoso. Isso que me move além da competição na pista. Eu sou muito, muito feliz na Stock Car”, contou o piloto em entrevista exclusiva ao GRANDE PRÊMIO.
Rubens Barrichello e o chefe da Full Time, Maurício Ferreira (Foto: Miguel Costa Jr.)

Ao falar da influência do chefe da Full Time no seu trabalho, Barrichello lembrou dos tempos de Ferrari e Brawn, quando teve nas mãos carros capazes de vencer corridas na F1. E traçou um paralelo ao destacar o completo entrosamento com Ferreira na Stock Car.

 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

“Eu vou dizer uma coisa, aí quem quiser entende, quem quiser não entende: o Ross Brawn, se tivesse me usado como o ‘Maumau’ me usa, teria sido campeão. O ‘Maumau’ confia piamente no que falo, o que peço ele faz. Não que eu seja Deus da equipe ou algo do tipo. Na F1, às vezes se dá uma volta enorme para chegar à solução; aqui eu peço, e ele faz. Ele está no top-3 dos melhores engenheiros que já tive na vida”, elogiou Barrichello.

 
Com o trabalho de Ferreira nos boxes da Full Time, Barrichello parte neste fim de semana em Curitiba de olho na sua segunda vitória na Corrida do Milhão. No ano do título em 2014, o piloto faturou a vitória na prova milionária, que àquela época foi disputada em Goiânia e que tornou-se decisiva para a conquista do título da temporada no fim daquele ano.
 
O GRANDE PRÊMIO acompanha ‘in loco’ o fim de semana da Corrida do Milhão da Stock Car neste fim de semana em Curitiba.
POLÊMICA MOSTRA QUE VETTEL PISOU NA BOLA E HAMILTON FOI MALANDRO EM BAKU

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height:
0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute;
top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube