Jimenez reconhece começo “complicado” na Squadra G-Force, mas mantém otimismo: “Não nos falta nada”

Sergio Jimenez assinou com a Squadra G-Force, equipe estreante da Stock Car. O começo de temporada não é fácil, com um 17º lugar como melhor resultado, mas o piloto paulista vê capacidade de evoluir ao longo de 2018

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Sergio Jimenez enfrenta um desafio diferente em 2018. Depois de fazer a última temporada pela Hot Car, o piloto trilha novo caminho ao lado da Squadra G-Force, equipe que estreia na Stock Car e é comandada por Guilherme Ferro. O piloto paulista volta a lidar com os primeiros passos de uma escuderia – que sempre são difíceis, ainda mais considerando toda a alta competitividade da categoria. Mas nada abala a confiança de Jimenez, que vê peças se encaixando já na terceira etapa do campeonato.
 
“Já participei do começo de outras duas equipes e sempre é complicado”, reconheceu Jimenez, entrevistado pelo GRANDE PRÊMIO durante o fim de semana da etapa do Velopark, em Nova Santa Rita, Rio Grande do Sul.

“Falta interação, os mecânicos nunca trabalharam juntos, ainda não se conhecem para ter aquilo de olhar no olho do outro e saber o que tem que fazer. A gente está trocando peças, algumas pessoas estão se ajeitando desde a primeira etapa até essa. Cada etapa que passa vamos melhorando. Da primeira para a terceira etapa, já parece outra equipe. Pouco a pouco estamos crescendo”, seguiu.

 
Os resultados são o reflexo de uma equipe que busca seu lugar ao sol. O top-10 na classificação do Velopark foi o ponto alto de Jimenez, ainda sem pontos. Sérgio tem um 17º lugar em Interlagos como melhor colocação no ano, enquanto o companheiro de equipe, Guga Lima, chegou ao 15º posto na mesma prova.
Sergio Jimenez defende a Squadra G-Force, equipe estreante (Foto: Rafael Gagliano)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Mas a falta de resultados nas cinco primeiras corridas de 2018 não faz justiça à realidade, pensa Jimenez. O piloto cita o azar, que teria camuflado a evolução.
 
“A gente achou o carro bom para a corrida de Curitiba. Tinha boa performance, velocidade. Para efeito de comparação, antes da janela [de pits] eu estava na frente do Marcos Gomes, que chegou em nono. Mas aí eu tive um pit ruim e um problema na direção e precisei parar. Mas a gente estava ali no meio, onde a gente deve estar. Passo a passo a gente vai crescendo. São poucos treinos, o que também afeta. Mas a interação entre as pessoas está cada vez melhor e isso facilita muito o trabalho”, afirmou.
Sérgio Jimenez (Foto: Rafael Gagliano)
Se os resultados ainda não são os esperados, ao menos existe um grande alento: a equipe não passa por graves apertos financeiros e tem material à disposição para evoluir nesta primeira temporada na Stock Car.
 
“A gente não tem o orçamento que gostaria, mas também não está faltando nada. A gente está investindo nas coisas certas, tentando maximizar o dinheiro da melhor maneira possível. Não falta equipamento, mas talvez a gente pudesse ter mais gente, o que ajuda a andar mais rápido. Isso é o que realmente pode fazer alguma diferença”, finalizou Jimenez.
 
A etapa do Velopark da Stock Car teve vitórias de Cacá Bueno e Daniel Serra. Os dois, aliás, são respectivamente vice-líder e líder da temporada 2018.
MELHOR DA HISTÓRIA?

FORMA INCRÍVEL DE MÁRQUEZ LEVANTA DEBATE NO PADDOCK GP

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube