Tetracampeão da Indy, Franchitti revela que tinha acordo para correr pela Porsche na LMP1 nas 24h de Le Mans em 2015

Tetracampeão da Indy e três vezes vencedor das 500 Milhas de Indianápolis, Dario Franchitti afirmou que tinha um acordo para correr com a Porsche na categoria LMP1 em 2015, mas o acidente sofrido na Indy dois anos antes acabou com as chances de fazer parte da mais importante prova do endurance no mundo

 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Tetracampeão da Indy, Dario Franchitti revelou que havia fechado um acordo para correr com a Porsche na classe LMP1 nas 24 Horas de Le Mans em 2015, mas que foi obrigado a abrir mão da chance por conta do acidente que sofreu na categoria norte-americana dois anos antes e que o forçou a abandonar as pistas.

No fim de 2013, Franchitti se envolveu em uma forte batida com Takuma Sato no circuito urbano de Houston, no Texas. As sequelas da pancada acabaram por colocar um fim à carreira do escocês, que defendia à época a equipe Ganassi.

 
Ao longo de sua trajetória no automobilismo, Dario fez algumas participações em provas importantes do endurance, como as 12 Horas de Sebring e as 24 Horas de Daytona, inclusive com triunfo. "Eu teria gostado de ter disputado a prova em Le Mans, esse foi um grande sonho", afirmou o ex-piloto, três vezes vencedor da Indy 500, durante um evento na Inglaterra.
 
"Tive uma chance para correr lá em 2015, na classe LMP1, na verdade", contou. "Eu sou um grande fã da Porsche. O meu celular está literalmente cheio de fotos da Porsche e a minha garagem tem dois modelos. Eu realmente adoro essa marca", emendou.
Dario Franchitti nunca mais competiu no esporte a motor (Foto: F-E)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

window._ttf = window._ttf || [];
_ttf.push({
pid : 53280
,lang : “pt”
,slot : ‘.mhv-noticia .mhv-texto > div’
,format : “inread”
,minSlot : 1
,components : { mute: {delay :3}, skip: {delay :3} }
});

(function (d) {
var js, s = d.getElementsByTagName(‘script’)[0];
js = d.createElement(‘script’);
js.async = true;
js.src = ‘//cdn.teads.tv/media/format.js’;
s.parentNode.insertBefore(js, s);
})(window.document);
"Eu me também me tornei muito amigo de Wolfgang Hatz, que é chefão lá, e conversei com ele um pouco sobre isso. Então, eu fui na fábrica em Weissach e tive uma grande reunião secreta com diretor Andrea Seidl [responsável pela classe LMP1]. Disse a eles que queria ainda correr na Indy em 2013 e 2014 e aí encerrar a carreira lá, então isso se encaixou bem nos planos deles. Mas acabou simplesmente não acontecendo", acrescentou Franchitti.

 
O escocês de 43 anos foi capaz de voltar a pilotar depois da recuperação das lesões que sofreu na cabeça, na coluna e nos tornozelos, mas o risco de um novo acidente ainda o impede de correr. "Foi um grande acidente, mas me sinto sortudo por isso."
 
"Eu não posso dar outra chance, tenho uma lesão permanente, então é isso. Mas tive sorte de fazer o que eu fiz. O que parecia ser normal para se fazer todos os dias, na verdade não é, especialmente com todos os perigos que a Indy oferece. O que os caras fazem lá não é normal. E agora eu me pego pensando: 'O que diabos eu estava fazendo lá?'", revelou. "Por isso, não sinto saudades", finalizou.
fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)<0?n+="px":n,cc.style.display="",s2.width=n,window.frameElement&&(s1.height=c2.offsetHeight+5+"px"),t=500,s1.width="100%"}rs(t)},200)}var c1=window.frameElement?window.frameElement:document.getElementById("crt_ftr"),c2=document.getElementById("crt_ftr"),s1=c1.style;s1.position="fixed",s1.bottom="-4px",s1.left="0px",window.frameElement&&(s1.height="0"),c2.style.textAlign="center",s1.zIndex="60000";var cc=document.getElementById("crt_cls"),s2=cc.parentNode.style;cc.onclick=function(){s1.display="none"};var t=0;rs(0);

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth < 970) ? 302357 : 302359;
document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube