Alonso diz que Russell sintetiza F1 atual: “Foi de último para primeiro com Mercedes”

Sem meditar no Tibet, nem ajuda divina, George Russell foi de último com a Williams para o topo com a Mercedes. Para Fernando Alonso, isso resume a Fórmula 1 atual - e não é um elogio

Fernando Alonso é complicado de se entender – ou, ao menos, se faz: após se aposentar da F1, estará de volta em 2021; mas, mesmo assim, não para de criticar a categoria.

Desta vez, foi para exemplificar aquele que, para ele, é o principal problema da Fórmula 1 atual: a diferença da Mercedes para o restante do grid.

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

Fernando Alonso (Foto: Renault)

Alonso pegou algo ocorrido no GP de Sakhir como exemplo: George Russell passou o ano da F1 na Williams, batalhando no fim do grid, e de repente era candidato a vitória só por trocar de carro.

“É um caso exemplar em explicar a F1. Em cinco dias, não cem, Russell foi de último para primeiro. E isso sem um toque divino, sem meditar no Tibet, nada disso. Tudo que ele teve de fazer foi entrar em uma Mercedes”, comentou o espanhol, em entrevista ao jornal italiano Corriere Della Sera.

Para Alonso, esta também é a razão de ser difícil comparar o talento dos jovens pilotos: cada um guia um carro de força diferente. “[Lewis] Hamilton e [Valtteri] Bottas olham pelo retrovisor e veem [Max] Verstappen, claro. [Charles] Leclerc é dono de um talento extraordinário, mas não poderemos compará-los por muitos anos ainda.”

E por quê? Porque, para Alonso, 2021 já está definido: “A Mercedes vai vencer e a Red Bull vai ser a segunda. O desafio de verdade começa em 2022”, finalizou o bicampeão do mundo, de volta à F1.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube