Antes pessimista, Red Bull se enche de confiança no Azerbaijão, mas deixa dúvida: é brilhareco ou realidade?

A excepcional performance da Red Bull nos dois treinos livres indica que há boas chances de a prova em Baku ter um intruso na luta entre Lewis Hamilton e Sebastian Vettel pela vitória. Max Verstappen contrariou o tom pessimista adotado por Christian Horner durante a semana e mostrou que o trabalho de Adrian Newey no desenvolvimento do RB13 vem surtindo efeito. A sexta-feira também sugere que o GP do Azerbaijão pode ser confuso com escapadas e acidentes, sobretudo na curva 8

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

O primeiro dia de atividades de pista do GP do Azerbaijão contrariou todas as previsões que sugeriam mais uma batalha acirrada entre Ferrari e Mercedes. Porque ninguém, nem mesmo Christian Horner — ao menos no seu discurso — esperava que a Red Bull fosse a ‘intrusa’ e a grande equipe desta sexta-feira (23) no rápido e complicado circuito urbano de Baku. Quando Max Verstappen encaixou boas voltas no primeiro treino, a primeira impressão foi de que Ferrari e Mercedes até estivessem escondendo o jogo. Mas não. O jovem holandês veio ainda mais forte no fim da tarde e comprovou a bela forma do RB13 ao registrar o melhor tempo do dia e deixar todo mundo para trás.

 
Verstappen, apesar de estar bastante otimista com o desempenho geral do carro, lembrou que as rivais e postulantes ao título devem melhorar neste sábado, que é o dia que realmente vale para a definição do grid no Azerbaijão. Mas é, sem dúvidas, um grande começo e mostra que Adrian Newey faz mesmo jus à alcunha de mago da aerodinâmica. O trabalho do engenheiro britânico para melhorar o RB13 vem surtindo efeito e, cada vez mais, a Red Bull vai conseguindo se aproximar do desempenho das rivais. Outro ponto favorável à equipe está no motor Renault. Isso porque Cyril Abiteboul, diretor da marca francesa, informou que mudanças na unidade de potência resultaram em um ganho de 0s2.

Ricciardo confirmou que uma pequena atualização já está a serviço da Red Bull em solo azeri. “Não é a atualização que foi falada, mas deve nos ajudar. E vamos tirar proveito o quanto for possível. Claro que gostaríamos de uma grande atualização, mas é improvável que aconteça. Mas até a última corrida em Abu Dhabi, vamos ter várias atualizações”, comentou.

Se a curva ascendente se mantiver neste fim de semana, não é exagero supor que os taurinos podem mesmo engrossar a briga pela vitória em Baku. Mas ainda há um quê de dúvida no ar. "Foi muito positivo. Foi a melhor sexta-feira da temporada, o carro está muito bom. Me dá muita confiança. A Ferrari e a Mercedes melhoraram [em relação ao TL1]", disse o dono do dia em Baku. Ricciardo, por sua vez, também fez um balanço positivo do dia como um todo, mas enxerga margem para melhorar ainda mais. “Acho que melhoramos um pouco nesta tarde. Ainda há mais para buscar, mas estou muito mais feliz pela forma como terminamos o dia”, destacou.

 
Ao longo das duas sessões, ficou nítido que Lewis Hamilton ainda não encontrou o melhor desempenho com os pneus supermacios, diferente de Valtteri Bottas, seu companheiro de equipe. Se é verdade que os velhos problemas voltaram, só vai ser possível comprovar mesmo no sábado, mas o fato é que Hamilton foi menos competitivo com os pneus vermelhos do que Sebastian Vettel. Mas o alemão também não brilhou e terminou o dia com tempo mais lento em relação a Kimi Räikkönen.
Max Verstappen mostra que a Red Bull pode engrossar a briga contra Ferrari e Mercedes em Baku (Foto: Getty Images/Red Bull Content Pool)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Vettel lembrou das dificuldades em conseguir realizar uma volta ideal nesta sexta-feira. “É só sexta-feira, então ainda não tenho como responder. Foi um dia misto, e isso não ajudou a construir um ritmo. Mas acho que isso vale para todo mundo. Quase todos os pilotos tiveram dificuldades para encaixar uma boa volta hoje. Mas há sempre o amanhã”, declarou o quinto colocado do dia. Kimi Räikkönen endossou o parceiro. “Acho que foi muito difícil fazer os pneus funcionarem, e se eles não funcionam 100%, aí é complicado”, destacou o veterano.

Hamilton citou as dificuldades com os pneus, mas acredita que o tempo de volta obtido por Bottas mostra que a Mercedes pode ter um sábado melhor e estar na frente.
 
“Foi um dia difícil. O circuito é complicado, e nós tivemos muitos desafios para lidar hoje. Claramente temos de trabalhar visando a classificação, mas o tempo de Valtteri no segundo treino parece promissor, então obviamente há ritmo no carro, o que é encorajador. Agora é simplesmente o caso de unir nossas mentes e trabalhar juntos durante a noite para descobrir como extrair esse ritmo durante todo o fim de semana”, comentou Lewis.
Lewis Hamilton ficou devendo nesta sexta-feira em Baku (Foto: Mercedes)
Bottas também relatou problemas para encaixar uma boa volta, sobretudo no primeiro treino, e destacou que os supermacios demoram muito para aquecer. “O primeiro treino foi bem complicado. Sofremos muito com o acerto do carro, que não estava muito bem equilibrado. Hoje nós precisamos completar muitas voltas na sequência para alcançar a temperatura que nós queremos para um bom equilíbrio.”
 
“O primeiro treino não foi legal, mas fizemos algumas mudanças visando a segunda sessão, e o carro definitivamente pareceu mais confortável. Estamos seguindo no rumo certo, e espero que possamos dar outro passo em frente nesta noite. Vamos trabalhar duro e, se nós pudermos melhorar, então vamos estar na luta pela pole-position”, acrescentou o nórdico, confiante.
 

De qualquer forma, o sem número de escapadas de pista, sobretudo lá na área de escape da apertadíssima curva 8, indica que o GP do Azerbaijão tem tudo para ser confuso e acidentado. Diferente do ano passado, quando a corrida foi incrivelmente limpa de incidentes, os carros mais largos tornam o setor ainda mais complicado, e prova disso foram as batidas de Sergio Pérez e de Jolyon Palmer — em que pese a ruindade do piloto da Renault. As altas velocidades também podem ser traiçoeiras e levar muitos pilotos de encontro ao muro, como aconteceu com o próprio Verstappen no fim do segundo treino do dia.

Diante de um fim de semana tão imprevisíve, Felipe Massa pode ser uma das surpresas no Azerbaijão (Foto: Williams)

Depois do que se viu nesta sexta-feira, talvez já dê para imaginar que a prova no domingo não vai ser essa chatice toda e que há grandes chances de o GP do Azerbaijão reservar boas surpresas. Ano passado, por exemplo, a Force India andou muito bem e encaixou Pérez no pódio azeri. É possível que os rosáceos repitam o resultado, o que não seria de todo improvável depois do que foi exibido na pista nos primeiros treinos. A Williams também pode fazer um bom trabalho — destaque para o sexto melhor tempo do dia para Lance Stroll — e até a Toro Rosso tem chances de emplacar uma zebra.

 
O mesmo não se pode dizer da McLaren. Limitada por um motor que não anda, a equipe já vai ter Stoffel Vandoorne e Fernando Alonso largando lá em Teerã, o que já torna a jornada da dupla difícil demais por si só. Mas a nova quebra do propulsor com Alonso — sempre com ele — no fim do segundo treino indica que só de terminar a prova vai ser um enorme lucro. Por ser uma pista bastante exigente em termos de potência, há grandes chances de novas quebras no restante do fim de semana. E isso pode, na prática, até selar de vez o divórcio entre McLaren e Honda, uma das esperadas cenas dos próximos capítulos da F1.
NOVA DERROTA EM 2017 MOSTRA QUE TOYOTA E LE MANS SÃO COMO ‘ÁGUA E ÓLEO’

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height:
0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute;
top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube