Brawn vê grande contribuição de Hamilton na Mercedes, mas compara: “Schumacher precisou construir uma equipe”

Ross Brawn trabalhou muito perto de Michael Schumacher e Lewis Hamilton e, embora elogie ambos, entende que o alemão enfrentou mais desafios ao longo da carreira, como quando teve de “construir” uma equipe vencedora na Ferrari

 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Ross Brawn esteve muito perto de dois dos mais importantes nomes da história recente da F1 e não hesitou na hora de comparar o trabalho de Michael Schumacher e Lewis Hamilton. O engenheiro inglês fez parte do bem-sucedido grupo de profissionais que levou a Ferrari a dominar a F1 no fim dos anos 90 e início dos anos 2000, quando Schumacher venceu cinco de seus sete títulos. Brawn também contou com a ajuda do heptacampeão, quando a Mercedes decidiu retornar ao Mundial em 2010 e foi chefe de Hamilton, quando o inglês trocou a McLaren pelo time prata em 2013.

 
Embora tenha elogiado muito o tricampeão, Brawn entende que o alemão – que atualmente se recupera de um terrível acidente de esqui – precisou lançar mão de todo o talento para construir uma equipe vitoriosa e que esse cenário nunca esteve diante de Lewis. 
 
"Creio que são eras diferentes, no sentido de que Michael teve de construir uma equipe com a Ferrari. Ele passou por todo esse processo e Lewis não, mas não porque não fosse capaz, é porque nunca houve essa necessidade", afirmou Ross em declaração à ESPN britânica.
Ross Brawn e Michael Schumacher também trabalharam juntos na Mercedes (Foto: Mercedes)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

"Sem dúvida, Lewis contribuiu muito e vem contribuindo muito para o domínio da Mercedes, mas não encontrou uma equipe como Michael encontrou a Ferrari no fim dos anos 90. A contribuição de Michael foi bastante significativa. E agora, claramente há alguém que quer fazer o mesmo", explicou Brawn, se referindo ao tetracampeão Sebastian Vettel, que assumiu o carro vermelho em 2015.

 
O inglês, entretanto, acha que a missão é bem mais difícil. "Michael adorava pilotar, adorava entrar no carro e guiar, e aproveitava qualquer oportunidade que aparecia. Era uma combinação muito difícil de superar. Creio que ele ajudou a elevar o nível físico dos pilotos também e foi um grande piloto para a equipe. Aí você junta tudo isso e dá um heptacampeão", elogiou.
fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube