Bridgestone descarta retorno à F1 e foca no desenvolvimento de pneus para carros de rua

Procurada pelo site da revista britânica ‘Autosport’, a Bridgestone declarou que não tem interesse em retornar à F1 como fornecedora de pneus. A última passagem da fabricante japonesa durou 14 temporadas, entre 1997 e 2010

A Bridgestone descartou a possibilidade de retornar à F1 como fornecedora de pneus. A fabricante japonesa entregou seus compostos para a categoria durante 16 temporadas. Seu primeiro ciclo ocorreu entre 1976 e 1977. Duas décadas depois, a fabricante retornou ao grid da categoria, e por lá ficou outros 14 Mundiais, época em que alcançou suas marcas mais significativas. Mas, no fim de 2010, a Bridgestone deixou a F1 para se dedicar às tecnologias para pneus de carros de rua, entrando a Pirelli em seu lugar.

Procurada pelo site da revista britânica ‘Autosport’, a Bridgestone, por meio de um porta-voz, negou que tenha interesse em retornar à F1. O foco segue sendo no desenvolvimento de novas tecnologias para pneus para carros de rua. A fábrica japonesa vem investindo em soluções ecológicas para os compostos que equipam os veículos de passeio.
A Bridgestone negou o interesse em retornar à F1 (Foto: Getty Images)

“Não temos planos para voltar à F1. Desde a nossa participação na F1, a Bridgestone tem alcançado uma melhora significativa na percepção da marca na Europa e em outras áreas em todo o mundo”, declarou a empresa.

“Ao mesmo tempo, a Bridgestone foi bem-sucedida na aplicação das tecnologias de compostos, design e simulação de pneus da F1 para o desenvolvimento de pneus de carros de rua. Podemos dizer que a participação da Bridgestone na F1 por 14 anos foi muito significativa”, completou.

“Sob o atual ambiente de negócios, que está mudando continuamente, a Bridgestone está focada na necessidade de reorientar seus recursos para o desenvolvimento mais intensivo dessas tecnologias inovadoras e produtos estratégicos, e decidiu não voltar a entrar em um novo contrato de fornecimento de pneus após a expiração do contrato no fim da temporada de 2010”, concluiu a Bridgestone.

Além da Bridgestone, a Hankook, fornecedora sul-coreana de pneus, também descartou interesse em equipar a F1. A fábrica asiática hoje é a fornecedora oficial do DTM, principal campeonato de turismo no mundo e que recentemente renovou seu vínculo até 2016. 

Por sua vez, a Pirelli negocia sua renovação de contrato com a F1 para 2014 e além, mas vem sido constantemente criticada pelo desgaste excessivo dos seus compostos. Ainda, a fábrica de Milão se envolveu numa polêmica com os testes de pneus feitos em parceria com a Mercedes em Barcelona dias após o GP da Espanha. Contudo, Paul Hembery, diretor-esportivo, disse que o objetivo do teste era avaliar os protótipos dos pneus de 2014, caso a Pirelli renove com a F1.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube