F1

Chefe da Lotus revela que novo contrato de Grosjean está pronto, mas espera por “momento certo”

Apesar de todos os incidentes em que se envolveu durante 2012, Romain Grosjean ainda tem a confiança da Lotus e deve continuar na equipe no ano que vem, ao lado de Kimi Räikkönen

Warm Up / Redação GP, de São Paulo

A tendência é que a Lotus mantenha Romain Grosjean em seu plantel para a temporada de 2013. Embora a cúpula do time tenha criticado o franco-suíço pela sucessão de incidentes em que se envolveu ao longo do ano, o piloto de 26 anos deve permanecer ao lado de Kimi Räikkönen no próximo ano.

Em entrevista à ‘BBC’ neste domingo (14), em Yeongam, Éric Boullier, chefe da escuderia britânica, revelou que o novo contrato de Grosjean já está pronto. A equipe só mantém a cautela com relação ao momento em que vai firmar o novo acordo com o piloto. O pensamento, porém, é que seria um erro chutá-lo do time depois de toda a confiança depositada no piloto e no potencial apresentado em nos bons momentos que teve em 2012.

Grosjean se mostrou aliviado por ficar fora dos problemas na primeira volta na Coreia (Foto: Lotus/LAT Photographic)

“Ele tem sido tranquilizado com relação ao seu futuro e que vai continuar conosco, mas eu não posso me comprometer hoje”, ressaltou o dirigente. “Há uma situação com a FIA e houve a suspensão, então eu tenho que fazer isso no momento certo”, contextualizou Boullier.

A Lotus criticou Grosjean publicamente após o que aconteceu na primeira curva do GP do Japão, quando o francês largou na quarta posição, mas complicou sua participação na corrida ao tocar em Mark Webber e tirar o australiano da disputa pela vitória. Nos bastidores, o time alertou que, em caso de novo acidente, os comissários o desclassificariam da disputa. “Ele sabe que tem nosso apoio. Não estaria aqui hoje se não tivesse”, garantiu o chefe da equipe.

“Tivemos discussões internas [sobre o tema]. Tudo está pronto, o contrato está pronto e foi aprovado pelo conselho. É apenas uma questão de encontrar uma possibilidade para assiná-lo”, afirmou.

Boullier não se arrepende de ter promovido o retorno de Grosjean à F1, após a passagem frustrada pela categoria em 2009, com a Renault, e o título da GP2 em 2011. “Ele é rápido, talentoso e, se passa da primeira curva, é um piloto decente. Ele merece estar na F1, trouxemos ele de volta porque acreditamos que tem futuro. Seria uma bobagem trazê-lo de volta e depois nos livrarmos dele”, defendeu o dirigente.

“Há muitos motivos diferentes para os problemas que ele teve na primeira curva. A primeira coisa a ser feita é recuar e manter sua linha até passar da primeira curva. Depois você pode correr”, ensinou o ex-piloto, que acredita que Grosjean cresceu depois da suspensão que recebeu após o GP da Bélgica: “No fim das contas, [a suspensão] teve um efeito positivo sobre ele. Ele entendeu, foi para Monza porque quis e claramente quer se reconstruir”.

Sétimo colocado no GP da Coreia, Grosjean ocupa a oitava colocação no Mundial de F1. Foram 88 pontos somados nas 16 corridas até aqui disputadas. Essa quantia de pontos o coloca como o melhor estreante de 2012. Os pontos altos da temporada foram três pódios: um segundo lugar, no GP do Canadá, e dois terceiros, no Bahrein e na Hungria. Ficar de fora de quaisquer problemas na corrida deste domingo o deixou aliviado.

Terceiro no Mundial e ainda com chances de título, Räikkönen continuará no time em 2013 por conta de uma cláusula contratual que assegura sua permanência pela boa performance. O finlandês não vem fazendo feio em seu retorno à categoria após dois anos competindo no WRC, embora ainda não tenha vencido.