F1

Chefe da Mercedes fala em orgulho por dominar GP 1000 e diz que “acelerador ficou controlado” com Hamilton

O diretor-executivo e chefe da Mercedes Toto Wolff, estava todo animado para falar de mais uma vitória da Mercedes na temporada 2019 do Mundial de Fórmula 1. Segundo ele, a vitória veio com tanta tranquilidade que a Mercedes nem precisou acelerar tanto assim o carro

Grande Prêmio / Redação GP, do Rio de Janeiro
Do que é possível reclamar de Toto Wolff e do comando da Mercedes? Após três dobradinhas nas primeiras três corridas da temporada, o clima está leve. O diretor-executivo do time alemão comemorou a vitória no GP 1000 da história da Fórmula 1, neste domingo (14), em Xangai. E deixou claro que a Mercedes venceu sem precisar forçar a barra.
 
Wolff disse se orgulhar do trabalho de estratégia e pit-stop coreografado da Mercedes que, no fim das contas, deram maior vantagem em relação às decisões desastradas da Ferrari.
 
"Era a corrida 1000, e é incrível para nós largar na pole e controlar a corrida. A estratégia de duas paradas foi um momento particularmente de orgulho, porque você tem tudo a perder se estiver numa situação de dobradinha. Mas foi uma boa coreografia", falou.
 
"Nosso ritmo nos pegou de surpresa desde a sexta-feira, quando não imaginávamos que fosse possível controlar. Estou orgulhoso pela equipe. A potência nas retas melhorou e nosso carro é um pouco mais regular que o deles [Ferrari]. Em termos de gerenciamento dos pneus, os níveis de downforce ajudam", apontou.
 


De acordo com o chefe, a Mercedes ainda tem novidades para introduzir no começo da temporada europeia, mas mesmo da forma atual o carro responde de maneira muito eficiente.
 
"Você tenta sempre começar forte e não sair atrás, mas temos ainda boas coisas para trazer ao carro e a direção do desenvolvimento está correto. É visível que todo mundo está feliz, é uma vitória especial. O pedal do acelerador ficou sob controle hoje com Hamilton", afirmou.
Lewis Hamilton (Foto: AFP)
Reconheceu, ainda, que nem todo mundo vai sair da China exultante.
 
"Valtteri [Bottas] não vai ficar feliz, porque ele largou na pole, mas a largada foi um fator decisivo. Baku é um jogo diferente e você precisa acertar o nível de potência para a pista. Estamos prontos para a briga", finalizou.
 
A F1 volta em duas semanas, 28 de abril, com o GP do Azerbaijão.