F1

Chefe da Red Bull ironiza abandono duplo da Renault por falha no motor no Bahrein: “Não nos ajudou a ir ao pódio”

Após término conturbado de relação com a Renault, Christian Horner ironizou os problemas de potência nos carros de Nico Hülkenberg e Daniel Ricciardo, que forçaram a entrada do safety-car e impediram que Max Verstappen ultrapassasse Charles Leclerc nas voltas finais do GP do Bahrein

Grande Prêmio / Redação GP, de Campinas

A entrada do safety-car nas voltas finais do GP do Bahrein, realizado no último domingo (31), impediu o segundo pódio consecutivo de Max Verstappen. O holandês da Red Bull tinha ritmo para ultrapassar Charles Leclerc, da Ferrari, que tinha um problema de motor, mas os abandonos simultâneos dos pilotos da Renault, Nico Hülkenberg e Daniel Ricciardo, impediram o ataque de Verstappen.

Christian Horner, chefe de equipe da Red Bull, ironizou os abandonos do time rival, que vieram por conta de problemas de motor. A Renault forneceu motores para o time taurino por 12 temporadas, mas o acordo foi quebrado em uma separação nada amistosa, com a equipe austríaca culpando a montadora francesa pela falta de confiabilidade.

"Renault estourando motor infelizmente não nos ajudou a ir para o pódio. Irônico, não é? Com eles dentro ou fora do carro", declarou Horner.

Apesar da brincadeira, o chefe discordou da decisão da direção de prova em terminar a corrida com o carro de segurança. O inglês acredita que outra solução poderia ter sido adotada para a ocasião. "Mas, sim, não poderia ser um safety-car virtual? É difícil. Com os dois carros no circuito, eu acho que estava tudo certo", comentou.
Max Verstappen (Foto: Beto Issa)
Após um pódio com Verstappen na Austrália, o RB15 não conseguiu repetir o mesmo rendimento, ficando atrás dos carros da Mercedes e da Ferrari na maior parte da corrida. Horner citou dificuldades para encontrar aderência com os pneus e problemas com o vento em Sakhir, que prejudicaram o desempenho do carro.
 
"Nós não conseguimos extrair o máximo dos pneus na classificação e na corrida. O quanto fomos afetado pelo vento é difícil de dizer. Eu acho que nos afetou muito, não sei se mais ou menos que os outros times, mas pareceu ser um problema grande pro nosso carro na pista", declarou. "Mas acho que os pilotos fizeram um bom trabalho para tirar o máximo do carro. Porém, quando você ouve os comentários, vê que eles não estão em um lugar confortável no momento com a posição do carro e do que ele é capaz", completou.