Cofundador da Williams, Head descarta equipes mais próximas em 2017: “Quem acha isso tem cabeça de vento”

Patrick Head não acredita em uma F1 com equipes mais parelhas em 2017. O cofundador da Williams acredita que o novo regulamento vai deixar as grandes equipes com ainda mais vantagem, consequência da melhor estrutura

O novo regulamento técnico da F1, que vai mudar radicalmente a aerodinâmica e o visual dos carros, deixa os fãs da categoria apreensivos. Ninguém sabe ao certo qual será o efeito das mudanças sobre as corridas, mas existe a expectativa de que o certame fique mais competitivo. Patrick Head, cofundador da Williams, não cai nessa: o engenheiro acredita que os novos carros só vão servir para aumentar a disparidade entre as escuderias.
 
“Quem acha que essas regras têm o objetivo de aproximar o pelotão tem cabeça de vento”, disse Head, falando ao jornal britânico ‘The Guardian’. “Sempre que você faz mudanças significativas, a vantagem fica com as equipes grandes. Elas têm os recursos e a capacidade para desenvolver o carro atual e o próximo em paralelo”, seguiu.
Patrick Head não acredita em uma F1 muito mais disputada (Foto: Williams)
“Quando você tem 750 empregados ou mais contra os 300 da Force India, é claro que equipes maiores podem fazer melhor. Qualquer teoria sobre juntar o pelotão é bobagem”, completou.
 
O novo regulamento pode não servir para agrupar o pelotão, mas pelo menos deve servir para evitar o quarto ano seguido de domínio completo da Mercedes. A necessidade de redesenhar o carro por completo abre caminho para uma das grandes equipes dar o pulo do gato e, quem sabe, tirar a equipe prateada da posição extremamente confortável dos últimos anos.
fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)<0?n+="px":n,cc.style.display="",s2.width=n,window.frameElement&&(s1.height=c2.offsetHeight+5+"px"),t=500,s1.width="100%"}rs(t)},200)}var c1=window.frameElement?window.frameElement:document.getElementById("crt_ftr"),c2=document.getElementById("crt_ftr"),s1=c1.style;s1.position="fixed",s1.bottom="-4px",s1.left="0px",window.frameElement&&(s1.height="0"),c2.style.textAlign="center",s1.zIndex="60000";var cc=document.getElementById("crt_cls"),s2=cc.parentNode.style;cc.onclick=function(){s1.display="none"};var t=0;rs(0);

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth < 970) ? 302357 : 302359;
document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube