F1

Confira declarações dos pilotos após classificação para GP da Itália, 14º etapa da temporada 2018

Com 1min19s119, Kimi Räikkönen quebrou o jejum e assegurou a pole-position para o GP da Itália de F1. 0s161 mais lento, Sebastian Vettel ficou com o segundo posto, com Lewis Hamilton garantindo a terceira colocação
Warm Up / Redação GP, de São Paulo
 Kimi Räikkönen (Foto: AFP)
A Ferrari cumpriu a expectativa e levantou a torcida italiana ao conquistar a pole-position para o GP da Itália. Mas, desta vez, o autor da façanha não foi o suspeito de sempre.
 
Com 1min19s119, a volta mais rápida da história da F1 no traçado de Monza, Kimi Räikkönen conquistou a posição de honra no grid, 0s161 melhor que Sebastian Vettel, o segundo colocado. Lewis Hamilton vai abrir a segunda fila.
Kimi Räikkönen colocou a Ferrari na pole em Monza (Foto: AFP)
0s537 mais lento que o conterrâneo da Ferrari, Valtteri Bottas ficou com o quarto lugar na classificação, à frente de Max Verstappen, Romain Grosjean, Carlos Sainz Jr., Estaban Ocon, Pierre Gasly e Lance Stroll.
 
Com 1min21s669, Kevin Magnussen foi o primeiro na lista de corte do Q2 e, assim, vai sair em 11º, à frente de Sergey Sirotkin, Fernando Alonso e Nico Hülkenberg. Daniel Ricciardo ficou com o 15º tempo, mas vai sair no fundo do grid por conta de uma troca de motor.
 
Depois de uma boa performance na Bélgica, Sergio Pérez foi eliminado ainda no Q1 por apenas 0s001 e fez o 16º tempo no treino classificatório, também só 0s001 melhor que Charles Leclerc, o 17º. Brendon Hartley vem na logo atrás, seguido por Marcus Ericsson e Stoffel Vandoorne.
 
Confira as declarações dos pilotos:
 
 
 
Sebastian Vettel não ficou feliz com a classificação (Foto: AFP)
Valtteri Bottas, quarto: “O dia todo foi bem difícil para mim. Nós fizemos algumas mudanças no acerto para o TL3. Depois disso, o carro ficou melhor nas curvas, mas perdemos performance na freada e ficou muito fácil travar as rodas. Obviamente, em uma pista de alta velocidade você precisa poder confiar nos seus freios. Infelizmente, nunca pude fazer isso. Em comparação com o Tl3, o carro pareceu um pouco melhor na classificação, mas ainda não estava lá. Eu cometi um erro na curva 1 na primeira volta no Q3 e, depois disso, foi difícil acertar a curva na segunda tentativa. Mas foi só a classificação. O fim de semana não acabou, a corrida é amanhã e nós vamos tentar de tudo para colocar a Ferrari sob pressão e desafiá-la. Vamos ver o que podemos fazer em termos de estratégia e a primeira volta será interessante, já que podemos ter um pouco de vácuo na curva 1”.
 
 
Romain Grosjean, sexto: “Foi bom. Foi um pouco no limite no Q1. Não funcionou muito bem ― a margem para passar não era tão grande quanto pensávamos, mas aí o Q2 foi bem bom. O Q3 foi bom, todos melhoraram, mas eu sabia que seria muito apertado. Eu pensei que teríamos um pouco mais de margem no final. Fiquei surpreso em ver a Renault tão rápida, e eu esperava que a Force India estivesse lá. Estou muito feliz por começar na sexta posição e, claro, temos algum trabalho pela frente para amanhã, mas acho que temos um bom ritmo de corrida também. Tem uma batalha super apertada acontecendo no pelotão intermediário e nós amamos isso”.
 
Carlos Sainz Jr., sétimo: “Isto é mais do que um presente de aniversário bom o bastante! Estou muito feliz com isso. Nós trocamos a asa traseira antes da classificação, então fomos para a sessão um pouco no escuro. Nós tínhamos um bom ritmo logo de cara, brincando um pouco com o vácuo para extrair o máximo da asa traseira com mais downforce. Me senti muito mais confortável no carro hoje e a estratégia no Q3 foi perfeita. Nós viramos as coisas de cabeça para baixo desde Spa para encontrar mais performance, então hoje é um resultado final satisfatório. O time trabalhou realmente duro e estamos em uma boa posição para lutar pelos pontos amanhã”.
 
Esteban Ocon, oitavo: “Foi uma sessão muito apertada e eu, na verdade, estava esperando um pouco mais do que a oitava posição, pois acho que era possível alcançar a sexta colocação hoje. Infelizmente, não tirei o máximo do vácuo no momento certo na minha tentativa final e isso me custou velocidade máxima. Tomara que possamos recuperar essas posições amanhã, pois o ritmo do nosso carro é forte e devem aparecer oportunidades de ultrapassagem”.
 
Pierre Gasly, nono: “Hoje foi inacreditável, nós não sabíamos se conseguiríamos ir ao Q2 antes da classificação, e então fomos para o Q3. É uma ótima sensação largar em nono, tudo foi muito bem durante a classificação, eu consegui dar uma boa volta e pegar o vácuo, foi uma das minhas melhores voltas da temporada. Acredito que foi o melhor resultado que poderia conseguir na classificação e é fantástico fazer isso no circuito caseiro da Toro Rosso. Eu não me sentia bem com o carro ontem, mas fizemos algum bom progresso durante a noite e agora me sinto muito melhor. Hoje foi metade do trabalho e agora precisamos terminar a segunda metade amanhã. Será uma longa caminhada do grid para a curva 1, então vai ser crucial fazer uma boa largada, depois disso apenas tentar estar no lugar certo na hora certa, pois vai ser apertado. Quando você começa do fundo do grid é um pouco arriscado, então vou tentar colocar meu carro no lugar certo e me manter longe de problemas, acelerando o máximo possível".
 
Lance Stroll, décimo: “Vai ser realmente bom digerir um resultado como este nesta noite. Vou dar um abraço nos meus rapazes. Eu estava rindo dentro do meu capacete. Eu não acho que seja apenas o circuito, já que qualquer pista depende do dia a dia. Às vezes, você entra no ritmo e tudo fica no lugar, e hoje foi assim. Nós estávamos em boa forma desde o Q1 e eu só construí em cima disso, fazendo uma boa volta no Q2 para avançar para o Q3 e aí fiz o que podia e o décimo foi o meu máximo. Amanhã, sem dúvida, será um dia desafiador, já que estamos sofrendo com a velocidade em linha reta e alguns dos nossos rivais estarão em cima de nós amanhã, mas minha mentalidade é sempre a mesma e vou para dar tudo de mim aconteça o que acontecer”.
Lance Stroll foi ao Q3 (Foto: Wiliams)
 
Sergey Sirotkin, 12º: “Pessoalmente, não foi a melhor sessão. A performance que tínhamos ontem era muito mais promissora do que hoje. Foi tudo na conta do vácuo e como você o consegue, de qual carro você está atrás e qual a distância que deixa na frente. Acho que quando você se concentra muito nisso, isso pode afetar o equilíbrio do carro e a performance em diferentes partes da pista. Acho que perdemos um pouco na performance base e, honestamente, acho que perdemos muito mais tempo. Na minha última tentativa, o vácuo que consegui não era o ideal. Foi uma verdadeira perda de tempo em algumas áreas e eu tinha um equilíbrio diferente nas curvas, então o carro estava aqui e ali. Foi uma sessão difícil e não estou muito feliz”.
 
 
Nico Hülkenberg, 14º: “Nós sabemos que as punições estavam chegando, então não rodamos muito no Q2. A posição de partida dá alguma flexibilidade na escolha de pneus e como você usa os compostos, mas nós precisamos ser realistas ― não vai ser fácil. O pelotão intermediário estava extremamente apertado hoje e ultrapassar, embora não seja impossível aqui, também não é simples. Só quero ter uma corrida limpa amanhã e tentar recuperar o máximo de posições que pudermos”.
 
Daniel Ricciardo vai ter de cumprir punição (Foto: Getty Images/Red Bull Content Pool)
Sergio Pérez, 16º: “Estou muito desapontado por ser eliminado no Q1. É frustrante, porque tínhamos muito potencial para estar atrás dos times do top-3 neste fim de semana e, ao invés disso, ficamos de fora após uma tentativa. É muito difícil digerir: pensávamos que estávamos seguros, mas subestimamos o quanto a pista iria evoluir em alguns minutos. Só ficamos dois décimos atrás de Estaban, que é o sétimo, mas, com um pelotão tão apertado, as margens são muito pequenas e nós perdemos por um milésimo de segundo. Temos de admitir que cometemos um erro enquanto equipe: a decisão de não sair estava errada, mas eu também deveria ter feito uma volta melhor na minha primeira tentativa. Perdi algum tempo e isso nos deixou vulneráveis. O plano para amanhã é minimizar o dano que tivemos hoje. Ainda vamos tentar voltar para o top-10 e levar para casa alguns pontos. O nosso carro tem ritmo, assim como na semana passada, mas vai ser uma tarefa árdua passar pelo pelotão”.
 
Charles Leclerc, 17º: “Não sei o que aconteceu com a nossa performance entre o TL3, onde fomos muito competitivos, e a classificação. Estou muito feliz com a minha volta ― uma coisa que eu raramente digo ―, então fica ainda mais frustrante ser eliminado no Q1. Nós temos muito trabalho pela frente, e temos de entender exatamente o que aconteceu para que possamos nos recuperar antes da corrida de amanhã e conquistar um bom resultado”.
 
Brendon Hartley, 18º: “Foi uma classificação incrivelmente apertada hoje, minha última volta não foi ruim, eu cometi um pequeno erro na curva 1, mas o resto da volta foi boa. Poderíamos ter um pouco da chuva durante a tarde como vimos ontem, pois estávamos competitivos no molhado. O carro não está ruim e a equipe fez um ótimo trabalho em fazer algo que Pierre e eu gostamos. O pelotão intermediário estava bastante apertado hoje, o que é incrível para a F1, mas é frustrante eu estar no lado errado disso. Havia uma diferença de 0s1 entre eu e Pierre e isso fez uma diferença de seis posições. É um pouco decepcionante estar em 18º, pois isso nos dá mais trabalho para amanhã, mas após algumas penalizações, devemos largar mais à frente do grid".
 
Marcus Ericsson, 19º: “Antes de mais nada, é bom voltar ao carro depois do acidente que tive ontem. Nossos mecânicos trabalharam ao longo de toda a noite e fizeram um ótimo trabalho para reparar o carro a tempo. O TL3 foi sobre ficar confortável outra vez, e eu me senti bem na classificação. Infelizmente, o resultado não foi o que nós gostaríamos ― com os dois carros fora no Q1. Vamos analisar o que aconteceu e trabalhar para melhorarmos para a corrida. O resultado não muda muito para mim, já que temos uma punição no grid por termos trocado meu motor. No entanto, é um pelotão intermediário realmente apertado, então espero que ainda possamos lutar e ter um bom resultado amanhã”.
 
Stoffel Vandoorne, 20º: “Foi extremamente apertado no Q1 hoje e nós vimos dez carros separados por quase dois décimos. Nós talvez não tenhamos extraído o máximo do vácuo com que estávamos tentando jogar. A possibilidade de avançar ao Q2 estava lá, então é uma pena perder por alguns centésimos. Por outro lado, ontem nós estávamos muito até muito longe de pensar nisso. Estávamos no contrapé e muito longe até mesmo do competidor mais próximo, então hoje demos um passo à frente. Vamos ver o que podemos fazer amanhã. Ainda temos muito trabalho pela frente e não estamos onde precisamos estar, então estamos esperando uma corrida dura. Ultrapassar aqui nunca foi fácil. A corrida será longa e não tem nada que realmente possamos fazer com a estratégia, já que é uma corrida de uma parada”.