Coulthard revela proposta da Ferrari para virar 2° piloto de Schumacher em 1996

Com uma longa carreira na McLaren e hoje embaixador da Red Bull, David Coulthard recebeu uma proposta para pilotar a Ferrari junto de Michael Schumacher em 1996, mas recusou por não querer ser o segundo piloto da equipe. Escocês trocou Grove por Woking

Com 247 GPs na Fórmula 1 e 13 vitórias, o escocês David Coulthard poderia ter tomado rumos muito diferentes na carreira em 1996. Em entrevista à emissora irlandesa RTE, o ex-piloto relembrou uma proposta que recebeu para correr na Ferrari.
 
Após iniciar a carreira na F1 pela Williams substituindo o falecido tricampeão mundial Ayrton Senna, em 1994, Coulthard recebeu diferentes propostas após ser terceiro colocado na temporada 1995. Porém, o fator financeiro pesou para firmar contrato com a McLaren, equipe na qual permaneceu até 2004.
 
"Algo que aprendi na minha carreira foi enquanto estava na Williams. Meu empresário conseguiu negociar um acordo muito mais rentável na McLaren do que o contrato de dois anos na Williams. Eu saí da última corrida em Adelaide para ser 13º no grid com a McLaren em Melbourne. Estava recebendo muito mais em um carro muito menos competitivo. Tive anos fracos, mas depois sempre fui competitivo", comentou o escocês.
David Coulthard (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)
Em 1996, a Ferrari fechou com o então bicampeão mundial Michael Schumacher e buscava um segundo piloto. Coulthard sabia da diferença de nível entre ele e o alemão, e por isso preferiu Woking à Maranello, fazendo o time italiano procurar por outro nome e eventualmente fechar com Eddie Irvine.
 
"Na Ferrari, o contrato que ofereceram me fazia o número 2 do Michael. Não tenho dúvidas de que ele era melhor, eu reconheço isso, mas naquele estágio da carreira, eu não poderia assinar um contrato de segundo piloto, por isso decidi assinar com a McLaren e acho que foi a melhor decisão para a minha carreira”, seguiu.
 
Entrando no estágio final da carreira, Coulthard perdeu lugar na McLaren em 2005 quando o time inglês preferiu a contratação do colombiano Juan Pablo Montoya para ser a dupla de Kimi Räikkönen. O escocês relembrou a ida para a Red Bull, equipe na qual fez suas últimas quatro temporadas na Fórmula 1 e mantém vínculo até os dias atuais como embaixador.
 
"Eles eram Jaguar antes, e eu já tinha decidido que não queria ir para lá. Aí a Red Bull veio e comprou o time. A diretoria foi modificada e o time também. Eu lembro de encontrar o [Dietrich] Mateschitz (fundador da Red Bull) antes de assinar o contrato. Pensei em olhá-lo nos olhos e entender qual era seu desejo, e ele realmente parecia entender que esse não era um exercício de marca, mas que seria um grande investimento para colocar a equipe na posição de vencer”, completou.
 

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.

assine agora