Kvyat diz ser “agente livre” no mercado de pilotos e considera ano sabático em 2021

Daniil Kvyat sabe que, mesmo sem anúncio oficial, muito provavelmente será trocado por Yuki Tsunoda na AlphaTauri. O russo ainda não desiste da F1, mas quer descansar em 2021

A jornada de Daniil Kvyat na Fórmula 1 está próxima do fim, ou pelo menos de uma pausa. O russo está em vias de ser trocado por Yuki Tsunoda na AlphaTauri, o que significaria ficar sem vaga no grid de 2021. Só que não é o fim do mundo: considerando-se um “agente livre” no mercado de pilotos, o russo considera fortemente voltar às pistas só em 2022.

O argumento de Kvyat é que um ano afastado da F1 em 2021 seria importante para planejar um retorno digno ao grid em 2022. A possibilidade de focar em outra categoria ainda não passa pela cabeça do russo.

“Eu quero férias, depois veremos em 2022”, disse Kvyat. “Eu vou tentar voltar porque sinto que posso ser extremamente competitivo, estando no ambiente certo com as pessoas certas e com o carro certo. Eu sinto que ainda tenho muito o que oferecer. Sou grato por tudo, por todos esses anos. Esses últimos dois anos com a equipe [AlphaTauri] foram uma fase ótima. Foi fantástico, eles são incríveis”, seguiu.

“É uma pena não poder dizer se vou estar aqui ou não ano que vem. Estou aqui falando com vocês [imprensa] e eles ainda não me deram notícias oficiais. Isso é tudo que eu sei”, destacou.

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

Daniil Kvyat se aproxima de ano sabático (Foto: Red Bull Content Pool)

Ainda não há anúncio da AlphaTauri sobre o companheiro de Pierre Gasly para 2021, mas trata-se apenas de uma formalidade. Tsunoda conseguiu a superlicença com o terceiro lugar na F2 em 2020, fazendo campanha forte. A empolgação da equipe italiana é tamanha que já houve até mesmo um teste privado em Ímola.

Kvyat, por sua vez, aparenta estar em beco sem saída na família Red Bull. O russo tem carreira errática desde 2016 e tem a chance de romper o vínculo com a companhia ao fim do ano. Um retorno, entretanto, não é descartado.

“Você nunca pode dizer nunca. A vida te ensina a nunca dizer nunca. Eu tinha um contrato de dois anos, esse era o acordo. É isso. De resto, pergunte ao Helmut [Marko, consultor da Red Bull]. Sou um agente livre agora e estou aberto a muitas ideias, mas não quero dizer nada agora. Talvez eu queria um ano de descanso ano que vem, mas veremos. Se algo extremamente bom aparecer, claro que vou pensar em aceitar. Caso contrário, vamos focar em voltar à Fórmula 1 em 2022”, encerrou.

Caso esse seja o fim da linha, Kvyat se despede da F1 com currículo recheado. Foram 112 GPs e três pódios ao longo de seis temporadas. O melhor resultado no Mundial de Pilotos foi um sétimo lugar em 2015.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube