Diretor-técnico da Ferrari afirma que falha de Hamilton na largada e bom ritmo foram decisivos para vitória de Vettel

James Allison entende que a má largada de Lewis Hamilton ajudou Sebastian Vettel a vencer pela segunda vez na temporada 2015. Mas o engenheiro britânico também destacou o bom ritmo apresentado pela SF15-T ao longo da corrida

Nada como um dia após o outro. Depois de um período complicado e com poucos bons resultados para a Ferrari, James Allison, diretor-técnico da escuderia de Maranello, passou a ser muito criticado e também alvo de rumores que apontavam até mesmo para uma eventual demissão. Mas tudo mudou no fim de semana do GP da Hungria. O britânico subiu ao pódio para receber o troféu da equipe vencedora e comemorou com Sebastian Vettel uma grande — e improvável — conquista em Hungaroring no último domingo (26).

Na visão de Allison, a vitória de Vettel no circuito magiar tem muitas semelhanças com o primeiro triunfo conquistado pela Ferrari em 2015, também por Sebastian, no GP da Malásia. E aí, o diretor-técnico apontou como principais fatores que contribuíram para mais uma vitória no ano a falha de Hamilton na largada em Hungaroring, mas também o ritmo consistente da SF15-T.

James Allison comemora ao lado de Vettel a vitória no GP da Hungria de F1 (Foto: Ferrari)

Por muito tempo, a Ferrari deu a entender que completaria uma dobradinha, que seria a primeira desde o polêmico GP da Alemanha de 2010, com Fernando Alonso à frente de Felipe Massa. Mas Kimi Räikkönen enfrentou problemas de falta de potência na sua unidade de força e teve de abandonar, frustrando o que seria o melhor resultado possível para o time italiano.

“Acho que as semelhanças estão no fato de que se você larga bem e está correndo de ‘cara para o vento’ e pode ter sua corrida sem problemas, isso faz toda a diferença no geral. Outra semelhança é que o cara mais rápido dos nossos concorrentes, Hamilton, não fez uma boa largada por conta das suas dificuldades, e este também foi o caso na Malásia”, analisou Allison durante entrevista coletiva em Hungaroring.

“Mas acho que provavelmente a maior semelhança é que em ambas as pistas o carro tinha um bom ritmo, e quando você tem bom ritmo, você pode fazer coisas boas”, destacou James.

Sebastian Vettel leva a Ferrari pela segunda vez no ano ao topo do pódio (Foto: AP)

O engenheiro se mostrou aliviado por ver a Ferrari novamente em boa forma na temporada. E, de certa forma, o resultado lhe dá mais fôlego para a sequência do seu trabalho em Maranello.

“Acho que as últimas duas ou três corridas foram um pouco abaixo dos padrões para nossa equipe. Não trouxemos para casa aquilo que deveríamos ter feito com as chances que tivemos. E isso foi um retorno daquilo que nós esperávamos para um fim de semana, com um bônus adicional graças às dificuldades enfrentadas pelo pessoal à nossa frente”, completou.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube