Pérez se vê “no mesmo barco” que Ricciardo sobre adaptação: “Carros muito diferentes”

Ainda na tentativa de tirar o máximo do RB16B, Sergio Pérez se vê "no mesmo barco" que Daniel Ricciardo na McLaren: com carros totalmente diferentes e adaptação muito difícil

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTubeGP | GP2

A adaptação nas novas equipes em 2021 pode ter sido mais tranquila para Carlos Sainz Jr., que superou o próprio companheiro Charles Leclerc na Ferrari, ou melhor a cada corrida, como é o caso de Sebastian Vettel na Aston Martin e Fernando Alonso na Alpine. No entanto, para Sergio Pérez, da Red Bull. e Daniel Ricciardo, da McLaren, os novos carros não são nada fáceis de domar. E é verdade que o mexicano teve melhores momentos que o australiano na temporada: chegou a vencer no Azerbiajão e subir ao pódio na França. Mas, desde então, nenhum resultado expressivo caiu na conta do time taurino por parte de Pérez — que, acima de tudo, entrou para as férias de verão com um gosto amargo depois dos GPs da Inglaterra e Hungria.

Por isso, ‘Checo’ vê sua situação com os taurinos muito parecida com a de Ricciardo na McLaren, principalmente em termos de adaptação. Para ele, as diferenças gritantes entre o carro da Racing Point, sua ex-equipe, e a Red Bull, além do pouco tempo de treino, fazem o processo de entendimento ser muito mais difícil.

“Estamos no mesmo barco em termos de carro e unidade de potência, porque esses carros são muito diferentes do que estamos acostumados”, disse Pérez, em entrevista ao site inglês The Race.

“Ter uma unidade de potência diferente também significa adaptar seu estilo de pilotagem e criar diferentes técnicas na corrida. Temos que nos adaptar às provavelmente maiores diferenças que existem. E é muito difícil quando você tem tão pouco tempo”, acrescentou.

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

SERGIO PÉREZ; DANIEL RICCIARDO; RED BULL; GP DA ESPANHA; F1;
Sergio Pérez passa Daniel Ricciardo. Eles disputaram o quinto lugar da corrida no GP da Espanha (Foto: Getty Images/Red Bull Content Pool)

“Alguns pilotos se adaptaram melhor do que outros, mas dá para ver que, especialmente neste ano, é muito complicado se adaptar a carros novos”, seguiu.

Pérez também lida com a pressão sobre a decisão de seu futuro na Red Bull. Com Max Verstappen já garantido até 2023, o dono do carro #11 ainda vive incerteza, com a marca dos energéticos despistando sobre a continuidade ou não do piloto. E é por isso que ele entende que a comunicação com o RB16B precisa acontecer de forma rápida, mesmo que tenha que mudar sua ‘filosofia’ e ter até mesmo as configurações do #33 como parâmetro.

“Max está em muita sintonia com o carro e é obviamente o piloto da Fórmula 1 mais rápido do grid, dificilmente comete erros”, reconhece Pérez. “Tenho ele como referência, porque, estamos falando de décimos de segundo aqui e, às vezes, há uma ou duas coisas que você precisa ajustar para, de repente, você conseguir alcançar bons tempos de volta”.

“Mas, outras vezes, você tenta algo diferente, da maneira como estava acostumado, e acaba ficando um segundo acima. Você percebe, então, que tem que mudar o seu estilo”, concluiu.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar