Ocon admite susto e dificuldade em volta à Fórmula 1: “Todos os carros são diferentes”

Após um ano fora do grid da F1, Esteban Ocon achou que trabalhar na Renault seria igual a Mercedes, ou a Force India. Porém descobriu rapidamente que estava enganado

Esteban Ocon esteve afastado da Fórmula 1 por todo o ano de 2019 e, quando retornou, não estava mais na Force India, equipe pela qual guiou por duas temporadas, nem na Mercedes, da qual foi reserva. O francês foi para a Renault – e acabou levando um susto.

Foi por lá que Ocon percebeu que, na Fórmula 1, cada equipe tem sua maneira de agir, e que mesmo sendo parte da mesma categoria, cada carro tem suas particularidades.

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

Esteban Ocon celebrou seu primeiro pódio na Fórmula 1 em 2020 (Foto: Renault)

“Do meu lado da garagem, experimentei mais coisa do que nunca. No passado sempre tentei adaptar meu estilo de guiar ao carro, mas na Fórmula 1 você melhora principalmente ao trabalhar junto aos engenheiros. Mas a Renault não trabalha como a Mercedes, ou como a Force India. Não é a mesma coisa”, explicou Ocon aos alemães do ‘Formel1’.

“Você faz curvas de forma diferente, as configurações são diferentes. Eu pensei que ia voltar para a F1 e fazer a mesma coisa que fazia na Force India, mas não foi o caso, mesmo. Todos os carros são diferentes”, seguiu.

Mesmo com as dificuldades, e tendo terminado o ano apenas em 12° no Mundial, Ocon ao menos conseguiu seu primeiro pódio na carreira, com o segundo lugar no Sakhir. Ele tem contrato para 2021, quando será companheiro de Fernando Alonso na Alpine.

“Nós entendemos o carro melhor e ele esteve mais forte no Bahrein. Ficou claro por lá que estamos indo na direção certa e que o desenvolvimento segue correto”, finalizou Ocon.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube