Ferrari vê dificuldades, mas espera que GP da Itália seja “melhor do que em 2020”

Depois de um desastroso GP da Itália em 2020, Mattia Binotto, chefe da Ferrari, prevê dificuldades de novo, mas diz que o atual pacote aerodinâmico da equipe ajudará Charles Leclerc e Carlos Sainz Jr. a terem um melhor desempenho em Monza

COMO BOTTAS TEM CHANCE NA ALFA ROMEO DE SER PROTAGONISTA DE SUA HISTÓRIA NA F1

Depois de saírem frustrados pelo resultado abaixo do esperado no GP da Holanda, a Ferrari tem à frente o GP da Itália que, em outros tempos, seria quase um alívio para a Scuderia. Só que, depois da terrível apresentação ferrarista em Monza, no ano passado, e os problemas remanescentes em uma inconstante SF21, Mattia Binotto sabe que o caminho não vai ser fácil, mas espera por resultados melhores no circuito italiano do que os obtidos em 2020.

“Sabemos que Monza não será fácil para nós, sempre há uma desvantagem de motor que pagaremos nas retas”, disse Binotto, em entrevista à Sky Italia. Mas acho que podemos nos preparar bem, com o pacote aerodinâmico que temos, com certeza faremos melhor do que no ano passado”, acrescentou.

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

Carlos Sainz terminou o GP da Holanda em sétimo (Foto: Ferrari)

No GP da Itália de 2020, Sebastian Vettel e Charles Leclerc saíram do ‘Templo da Velocidade’ bastante cabisbaixos. Depois de terem sofrido por uma vaga no Q2 da classificação, no fim das contas, largaram apenas em 13º e 14º, respectivamente, longe dos pontos. Na corrida, dois abandonos, igualando o que acontecera em 1995, quando Jean Alesi e Gerhard Berger não completaram a prova.

Por isso, os problemas que o carro da Ferrari apresentava com a potência do motor e o superaquecimento de pneus ainda preocupam olhando para o rendimento em 2021. Binotto, no entanto, afirma ter aprendido a lição e, por isso, vai tentar uma estratégia diferente em Monza: fazer sua dupla de pilotos usar tudo da pista, ponto que pode ser interessante e dar alguma vantagem na corrida.

“É uma pista onde tem que saber atacar as zebras, existem curvas mais travadas que são bem importantes. Não é nada garantido, mas estamos indo para Monza esperando que tudo corra bem”, frisou.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

O chefe italiano também deu pistas sobre como está o desenvolvimento do carro para 2022. Segundo ele, a equipe trabalha “dia e noite” para dar à Ferrari a chance de voltar a brigar por vitórias.

“Em Maranello, eles estão trabalhando dia e noite. Devo dizer que estão trabalhando bem, então vejo a equipe neste momento com uma boa dinâmica de desenvolvimento e integração entre as áreas. Portanto, há positividade no projeto”, explicou Binotto.

“Sabemos que é uma competição relativa, não sabemos o que os outros estão fazendo. Existem carros hoje mais fortes do que nós, o que significa que eles têm uma base melhor para contar. Mas dissemos mais de uma vez que 2022 representa uma oportunidade para nós e estamos tentando aproveitá-la o máximo possível”, concluiu.

POR QUE RUSSELL É APOSTA CORRETA, MAS TARDIA, DA MERCEDES NO FUTURO

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar