FIA estuda mudanças no formato dos fins de semana de GP, mas diz que não tem nenhuma proposta viável ainda

Jean Todt, presidente da FIA (Federação Internacional de Automobilismo), afirmou que a F1 não deve sofrer qualquer alteração no formato dos finais de semana de GP. Há conversas para alterar a programação, mas que nenhuma se mostrou viável até o momento

Presidente da FIA (Federação Internacional de Automobilismo), Jean Todt revelou que as propostas apresentadas até o momento para mudar o formato dos fins de semana de F1 ainda não representam "um realmente passo à frente".
 
Recentemente, foi sugerido que o Mundial repensasse o atual programa e reduzisse para apenas dois dias, já que, muitas vezes, os treinos livres de sexta-feira acabam limitados pelas condições do clima ou da pista. 
Jean Todt conversa com o chefe da Red Bull, Christian Horner (Foto: Getty Images)
Enquanto Todt confirmou que as conversas continuam sobre como melhorar o formato dos finais de semana de GP, até o momento nenhuma ideia foi levada adiante, mesmo porque qualquer alteração também precisa do aval dos promotores dos eventos.
 
"Com tantas pessoas e com tantas ideias neste momento, é algo que estamos discutindo", afirmou o francês. "Mas até agora não tivemos qualquer proposta que fosse melhor do que o programa que já temos", completou.
 
"Se houver uma ideia que comprove realmente daremos um passo à frente, então não seremos contra. Além disso, eu não sou um promotor, e você sempre precisa ver a coisa do ponto de vista do promotor, porque são eles que financiam os fins de semana. E toda vez que se fala em encurtar a programação, eles se posicionam contra", acrescentou o dirigente.
 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube