FIA não renova contrato de delegado-médico e Hartstein se despede da F1 no GP do Brasil

A entidade máxima do automobilismo ainda não apresentou nenhuma justificativa para a dispensa do Dr. Gary Hartstein, responsável pelos procedimentos médicos da F1 desde a aposentadoria de Sid Watkins, no fim de 2004

Gary Hartstein deixará de trabalhar como delegado-médico da F1 após o GP do Brasil de 2012. Seu contrato, que se encerra junto da atual temporada, não foi renovado pela FIA. A decisão foi anunciada nesta quarta-feira (14). Um porta-voz da FIA informou que ainda não há nenhum substituto definido e que não há nenhuma explicação formal para a dispensa.

O acidente de Felipe Massa foi o momento mais delicado da passagem de Hartstein pela F1 (Foto: Shell/Getty Images)

Hartstein ingressou na categoria em 2005, substituindo o Professor Sid Watkins, que morreu em setembro deste ano. Desde então, trabalhou no desenvolvimento de novas políticas médicas para a FIA por meio do grupo de treinamentos médicos da entidade. Neste período, ele enfrentou momentos delicados, como os fortes acidentes de Robert Kubica, no GP do Canadá de 2007, e de Felipe Massa, no GP da Hungria de 2009.

Em sua conta no Twitter, Hartstein escreveu: “Acabei de ser informado que a FIA e o presidente da comissão médica da FIA (Gérard Saillant) decidiram não renovar meu contrato para a F1”. Ele confirmou que nenhuma justificativa lhe foi dada. “Não estou certo dos porquês da decisão, mas não cabe a mim saber. A corrida do Brasil será a minha 247ª e última na F1. Foi uma experiência que mudou a minha vida e que nunca vou esquecer”, completou o norte-americano.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube