Russell evita pensar em ida à Mercedes, mas ressalta que “F1 está sempre mudando”

Enquanto está se preparando para a terceira temporada na Fórmula 1 e na Williams, George Russell segue evitando comentar sobre uma possível mudança para Mercedes e tenta manter-se paciente

George Russell se aproxima da terceira temporada na Fórmula 1 e na Williams. O inglês, porém, segue como possível nome para uma vaga na Mercedes em 2022, ainda mais com os atuais pilotos Lewis Hamilton e Valtteri Bottas sem contratos garantidos para o próximo ano.

Apesar disso, Russell não quer saber do assunto neste momento. No fim de 2020, o jovem fez uma única corrida pela Mercedes, substituindo Lewis Hamilton após o heptacampeão ser diagnosticado com Covid-19 às vésperas do GP do Sakhir.

“Eu disse, recentemente, ao Toto [Wolff] que toda questão é sobre a Mercedes e possibilidades hipotéticas de como eu gostaria de ser companheiro do Max [Verstappen] ou do Lewis [Hamilton]. Estamos muito longe disso, na realidade. A Fórmula 1 é única, dinâmica e está sempre mudando”, afirmou ao jornal Standard.

George Russell no paddock de Sahkir durante manhã de domingo na pré-temporada da Fórmula 1 (Foto: Williams)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

WEB STORIES: Band se prepara para transmitir F1 até champanhe acabar’

“Um resultado ruim, uma falha na pista e isso pode mudar o rumo da carreira. Sou profissional, estou aqui para fazer o melhor trabalho possível na Williams, mas a Mercedes tem sido igualmente leal a mim nos últimos seis anos. Estamos juntos e o que tiver que acontecer, vai acontecer, será natural”, completou.

Com 23 anos, Russell ainda mostra não ter pressa para conseguir completar os sonhos que possui na F1, inclusive do de vencer e conquistar títulos. Para isso, comparou-se com outros pilotos que alcançaram a glória depois de anos na categoria.

“Todo piloto gostaria de ter tudo quando quisesse. Mas Nico Rosberg precisou esperar muito tempo até a primeira vitória e passou dos 30 para conquistar o campeonato. Damon Hill tinha 31 anos quando entrou na F1, mas conseguiu ser campeão. Você não pode deixar a impaciência afetar a trajetória da sua carreira”, finalizou.

Siga o GRANDE PRÊMIO nas redes sociais:
YouTube | Facebook | Twitter Instagram | Pinterest | Twitch | DailyMotion

https://open.spotify.com/episode/56EWZtjjXZerTSc5mEGdpr?si=dXJwGloaQQ6ZEGdY1gUInQ&nd=1

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube